Menu
Busca segunda, 25 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
PIB

Queda de 1,5% do PIB no 1º trimestre é prenúncio de tombo "monumental"

29 maio 2020 - 09h03Por Carolina Unzelte
O PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro de janeiro a março apresentou queda de 1,5% na comparação com o trimestre anterior, chegando a R$ 1,083 trilhão, segundo dados divulgados pelo IBGE na manhã desta sexta-feira (29).  "O resultado mostra um estrago muito marginal da pandemia", afirma Simone Pasianotto, economista-chefe da Reag Investimentos. "O resultado foi puxado pela indústria e serviços", diz a especialista, que estima tombo de 6% no PIB de 2020.  O segundo trimestre é que deve mostrar o impacto "monumental" da crise trazida pelo coronavírus, completa Ricardo Jacomassi, economista-chefe da TCP Partners. "Mesmo se tivermos uma reabertura logo mais, ela será gradual", prevê.    Neste cenário, a recessão é quase certa, defende Patrícia Krause, economista-chefe da Coface. "Quase nenhum país está escapando", lembra. "Estamos até com um pacote bastante agressivo, com ajuda ao mercado informal e outras medidas, mas não deve ser suficiente". Para a especialista, ainda é necessário um melhor sistema de escoamento de crédito para manter a economia girando.  Outra frente importante é o desemprego, aponta Jacomassi. Com 12,6% da população desempregada, segundo dados mais recentes do IBGE, esse número pode chegar à casa dos 20%, segundo projeções. "O desempenho deve estar em manter postos, pois quando as atividades voltarem, o consumo das famílias deveria acompanhar o movimento", diz. 

Longo prazo

A retomada sustentada do crescimento econômico só vai vir com a diminuição das turbulências políticas, acredita Pasianotto. A relação Executivo-Legislativo sofreu ainda mais em meio à pandemia. "Vemos a saída do capital estrangeiro, espantado pela incerteza, que prefere um risco menor, e vai para outros emergentes, como México e Índia." Mesmo com o foco a curto prazo na contenção dos estragos da pandemia, a mensagem no horizonte médio deveria de reformas estruturais, como a tributária, concorda Ricardo Jacomassi. "E o alinhamento político é a base dessa agenda", diz. Com a dívida relevante, uma opção também seriam as privatizações, aponta o economista.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: