Menu
Busca sexta, 17 de setembro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Petróleo

Petróleo WTI tem alta com sauditas aumentando seus preços

07 maio 2020 - 16h50Por Investing.com

Por Barani Krishnan

Investing.com - Os sauditas estão enviando a cavalaria para conseguir uma vitória mais rápida na maior batalha da história do petróleo.

Os preços do petróleo voltaram a subir nesta quinta-feira, depois que a Reuters informou que a Saudi Aramco (SE:2222), a gigante estatal de petróleo da Arábia Saudita, aumentou em US$ 1,40 por barril o preço de venda oficial (OSP) de seu petróleo de junho para a Ásia.

Enquanto o principal produto bruto árabe permanece com um desconto significativo de US$ 5,90 por barril em relação à média do concorrente de Omã/Dubai, o aumento de preços não estava de acordo com as expectativas do mercado. Em vez disso, as refinarias asiáticas apostaram no reino para fornecer aos compradores da região uma negócio ainda melhor em junho, assim como fez desde março, já que as margens de refino continuam sofrendo com a crise do coronavírus.

"O mercado está subindo novamente após a liquidação de ontem, com os cortes do OSP saudita conduzindo os preços", disse Scott Shelton, corretor de futuros de energia da ICAP de Durham, NC, referindo-se aos preços mais amplos do petróleo. "Ainda não acredito na história do preço do petróleo 'aqui em cima', mas o WTI é o barril mais barato a ser executado agora."

O WTI de junho, a referência para o petróleo dos EUA, subia 31 centavos de dólar, ou 1,3%, para US$ 24,30 por barril às 15h (horário de Brasília), depois de ter atingir a máxima de um mês de US$ 26,73 na sessão. O WTI dobrou desde que atingiu a mínimo de US$ 12,34 em 28 de abril, embora continue em queda de 60% no ano.

O Brent, referência mundial em petróleo, subia 28 centavos de dólar, ou 1%, para US$ 30. Anteriormente, atingiu US$ 31,84. O Brent subiu 50% nas últimas oito sessões, mas permanece 55% inferior no ano.

A notável recuperação do petróleo em relação às mínimas da semana passada, impulsionada pelo otimismo em relação à reabertura de negócios na maioria dos estados americanos, após um bloqueio de seis semanas imposto pela covid-19, pegou ursos de petróleo cochilando.

No entanto, o mercado não está fora de perigo, devido ao excesso de oferta física de dezenas de milhões de barris no mar, bem como nas instalações de armazenamento terrestre de petróleo.

Os investidores estão acompanhando de perto os fluxos diferenciados no mercado físico para ver quão próximos esses estão alinhados com os futuros.

A Pipeline All-American Plains, fonte de referência para o óleo físico, cita o WTI físico em US$ 20 por barril, contra sua cotação de 28 de abril de US$ 8,25. Isso indica que o mercado físico está acompanhando o futuro.

Ainda assim, o WTI de junho permanece com um desconto de pelo menos 20% em barris físicos. Embora isso possa ser típico, é uma preocupação nas circunstâncias atuais, pois ambos precisam convergir quando o WTI de junho expirar em menos de duas semanas. Uma enorme diferença entre os mercados físico e de futuros foi o que acelerou a queda do WTI aos preços históricos abaixo de zero quando o WTI de maio expirou duas semanas atrás.

Os traders também acompanharão de perto os números de remessa da Opep, dos Estados Unidos e, principalmente, da Rússia, para verificar sua adesão ao compromisso do Glopec de remover pelo menos 9,7 milhões de barris diários do mercado a partir deste mês.

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: