Menu
Busca quarta, 22 de setembro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Petróleo

Petróleo tem alta com grandes cortes de produção em andamento

08 maio 2020 - 13h04Por Investing.com

Por Peter Nurse

Investing.com - Os mercados de petróleo subiam na sexta-feira (8), apesar dos terríveis dados sobre empregos nos EUA, em meio ao otimismo à medida que as medidas de bloqueio são flexibilizadas e a produção reduz o excesso de oferta massiva que causou a queda dos preços.

Às 12h05 (horário de Brasília), os contratos futuros do petróleo dos EUA eram negociados em alta de 2,7%, a US$ 24,19 por barril, enquanto o contrato de referência internacional Brent subia 1,9%, para US$ 30,02.

O petróleo também recebeu um impulso da Arábia Saudita, o maior exportador mundial, que aumentou seus preços de venda oficiais, aliviando a pressão sobre os preços globais do petróleo.

A economia dos EUA perdeu mais de 20 milhões empregos não-agrícolas em abril, a maior queda mensal de todos os tempos, mas isso teve pouco impacto no mercado de petróleo, pois um grande número já era esperado.

Olhando para a oferta, a IHS Markit prevê que 17 milhões de barris por dia de produção de líquidos (incluindo quase 14 milhões de barris por dia de produção de petróleo bruto) serão cortados globalmente entre abril e junho de 2020.

"O Grande Fechamento, um ajuste rápido e brutal da oferta global de petróleo para um nível mais baixo de demanda, está em andamento. Todos os países produtores estão sujeitos às mesmas brutais forças de mercado. Alguns serão impactados mais do que outros. Mas não há para onde correr", disse Jim Burkhard, vice-presidente e diretor de mercados de petróleo da IHS Markit.

Em nenhum lugar essa pressão é mais aparente do que nas perfuradoras independentes dos EUA. O número de plataformas de petróleo e gás em operação nos Estados Unidos deve atingir o nível mais baixo da história nesta semana - refletindo dados de 80 anos atrás.

Na semana passada, a contagem total de perfuradoras foi apenas quatro unidades acima da mínima recorde de 404 atingida em maio de 2016, de acordo com o fornecedor de serviços de energia Baker Hughes, que acompanha a contagem de equipamentos desde 1940.

O lançamento dos dados desta semana deve ocorrer após as 14h.

"Sinais nascentes de recuperação da demanda por gasolina nos EUA e um rápido corte na produção de petróleo, que viu os produtores americanos cortarem mais de 1 milhão de barris por dia de produção em questão de semanas, permitiram a recuperação dos preços do petróleo", disse John Kilduff à CNBC.

Os dados mais recentes da Administração de Informação de Energia mostraram a menor compilação semanal desde meados de março, à medida que a produção doméstica caiu ainda mais, enquanto o estoque de petróleo bruto em Cushing viu a menor compilação desde o final de março.

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: