Menu
Busca sexta, 22 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Petróleo

Petróleo cai novamente à medida que a baixa de ativos de risco se intensifica

30 outubro 2020 - 13h39Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - A derrocada nos mercados de petróleo bruto continuou nesta sexta-feira (30), com os preços caindo para novas mínimas de quatro meses, em linha com outros ativos de risco em meio a preocupações com as perspectivas econômicas e valuations excessivas de ações.

Às 13h06 (horário de Brasília), os futuros do petróleo dos EUA caíam 1,8%, a US$ 35,50 o barril, enquanto os futuros do Brent - a referência internacional - caíam, 1,4%, a US$ 37,74 o barril.

Os futuros da gasolina RBOB estenderam sua queda vertiginosa, caindo mais 1% para US$ 1,0174 o galão. O ativo agora caiu 16% esta semana, em um cenário de rápido aumento de casos de coronavírus em todos os EUA, que reavivaram os temores de novas restrições aos negócios e reuniões sociais.

Esse já é o caso na Europa, onde Alemanha e França aplicaram as restrições mais rígidas desde a primavera no início da semana.

“Embora as medidas sejam mais direcionadas desta vez, com escolas e grandes partes da economia, como fábricas, ainda abertas, o retorno na da França ameaça cortar 650.000 - 850.000 bpd da demanda de petróleo em novembro e o bloqueio da Alemanha poderia potencialmente remover uma quantidade semelhante”, disse Paola Rodriguez-Masiu, analista de mercado de petróleo da Rystad Energy, em comentários por e-mail.

Tal tendência acabará com qualquer esperança de redução dos estoques globais ainda mais no quarto trimestre, colocando pressão extra sobre a Opep e seus aliados para adiar um aumento programado de quase 2 milhões de barris por dia de produção no início do próximo ano.

A consultoria Petrologica disse em pesquisa publicada esta semana que agora espera que os estoques globais aumentem em uma média de 1,14 milhão de barris por dia neste ano, 40.000 bpd a mais do que o estimado anteriormente.

Não é que não haja pontos positivos no cenário global: a Índia, um dos maiores importadores do mundo, está vendo uma forte recuperação no consumo à medida que o número de casos da Covid cai. A Argus Media informou que a operação de refinaria indiana subiu para 94% em outubro, de 77% em setembro. No pior momento da pandemia, o indicador caiu para menos de 50%.

Mas a atual rodada de balanços corporativos continua a mostrar como as coisas se tornaram difíceis. A Exxon Mobil (NYSE:XOM) divulgou seu terceiro prejuízo trimestral consecutivo na sexta-feira, sinalizou outro corte massivo nos gastos de capital no próximo ano e alertou que até US$ 30 bilhões de seus ativos corriam o risco de serem amortizados em uma revisão sem precedentes de seu portfólio.

Os analistas apontaram que os ativos de maior risco são os da produtora de gás XTO Energy, pela qual a Exxon pagou US$ 41 bilhões há pouco mais de uma década.

A produção upstream da Exxon caiu 7% no ano, para 3,7 milhões de barris de óleo equivalente por dia.

Na Europa, a gigante francesa de petróleo e gás Total (NYSE:TOT) disse em seu relatório trimestral na sexta-feira que permaneceu "resiliente" a um preço bruto de US$ 40 o barril. A empresa não disse o quão resiliente seria a US$ 35.

Veja os fatores que influenciam os mercados hoje

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: