Menu
Busca domingo, 17 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Preços petróleo

Preços do petróleo caem com o aumento da oferta após Acordo de Paz da Líbia

23 outubro 2020 - 13h00Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - Os preços do petróleo caíam nesta sexta-feira (23) no início das negociações em Nova York após as partes em conflito na Líbia assinarem o que chamaram de um cessar-fogo permanente; o acordou abre caminho para exportações mais altas do país do Norte da África em um momento em que a capacidade do mercado global para absorvê-los está em questão.

O Governo de Acordo Nacional, apoiado pela ONU, e o Exército Nacional da Líbia, apoiado pela Rússia, estão em guerra há cerca de 18 meses, período em que as exportações do membro da Opep diminuíram a quase zero. No entanto, a Petroleum Argus citou fontes e diz que a produção do país já se recuperou para 525.000 barris por dia desde um cessar-fogo temporário , que começou em setembro; a Líbia tem capacidade para produzir outros 500.000 bpd.

Isso é um problema para o mercado de petróleo porque a Líbia não é obrigada a não aumentar sua produção pelos termos do acordo da Opep+, que atualmente mantém cerca de 7,7 milhões de barris por dia fora dos mercados mundiais.

Às 12h42 (horário de Brasília), os futuros do petróleo dos EUA caíam 0,6%, a US$ 40,41 o barril, a caminho de terminar a semana uma fração mais baixo, embora, em essência, os preços permaneçam presos na estreita faixa de cerca de US$ 40 o barril que ocupam desde junho.

Os futuros do Brent caíam 0,5%, a US$ 42,24 o barril.

Os futuros de gasolina RBOB caíam 0,8% para US$ 1,1485 o galão.

Ao longo da noite, os preços foram apoiados por comentários do presidente russo, Vladimir Putin, a uma mesa redonda de jornalistas e acadêmicos na qual ele deixou explicitamente em aberto a possibilidade de adiar um aumento na produção atualmente programado para o início do próximo ano, se necessário.

Os preços do petróleo mal reagiram ao último debate presidencial na noite de quinta-feira, no qual o candidato do Partido Democrata, Joe Biden, que está à frente na maioria das pesquisas antes da disputa de 3 de novembro, disse que gostaria de deixar o petróleo e gás se for eleito. Ele reconheceu que isso levaria anos.

Independentemente da eleição, Ryan Lance, CEO da ConocoPhillips (NYSE:COP), disse ao Financial Times em uma entrevista que espera uma queda acentuada na produção dos EUA nos próximos meses, à medida que os perfuradores de shale lutam para aumentar capital para substituir poços esgotados. Nos EUA, a produção de petróleo já caiu de cerca de 13 milhões de barris por dia antes da pandemia para apenas 10,5 milhões bpd durante o mês passado.

“Acho que haverá uma queda bastante dramática conforme entrarmos em 2021, à medida que as curvas de declínio começarem a se firmar”, disse Lance.

Esses fatores estão tentando mais analistas a chegar ao fundo do poço no atual ciclo de preços. Cortes de investimentos em toda a indústria em resposta aos preços baixos significam que cada recessão traz consigo a semente da próxima alta.

Veja os fatores que influenciam os mercados hoje

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: