Menu
Busca sábado, 16 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
ouro dólar

Ouro mergulha novamente, levando a prata consigo, enquanto o dólar prospera

23 setembro 2020 - 19h44Por Investing.com

Por Barani Krishnan, da Investing.com - O ouro mergulhou novamente na quarta-feira (23), puxando a prata para baixo com ele após uma pausa de um dia, enquanto o dólar continuava sua pioneira recuperação.

ouro à vista, que reflete as negociações em tempo real em metais preciosos, caía 39,50, ou 2,1%, para US$ 1.860,76 às 17h36 (horário de Brasília). Sua mínima do dia - US$ 1.856 - estabeleceu uma nova baixa de dois meses para o metal amarelo.

Na mínima da sessão de quarta-feira, o indicador de ouro estava a apenas US$ 61 do fundo de 17 de julho, de US$ 1.795,11 - que seria o próximo alvo dos ursos. Se chegar lá, a mudança efetivamente encerraria o reinado do ouro acima do nível de US$ 1.800 que prevaleceu desde o final de julho.

Embora o ouro estivesse sendo pressionado pela força relativa de seu nêmesis, o dólar, gráficos técnicos para o metal amarelo mostram que uma quebra abaixo de US$ 1.800 é bastante provável, disse o grafista Rajan Dhall.

“As metas de desvantagem da Elliott Wave apontam para a área de US$ 1.767”, disse Dhall em um comentário postado na FX Street.

Leia mais: Dólar fecha acima de R$ 5,50 pela primeira vez em um mês

Do lado dos futuros, o ouro dos EUA para entrega em dezembro caía US$ 43,50, ou 2,3%, a US$ 1.864,10 por onça, após atingir a mínima em US$ 1.863,80.

prata levou uma surra ainda pior. O preço à vista caía US$ 1,618, ou 6,6%, para US$ 22,905, após uma mínima de dois meses em US$ 22,745. Os próximos riscos de baixa são US$ 22,40, US$ 21,90 e US$ 19,90, mostram os gráficos.

Com a queda de quarta-feira, o ouro à vista perdeu quase 5% na semana e caiu quase 6% no mês, enquanto mostra uma queda de mais de 10% em relação aos recordes de agosto de US$ 2.073.

Dólar

O rali de dois meses do dólar, que ocorreu paralelamente à queda do ouro, recebeu mais poder de fogo na quarta-feira, com a libra britânica caindo devido às preocupações de um novo bloqueio do Reino Unido para conter a Covid-19.

O Índice Dólar, ou DX, que rastreia o desempenho do dólar contra seis moedas, estava perto das altas da sessão em 94,448 no momento da escrita, marcando seus níveis mais elevados desde meados de julho.

Dado o enorme déficit fiscal dos EUA e as preocupações com a recuperação econômica ainda sendo um pouco contidas pela pandemia de coronavírus de seis meses, muitos touros de metais preciosos foram pegos desprevenidos pelo aumento incomum do DX.

Alguns analistas, no entanto, apontam para fatores exógenos, como a recuperação nada assombrosa das economias do Reino Unido e da Europa em comparação com a dos Estados Unidos em meio à Covid. Dados de habitação, emprego, vendas de automóveis e sentimento do consumidor em geral nos EUA têm registrado crescimento, embora lentamente, desde julho, apesar da ausência de novos gastos de estímulo. Tudo isso deu um impulso ao dólar, ao mesmo tempo que enfraqueceu a posição do ouro como contra-refúgio.

Os eventos globais também fortaleceram o dólar, com as renovadas tensões EUA-China aumentando a força da moeda, que se posicionou como o comércio padrão para a guerra de palavras do governo Trump sobre a China.

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, endossou ainda nesta semana a recuperação financeira dos EUA de uma queda de quase 33% no PIB do segundo trimestre provocada pela Covid-19.

Powell não escondeu o fato de que outro pacote de estímulo seria fundamental para a recuperação continuar, embora tenha aludido à probabilidade de ele não surgir devido à disputa no Congresso entre o governo e legisladores democratas.

Tags: dólar, Prata
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: