terça, 30 de novembro de 2021
Petróleo

Preços do petróleo caem enquanto o mercado reavalia a Covid; previsão da Opep+

17 novembro 2020 - 14h11Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - Os preços do petróleo caíam na terça-feira (17) em meio a uma ampla venda de ativos de risco, na esteira da onda de esperanças de segunda-feira de um fim rápido para a pandemia.

O sentimento do mercado não foi ajudado por dados econômicos dos EUA mais fracos do que o esperado, que foram um lembrete da ameaça à demanda da última onda de Covid-19, ou por uma reunião da Opep e seus aliados que não deu um sinal claro sobre sua política de produção.

Às 13h56 (horário de Brasília), os futuros do petróleo dos EUA caíam 1%, a US$ 40,93 o barril, enquanto os futuros do Brent caíam 1,3%, a US$ 43,27 o barril.

Os contratos futuros de gasolina RBOB caíam 0,6%, para US$ 1,1395 o galão.

A reunião do 'Comitê Técnico Conjunto' do bloco de produtores Opep+ começou no início da tarde em Viena sem qualquer compromisso claro de adiar um aumento de 2 milhões de barris por dia na produção, que está programado para o início do próximo ano. Não se esperava que a reunião produzisse qualquer decisão, mas esperava-se que fizesse uma recomendação para adiar a medida, visto que a disseminação do coronavírus está levando a restrições cada vez mais rígidas na Europa e nos EUA, colocando nova pressão sobre a demanda global.

"Nossos próprios balanços sugerem que, se a Opep+ não alterar o acordo de corte de produção e aumentar a produção a partir de janeiro, teremos um excesso de fornecimento de vários meses pelo menos para a primeira metade de 2021", disse o chefe de mercados de petróleo da Rystad Energy, Bjornar Tonhaugen, em comentários enviados por e-mail. "O mercado agora precificou parcialmente para evitar os aumentos de produção programados para janeiro, portanto, embora tal decisão definitivamente traria alívio e um aumento de preço, o efeito seria moderado."

A expectativa de que o aumento da oferta seja reprimido ainda parece bem fundada. O ministro do Petróleo da Arábia Saudita, príncipe Abdulaziz bin Salman, foi citado por jornais como tendo dito antes da reunião que: "Devemos estar preparados para agir de acordo com as exigências do mercado."

Isso é consistente com comentários anteriores de que ele estava aberto a "ajustes" no acordo existente, segundo o qual a Opep e seus aliados - principalmente a Rússia - estão retendo 7,7 milhões de barris por dia de produção, mantendo-a deliberadamente abaixo dos atuais níveis de consumo global, a fim de reduzir os estoques globais de petróleo à sua média histórica. Mais tarde na terça-feira, o American Petroleum Institute publicará sua estimativa semanal dos estoques de petróleo dos EUA.

O príncipe Abdulaziz disse que os anúncios recentes de que vacinas experimentais foram eficazes contra a Covid-19 estão "permitindo-nos ver alguns reflexos de luz no fim do túnel". No entanto, a mobilidade global ainda está sofrendo, especialmente no setor de aviação: easyJet, a segunda maior companhia aérea da Europa, disse na terça-feira que pretende voar apenas 20% de sua capacidade planejada no trimestre atual.

"Este vírus ainda tem o potencial de atrapalhar os planos de recuperação”, disse o príncipe Abdulaziz, citado pela Argus Media. "Ainda há um caminho a percorrer até chegarmos ao tão esperado outro lado do túnel da pandemia.”

Veja os fatores que influenciam os mercados hoje

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content