Menu
Busca quinta, 28 de outubro de 2021

UBS eleva preços-alvo de grandes bancos; Bradesco segue sendo o preferido no setor

04 junho 2020 - 12h56Por Investing.com
Por Gabriel Codas Investing.com - O UBS divulgou nesta quinta-feira relatório reduzindo as estimativas de lucros para os bancos brasileiros, apesar de elevar os preços-alvos. Bradesco (SA:BBDC4), com alvo indo de R$ 27 para R$ 28, segue sendo a preferida dos analistas, enquanto que Itaú Unibanco (SA:ITUB4) foi de R$ 27 para R$ 32 e Santander Brasil (SA:SANB11) de R$ 30 para R$ 32. A equipe reduziu ainda mais as estimativas de lucro dos grandes bancos brasileiros para incorporar os resultados mais fracos do que o esperado no 1T20 e o cenário macro mais difícil (também reduziram o custo de capital em 75 bps, mais do que compensando o impacto da redução de lucro por ação (LPA) nos preços-alvo). Agora, eles esperam uma contração do LPA de 34% em 2020 em média para os bancos de varejo brasileiros de cobertura do banco, seguidos por uma recuperação em 2021 (crescimento de 40% do LPA). A estimativa do PLA para 2021 deve ficar 8% abaixo dos números de 2019. Os analistas avaliam que o Bradesco ainda é o nome preferido na América Latina. Eles enxergam o banco negociando com uma avaliação atraente (1,4x PBV20E), que é o principal fator da visão positiva sobre o nome. A equipe prevê um ROAE de 13% em 2020 e 17% em 2021 - estimando que a rentabilidade do banco não excederá o custo de capital do banco apenas em 2020. No caso do Itaú Unibanco, a equipe aponta que a insituição reforçou seu balanço patrimonial no 1T20, devido a uma contração relevante em sua posição de capital. Eles acreditam que o custo do risco do banco continuará alto nos próximos trimestres (mas não aumentando). O preço-alvo foi elevado para o Itaú à medida que o UBS mudou a maneira como incorporou a Xp Inc (NASDAQ:XP) no preço do Itaú (XP representa cerca de R$ 4 por ação do Itaú, ou 13% do alvo). O novo preço-alvo para Itausa (SA:ITSA4) aumenta para R$ 12 por ação (de R$ 11 anteriormente) e também mantém o objetivo de desconto de 15% para Itausa. Diferentemente de outros bancos, o custo de risco do Santander Brasil (SA:SANB11) não aumentou significativamente no 1T20 e o UBS acredita que o banco alcançará seus pares em termos de custo de risco nos próximos trimestres (estimativa um CR de 5,6% em 2020 para o Santander vs. 5,7% de seus pares).
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: