sábado, 27 de novembro de 2021
commodities

Preços do petróleo saltam com diminuição dos medos de segunda onda

29 junho 2020 - 13h34Por Investing.com

Por Geoffrey Smith

Investing.com - Os preços do petróleo subiam com a diminuição nos temores de uma segunda onda de infecções pela Covid-19, que prejudica a demanda, e devem subir ainda mais nesta segunda-feira (29) em Nova York.

Com os EUA registrando dois dias seguidos de queda de novas infecções, algumas das preocupações com novos bloqueios nos principais centros de consumo dos EUA diminuíram.

A consolidação no setor de exploração e produção também está ajudando a apoiar o clima, enquanto a visão da pioneira de shale Chesapeake Energy (NYSE:CHK) entrando com pedido de proteção à falência no fim de semana funciona como um lembrete da ameaça existente pelos atuais níveis de preços para grande parte da indústria dos EUA.

Às 12h26 (horário de Brasília), os contratos futuros de petróleo dos EUA subiam 1,5%, para US$ 39,08 por barril, enquanto o índice internacional Brent subia 1,2%, para US$ 41,42 por barril.

A maior mudança no complexo energético ocorreu em gás natural, em que a possível perda de produção pela falência da Chesapeake ajudou a elevar os preços em 13%, para US$ 1,74 por mmBtu. Os contratos futuros da Natgas atingiram o nível mais baixo de todos os tempos, a US$ 1,48, na semana passada, quando a preocupação com o excesso de oferta ainda era enorme.

Não se sabe exatamente quanto da produção de Chesapeake será perdida, depois que a empresa garantiu US$ 925 milhões em financiamento de devedor em posse para realizar algumas operações.

Em uma perspectiva mais ampla, as perspectivas para a produção nos EUA parecem estar se estabilizando depois que a contagem semanal de plataformas da Baker Hughes caiu em apenas 1 quando a empresa divulgou seus últimos números na sexta-feira. As plataformas de petróleo ativas nos EUA caíram quase 80% desde o início de 2019, de 885 para um recorde de 188, de acordo com a empresa de serviços de campos petrolíferos.

Qualquer pressão acima dos níveis atuais arriscará o descarregamento de milhões de barris de petróleo do armazenamento, que está em níveis recordes de uso da capacidade após o colapso do segundo trimestre.

"A partir de julho, os estoques de petróleo e os principais produtos provavelmente começarão, atraindo 370 milhões de barris de estoques nos próximos seis meses", disseram analistas do JPMorgan (NYSE:JPM) liderados por Natasha Kaneva, em uma nota semanal para os clientes. Isso é uma média de cerca de 2 milhões de barris por dia.

No exterior, a Bloomberg informou que cinco das maiores refinarias chinesas, que importam coletivamente mais de 5 milhões de barris por dia, estão em negociações para formar uma aliança de marketing que lhes daria maior poder de barganha em relação aos produtores e comerciantes. O movimento pode diminuir levemente as margens dos mercados asiáticos, especialmente para os blends russo e africano que, segundo a Bloomberg, serão as primeiras a serem afetadas pelas propostas conjuntas dos chineses.

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content