Menu
Busca terça, 19 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Oi

Venda de ativos da Oi pode atrasar leilão do 5G no Brasil, diz jornal

17 junho 2020 - 10h47Por Investing.com
Por Gabriel Codas Investing.com - Com os planos da Oi (SA:OIBR3) de vender seus ativos nos próximos meses, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) começa a ser pressionada para que adie o leilão da tecnologia 5G. De acordo com a edição desta quarta-feira da Coluna Broadcast, do jornal O Estado de S.Paulo, os agentes do setor atuam nos bastidores para que as companhias têm um único bolso e que, com isso, não teriam como realizar investimentos de grande porte ao mesmo tempo. Uma das preocupações do setor é que, caso a data seja mantida para o leilão do 5G, o mesmo estaria em risco de adesão dos players, que poderiam dar preferencia aos ativos da operadora que está em recuperação judicial. A proposta de revisão da recuperação judicial da Oi ainda será submetida à aprovação dos credores e pode levantar um total de R$ 22,8 bilhões com os ativos: redes móveis (R$ 15 bilhões), torres de transmissão (R$ 1 bilhão) e data centers (R$ 325 milhões), além de uma fatia do segmento de fibra ótica (R$ 6,5 bilhões). A expectativa é que essas transações devem acontecer por meio de leilões entre o quarto trimestre de 2020 e o primeiro trimestre de 2021, de acordo com cronograma da Oi. A TIM (SA:TIMP3) e Vivo estariam próximas de fazer uma oferta pelas redes móveis. A publicação destaca que o presidente da Anatel, Leonardo de Morais, negou qualquer intenção de condicionar o leilão do 5G ao cronograma da Oi. Apesar disso, ainda não existe uma data marcada para o certame da tecnologia, que ainda tem pendências como interferências de outros sinais. Segundo o jornal, o leilão deve ficar para 2021, uma vez que envolve também a questão diplomática, com o governo dos Estados Unidos trabalhando para bloquear a participação da chinesa Huawei. Data centers Piemonte Holding apresentou uma oferta vinculante para a aquisição de cinco centros de dados da operadora Oi. De acordo com a proponente, o valor da operação pode chegar a R$ 425 milhões, incluindo as obrigações e necessidades de investimento. O montante da aquisição foi de R$ 325 milhões, sendo R$ 250 milhões no ato do fechamento, à vista. Em nota, a Piemonte explica que o pagamento será feito com parte dos recursos da própria holding e parte financiada. Assim, a transação será executada pela Titan Venture Capital, veículo de private equity da companhia. Antes de ser concluído, o negócio precisa ser aprovado em assembleia geral de credores e passar por outras etapas previstas no plano de recuperação judicial da Oi.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: