terça, 28 de maio de 2024
SpaceRecomendações

BRF (BRFS3) caminha para a recuperação, mas parece arriscada demais, dizem analistas

BTG Pactual e XP Investimentos têm recomendações neutras, com preços-alvo e fundamentos distintos

27 abril 2023 - 14h24Por Lucas de Andrade
Entrada da Unidade de Chapecó (SC) da BRFEntrada da Unidade de Chapecó (SC) da BRF - Crédito: Divulgação/BRF

Por volta de 13:50 desta quinta-feira (27), as ações de BRF (BRFS3) caíam 3,55%, ao preço de R$ 5,70 cada.

 

Os papéis são penalizados com a divulgação de um relatório da XP Investimentos com projeções mais pessimistas para o frigorífico.

De acordo com os analistas Leonardo Alencar e Pedro Fonseca, a companhia deve reportar outro trimestre fraco em vista de uma perspectiva global difícil de oferta.

Na avaliação deles, a demanda mantém os preços baixos, enquanto as pressões de custo ainda não foram totalmente aliviadas.

Alencar e Fonseca projetam resultados decrescentes sequencialmente, com os maiores destaques negativos dentre as exportações diretas e o Brasil, já que a falta de produtos festivos neste último deve afetar negativamente as margens.

Pelo lado positivo, veem melhorias de eficiência (especialmente em estoques), que devem aumentar a geração de caixa - o que deve reduzir a alavancagem para 3,5x.

Na avaliação dos analistas, a empresa está longe de um nível confortável, mas está em um começo.

Embora não vejam sinais iniciais de melhora na dinâmica de oferta e demanda junto com melhores fundamentos, especialmente na perspectiva de custos de grãos, continuam cautelosos com a recuperação da BRF e, portanto, reiteraram recomendação neutra e o preço-alvo de R$ 8,60 por ação.

 

Já o BTG Pactual mantém a mesma indicação (ao preço-alvo de R$ 11,00), contudo, após uma oportunidade de discutir com a alta direção do frigorífico alguns dos pontos que tentam implementar antes de restaurar a competitividade de custos da empresa, a eficiência produtiva e comercial e a capacidade de crescimento.

Eles destacam esforços da companhia para retornar aos princípios fundamentais do negócio de proteínas e elogiaram a vasta experiência do novo CEO, Miguel Gularte.

Os analistas Thiago Duarte e Henrique Brustolin veem ainda como positivo que a empresa tenha deixado projetos mais ambiciosos de lado, pois os níveis de endividamento são altos, a concorrência se acirrou e a BRF não desfruta mais o domínio que já teve.

Para eles, o EBITDA e a volatilidade de lucros do frigorífico permanecem em alta histórica, ao passo que as margens estão abaixo do necessário para estabilizar a dívida e permitir um fluxo de caixa livre (FCF) consistente ou mesmo uma geração positiva.

De acordo com o BTG Pactual, o valor da empresa consiste em apenas 26% de seu valor de mercado e em 74% de sua dívida líquida, o que resulta em extrema volatilidade do preço das ações, com base na evolução das perspectivas de ganhos. com um índice de alavancagem acima de 4x.

Na avaliação de Duarte e Brustolin, a BRF desponta como uma aposta muito arriscada.