segunda, 15 de abril de 2024
Política

O que acontece na Política - Áudios vazados de Mauro Cid; Quarentena remunerada de Freire Gomes

E, ainda, o governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou um bloqueio de R$ 2,90 bilhões nas despesas do Orçamento de 2024

22 março 2024 - 11h18Por Redação SpaceMoney
Tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL)Tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) - Crédito: Lula Marques, para a Agência Brasil

Depois de relatar que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) discutiu planos golpistas com os comandantes militares no Palácio da Alvorada e que um deles chegou a colocar as tropas à disposição para executar a missão, Mauro Cid, ex-ajudante de ordens, tem dito a pessoas próximas que suas declarações foram distorcidas, certas informações tiradas de contexto e outras convenientemente omitidas pela Polícia Federal (PF), divulgou com exclusividade a revista Veja. A reportagem foi assinada por Robson Bonin, Marcela Mattos e Laryssa Borges.

 

Desdobramentos imediatos

Para investigadores da Polícia Federal e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), Mauro Cid está pressionado e faz jogo duplo para tumultuar as investigações.

De acordo com informações dadas para a coluna de Andreia Sadi, do g1 e da GloboNews, fontes da Polícia Federal avaliam, entretanto, que medida não traria impacto às investigações.

Já o entorno do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) comemora porque o fato pressiona por fim do sigilo.

De acordo com um procurador consultado pela coluna de Daniela Lima, do g1 e da GloboNews, o ex-ajudante de ordens pode ter comprometido o futuro da própria família ao quebrar confiança de colaboração. A fonte falou em necessidade de fair play em delação.

À coluna de Igor Gadelha, no site Metrópoles, Andrei Rodrigues, diretor-geral da Polícia Federal afirmou que acionou o STF para que “graves acusações” feitas por Mauro Cid em áudios sejam apuradas.

O blog de Fausto Macedo, do jornal O Estado de S.Paulo, destaca que o tenente-coronel vai comparecer a uma audiência nesta sexta-feira (22) com o desembargador Airton Vieira, juiz instrutor do gabinete do Ministro Alexandre de Moraes.

O encontro está previsto para às 13:00, com a participação do advogado de Mauro Cid, Cezar Bittencourt, e com integrante da Procuradoria-Geral da República.

 

E ainda na seara militar...

A Comissão de Ética Pública revisou e decidiu manter a quarentena remunerada concedida ao ex-comandante do Exército, general Freire Gomes, após uma reportagem apontar suposta fraude nos processos para aquirir o pagamento de salário por seis meses após deixar o governo federal, informou o blog do colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo.

 

No destrinchar do golpe...

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) avaliam que todos os políticos que forem condenados no inquérito que apura a tentativa de golpe de Estado terão seus mandatos cassados, caso ocupem cargos eletivos, e terão o direito de concorrer suspenso, de acordo com informações da coluna de Bela Megale, do jornal O Globo.

Essa determinação, porém, ocorreria somente após o trânsito em julgado, ou seja, após todos os recursos apresentados pela defesa se esgotarem na Justiça.

 

Autonomia do Banco Central

Servidores do Banco Central (BC) criticaram nesta quinta-feira (21) o projeto que prevê ampliar a autonomia da autarquia, destacou a coluna de Guilherme Amado, no site Metrópoles.

O Sindicato Nacional dos Funcionários do BC (Sinal) no Rio de Janeiro (RJ) apontou que a proposta vai retirar a estabilidade dos servidores e deixar o órgão mais exposto a pressões do mercado financeiro.

 

Cabe falar ainda em orçamento...

O governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou nesta sexta-feira (22) um bloqueio de R$ 2,90 bilhões nas despesas do Orçamento de 2024, com a pretensão de evitar um estouro no limite de despesas previsto no novo arcabouço fiscal.

A necessidade havia sido antecipada pelo jornal Folha de S.Paulo.

O cenário inicial era de um bloqueio entre R$ 5 bilhões a R$ 15 bilhões, mas a economia de recursos com a revisão de gastos do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) gerou um fôlego um pouco maior do que o esperado.