Menu
Busca terça, 19 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Vale

Vale: Goldman Sachs recomenda Compra após conversa com a gestão

20 novembro 2020 - 18h45Por Investing.com

Por Ana Julia Mezzadri, da Investing.com - Depois de conversar com Luciano Siani, CFO da Vale, em sua conferência 2020 Global Metals & Mining, o Goldman Sachs reiterou sua recomendação de Compra para a ADR da companhia (NYSE:VALE), negociada em Nova York, com preço-alvo de US$ 14. As informações são de relatório distribuído nesta sexta-feira (20).

No fechamento do pregão, o papel tinha baixa de 0,59%, a US$ 12,69, contra queda de 0,27% do NYSE Composite, índice em que é negociada, que fechou aos 13.825,87. A ação da Vale (SA:VALE3) no Brasil, por sua vez, terminou o dia em alta de 1,06%, a R$ 68,44, na contramão do Ibovespa, que registrou queda de 0,59%, aos 106.042 pontos.

Um dos destaques da conversa, de acordo com o Goldman, foi o guidance de produção de 310mt para 2020, que a Vale ainda espera alcançar, mas que pode ser difícil se a produção em Serra Leste não iniciar nos próximos dias.

Outro ponto levantado é que a empresa espera que as vendas no quarto trimestre estejam em linha com os números de produção, depois de uma grande disparidade no 3T20, devida principalmente a problemas de envio para a China. Em 2021, no entanto, pode ocorrer um crescimento de estoque.

Sobre os preços de minério de ferro, a Vale tem postura otimista e acredita que um aumento na oferta terá impacto controlado sobre o mercado, o que deve manter os preços acima de US$ 100 por tonelada.

Finalmente, o banco destaca que a empresa está comprometida em pagar dividendos extraordinários, independentemente de alcançar seu alvo de US$ 10 bilhões em dívida líquida expandida.

Os principais riscos para a performance da companhia, na visão do Goldman Sachs, são uma queda no preço do minério de ferro, pressão de custos e riscos regulatórios.

Metais básicos

Para o níquel, a Vale acredita que o recente aumento nos preços se deve principalmente a uma demanda mais alta de produtores da indústria pesada, e não a um aumento na demanda de produtores de veículos elétricos. Esta, na visão da companhia, deve vir nos próximos quatro a cinco anos.

Além disso, ainda em relação ao níquel, a Vale acredita que, se os problemas ambientais da produção da Indonésia não forem resolvidos nos próximos anos, pode estar bem posicionada para capturar essa demanda. Em relação ao cobre, a gestão disse ver um bom cronograma de expansão de produção.

Depois da execução bem sucedida dos projetos de níquel, a empresa afirma que opções estratégicas de M&A serão consideradas para as operações de metais básicos, incluindo um possível IPO.

Brumadinho

A Vale se diz “cautelosamente otimista” sobre as negociações de Brumadinho, e reiterou que não precisa alcançar um acordo “único e amplo”, mas pode seguir com acordos individuais. A gestão comentou evolução nas audiências com as autoridades de Minas Gerais, mas afirmou que as notícias recentes sobre um possível valor do acordo não são embasadas.

Veja os fatores que influenciam os mercados hoje

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: