sábado, 27 de novembro de 2021
Oi recuperação judicial

Oi pede aditamento de Recuperação Judicial e estabelece preço da rede móvel

16 junho 2020 - 10h16Por Investing.com
Por Gabriel Codas Investing.com - A Oi (SA:OIBR3) divulgou fato relevante informando que protocolou perante o Juízo da 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro proposta de aditamento ao Plano de Recuperação Judicial homologado visando a sustentabilidade do seu negócio, por meio da reorganização e simplificação do grupo do ponto de vista societário e operacional. A rede móvel tem valor mínimo de R$ 15 bilhões. Assim, a companhia quer assegurar maior flexibilidade e eficiência financeiras. De acordo com a tele, estes ajustes facilitarão o acesso ao mercado financeiro para a captação de novos recursos necessários ao equacionamento racional de sua dívida e à viabilização da execução não apenas do seu Plano de Recuperação Judicial, mas também do seu Plano Estratégico, que visa ao reposicionamento, à criação de valor para todos os seus stakeholders e à sustentabilidade de longo prazo. O aditamento ao PRJ ainda será submetido à votação em Assembleia Geral de Credores e, posteriormente, à homologação pelo Juízo da RJ, podendo, portanto, sofrer ajustes nos seus termos e condições e nas medidas nele previstas. A estratégia da Oi tem como principal objetivo a transformação de seu modelo de negócio, com foco na utilização e rápida ampliação de sua extensa infraestrutura de fibra ótica como diferencial competitivo, incluindo suas redes de transporte (backbone, backhaul e rede de dados), e redes de acesso primárias e secundárias (links dedicados, anéis metropolitanos e redes de acesso FTTH), viabilizando e suportando as necessidades de conexão em alta velocidade e provimento de serviços para seus clientes residenciais, empresariais, corporativos e de governo, bem como o provimento de serviços de infraestrutura para os demais provedores de serviços de telecomunicações do país, incluindo a viabilização de conexões para a nova tecnologia 5G. O aditamento ao PRJ prevê a segregação de quatro UPIs distintas dos ativos, passivos e direitos das Recuperandas associados à operação em telefonia e dados no mercado de comunicação móvel (UPI Ativos Móveis); infraestrutura passiva (UPI Torres e UPI Data Center); e operação de redes de telecomunicações (UPI InfraCo). A operação de telefonia móvel e seus relativos ativos tem o valor mínimo de R$ 15 bilhões. A Oi prevê ainda a venda integral da UPI torres, por R$ 1 bilhão, e data center, por pelo menos R$ 325 milhões. No caso da UPI InfraCo, a Oi deverá manter participação relevante, já que vai reunir ativos de infraestrutura e fibra, áreas às quais a empresa pretende dedicar-se. Esse aditamento prevê a venda de até 51% do capital votante, por valor mínimo de R$ 6,5 bilhões.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content