Menu
Busca sábado, 23 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
SpaceDica

De empreendedor por necessidade a empresário de sucesso: veja como alavancar seu negócio

12 março 2021 - 14h00Por Larissa Vitória

Está ficando cada vez mais comum ouvir histórias de brasileiros que trabalhavam em empregos com carteira assinada até o início da pandemia de Covid-19 e, após serem demitidos, precisam partir para a informalidade para garantir alguma fonte de renda. 

Afinal, além da doença já ter levado mais de 266 mil vidas apenas no Brasil, outro efeito da crise do coronavírus foi a alta nas taxas de desemprego: segundo a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, cerca de 14 milhões de pessoas estavam sem trabalho registrado em carteira no trimestre de setembro a novembro de 2020.

Os dados da pesquisa feita pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) revelam, ainda, que a informalidade acompanhou o crescimento do desemprego no período e  subiu 11,2% em relação ao trimestre anterior, atingindo 9,7 milhões de pessoas.

Por que a informalidade está em alta?

“Do ponto de vista econômico, o trabalho formal é um dos primeiros elementos afetados em crises econômicas e um dos últimos a ser recuperado”, conta o professor Marcus Salusse, da Escola de Administração de Empresas da FGV (Fundação Getúlio Vargas).

 De acordo com Salusse, a demora na reposição dos postos de trabalho perdidos leva as pessoas a procurarem oportunidades informais para que consigam manter a renda familiar. E, quando esses indivíduos se deparam com alguma exigência de formalização, o registro de MEI (Microempreendedor Individual) surge como principal alternativa.

No ano passado, a opção refletiu em um recorde nos indicadores: o número de abertura de novas empresas atingiu 3,36 milhões, o maior volume em dez anos. Dessas, cerca de 77% eram MEIs.

O MEI é vantajoso para profissionais de beleza? Confira aqui

Empreendedor ou sobrevivente?

Salusse, no entanto, ressalta que apesar de o MEI formalizar a criação de uma empresa, é preciso diferenciar quem procura o registro apenas para formalização e quem planeja, de fato, empreender.

“Temos que questionar se esses indivíduos realmente são empreendedores ou se eles são sobreviventes”. Nesses casos, o professor identifica a existência de uma dicotomia entre a necessidade e oportunidade: “não houve a identificação de um nicho promissor e a estruturação e planejamento para abrir um negócio. O que motiva essas pessoas é unicamente a necessidade de gerar renda para a família e para si”.

Como resultado, há um aumento da concorrência e diminuição da rentabilidade dos negócios, além da ausência de uma das marcas do empreendedorismo: a inovação. “O que estamos vendo é um ‘camelódromo’ com pouca estratégia e inovação, então as pessoas acabam brigando por preço e realmente fazendo o possível para garantir renda”, aponta o professor.

Como tornar o “bico” um negócio promissor?

Para virar a chave entre empreender para sobreviver e construir um negócio de sucesso, o especialista em empreendedorismo do Sebrae Nacional Enio Pinto explica que é preciso saber que empresas existem para oferecer soluções aos problemas diários dos consumidores.

“No contexto atual, os futuros empresários precisam pensar se o serviço que ele está planejando oferecer vai continuar sendo demandado do mesmo modo após a pandemia”, afirma Pinto, que também é gerente da Unidade de Relacionamento com o Cliente da entidade.

Para quem ainda não definiu seu segmento de atuação, o especialista indica que a escolha do empreendedor pode ser feita com a ajuda de três passos: 

1. Faça uma lista das atividades que você gosta de fazer; 
2. Escolha aquelas em que tenha um desempenho acima da média; 
3. Observe se a atividade vai ao encontro de necessidades de outras pessoas.  Pergunte às pessoas se estariam interessadas em pagar por esse serviço/produto. 

Com o nicho definido, o especialista orienta que os microempreendedores tentem preservar o equilíbrio do caixa: “Com os decretos e avanços da Covid-19, o empreendedor pode se deparar com a queda nas vendas a qualquer momento”. Nessa hora, podem ser necessários cortes para manter o negócio em operação.

Conheça cursos gratuitos para empreendedores

Seja para quem ainda está iniciando a trilha do mundo dos negócios ou já tem alguma experiência em empreender, uma forma de alavancar o crescimento é por meio de cursos. Assim, é possível aprender mais sobre o funcionamento de uma empresa e manter-se sempre atualizado.

Para os principiantes, Pinto indica cinco cursos online que mais têm ajudado os potenciais empresários durante a pandemia: Gestão Financeira, Marketing Digital, Como Vender pela Internet, Aprender a Empreender e Atendimento ao Cliente. Todos são gratuitos, de curta duração e estão disponíveis no portal do Sebrae.

Há ainda uma página da entidade exclusiva para quem já se formalizou e registrou-se como MEI. Lá os microempreendedores encontram atualizações sobre medidas governamentais referentes ao cadastro e uma série de conteúdos que auxiliam na gestão dos negócios.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: