Menu
Busca sexta, 17 de setembro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
petróleo

Petróleo cai com o aumento das tensões entre Hong Kong e China

27 maio 2020 - 12h45Por Investing.com

Por Peter Nurse

Investing.com - Os preços do petróleo caíam na quarta-feira, consolidando-se após fortes ganhos recentes, enquanto os traders continuam cautelosos com as tensões sino-americanas.

Às 12h25 (horário de Brasília), os contratos futuros do petróleo dos EUA eram negociados em baixa de 5,3%, a US$ 32,52 por barril. O contrato de referência internacional Brent caía 4,8%, para US$ 34,42.

Os preços se recuperaram fortemente neste mês, quando a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados, incluindo a Rússia, um grupo chamado Opep +, cortaram sua produção em quase 10 milhões de barris por dia em maio e continuarão os cortes em junho.

Os contratos futuros de petróleo dos EUA mais que dobraram no último mês, enquanto o contrato do Brent registrou ganhos de mais de 70%.

Dito isso, o sentimento do investidor foi azedado pelo aumento das tensões EUA-China, desta vez em relação a Hong Kong.

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que em breve revelará a reação dos EUA às leis de segurança nacional da China para Hong Kong e Macau, enquanto, em troca, a China ameaçou retaliar qualquer ação dos EUA, o que poderia incluir sanções.

Outra guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo pode afetar a demanda por petróleo, que se aproxima do início da paralisação global para combater o coronavírus.

A atenção do mercado também está começando a se voltar para a próxima reunião da Opep +, programada para os dias 9 e 10 de junho.

O ministro da Energia da Rússia teve uma reunião com os produtores de petróleo do país para ouvir pontos de vista sobre possíveis cortes mais profundos na segunda metade do ano, informou a Reuters.

"Dada a força que vimos no mercado nos últimos meses e a expectativa de que a demanda continuará a se recuperar nas próximas semanas e meses, isso também pode tornar a Rússia mais relutante em tomar medidas além do que o que já foi acordado". disseram analistas do ING, em nota aos clientes.

Antes disso, os investidores avaliarão os estoques dos EUA quando o Instituto Americano de Petróleo divulgar suas medidas após o fim da sessão, com um dia de atraso devido ao feriado de segunda-feira.

A Seevol.com registrou um declínio de 4,26 milhões de barris na semana até 22 de maio no centro de Cushing, Oklahoma, que armazena o petróleo entregue.

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: