Menu
Busca sexta, 22 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Barani

Petróleo sobe com redução de estoques nos EUA

26 junho 2019 - 18h08Por Investing.com
Os preços do petróleo subiram até 3% na quarta-feira, depois que o governo dos EUA relatou uma queda do estoque de petróleo bruto quatro vezes acima das expectativas. A maior baixa semanal de estoques desde setembro de 2016 já seria suficiente para mudar drasticamente a narrativa de um mercado que estava em território dos ursos há apenas algumas semanas. Mas, a intensificação das tensões entre EUA e Irã e esperanças de uma resolução para a guerra comercial entre os EUA e a China começaram a elevar os preços. O petróleo bruto West Texas Intermediate, negociado em Nova York, fechou em US$ 1,55, ou 2,7%, a US $ 59,38 por barril. O WTI tem ganho acumulado de 3,4% na semana após o ganho de 9,4% da semana passada, que já era o melhor desempenho desde novembro de 2016. O contrato de setembro para o Brent negociado em Londres e referência para petróleo fora dos EUA subiu US$ 1,31, ou 2,2%, para US$ 65,69. O contrato de setembro apresenta alta acumulada de 1,9% na semana após o avanço de 5% na semana passada, o maior de uma semana desde fevereiro. No acumulado do ano, o WTI tem uma alta acumulada de 31%, enquanto o avanço anual do Brent é de 22%. Apenas em maio, tanto o WTI quanto o Brent entraram em peso em território de perdas após perderem 20% em relação ao pico de 2019, atingido em abril. No quarto mês do ano, a Agência de Informação Energética (EIA, na sigla em inglês) divulgou estoques fora de época de petróleo bruto e outros produtos petrolíferos no verão - o período mais forte para demanda de combustível nos Estados Unidos. Mas em seu último relatório, a EIA disse que os estoques de petróleo bruto despencaram em 12,79 milhões de barris na semana até 21 de junho, contra as projeções de uma baixa de 2,54 milhões de barris. Na semana anterior, até 14 de junho, os estoques de petróleo bruto diminuíram em 3,11 milhões de barris, após uma alta líquida de quase 20 milhões de barris em cinco semanas. O relatório da EIA também mostrou que os inventários de gasolina caíram inesperadamente em 1,0 milhão de barris, em comparação com as expectativas de um ganho de 0,29 milhão de barris na semana anterior. Os estoques de destilados caíram 2,4 milhões de barris, em comparação com as previsões para uma construção de 0,52 milhão. "Os dados foram definitivamente uma surpresa de alta em todas as frentes", disse Tariq Zahir, fundador da Tyche Capital Advisor, com foco em petróleo de Nova York. "Não ficaríamos surpresos ao ver o nível de US$ 60 ser rompido no WTI", disse ele. Um fator adicional que afeta os preços da energia é a decisão da Philadelphia Energy Solutions de fechar permanentemente sua refinaria de petróleo na Filadélfia após um grande incêndio no último final de semana. Isso ajudou a empurrar os preços da gasolina para cima e pode impactar o preço do petróleo. Gasolina em Nova York subiu 4,4% a US$ 1,925 por galão, com uma alta semanal de até 6% na semana e mais de 45% no ano. Mas Zahir, normalmente um urso de óleo, também advertiu que os investidores agora estariam examinando a reunião do G20 no final desta semana e as reuniões de 1-2 de julho da OPEP para ver como os elementos remanescentes para a demanda bruta se processam. "Vamos ver o próximo movimento direcional com base nos resultados desses dois eventos". A cúpula do G20 estará no centro das atenções para os mercados de petróleo, enquanto o presidente russo, Vladimir Putin, se encontra com o príncipe herdeiro saudita Mohammed Bin Salman. Eles provavelmente discutirão se e como estender o atual contrato de corte de produção entre a OPEP e outros produtores não-membros do cartel, dos quais a Rússia é de longe a maior. Moscou havia convencido a Opep a adiar as reuniões inicialmente programadas para 25 a 26 de junho para a semana seguinte, a fim de ter tempo para discussão no G20. Enquanto aguardava a confirmação de uma extensão dos cortes de produção, o petróleo dos EUA ganhou mais de 10% desde meados de junho, à medida que as tensões entre os EUA e o Irã contrariavam o atual conflito comercial sino-americano como o principal direcionador de preços de curto prazo. O presidente dos EUA, Donald Trump, deu mais apoio a essa frente nesta quarta-feira, dizendo que era "absolutamente possível" sair de uma reunião com o líder chinês Xi Jinping com um acordo que o impediria de impor tarifas que tinha ameaçado de colocar em produtos produzidos na China. Embora as expectativas para um acordo definitivo sejam baixas, qualquer sinal de progresso diminuiria as preocupações sobre um possível impacto na demanda por petróleo.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: