quarta, 01 de dezembro de 2021
Internacional

Netflix e recordes nas bolsas dos EUA entre as 5 notícias internacionais de hoje

17 julho 2019 - 09h50Por Investing.com
Confira as cinco principais notícias desta quarta-feira, 17 de julho, sobre os mercados financeiros: 1. Bank of America, Netflix, IBM devem divulgar ganhos A sequência de ganhos bancários continua na quarta-feira com a divulgação dos números trimestrais do Bank of America (NYSE: BAC) antes da abertura. Os investidores provavelmente se concentrarão nos esforços de redução de custos do banco, juntamente com o desempenho do banco de investimento. O setor de tecnologia vai roubar os holofotes após o fechamento do mercado com o primeiro balanço dos FAANG nesta temporada: o resultado da Netflix (NASDAQ:NFLX). As tendências de crescimento de assinantes e o aumento do custo de produção de conteúdo estarão no foco dos investidores. A IBM (NYSE:IBM) também publicará seus números trimestrais, cujo foco será se a empresa conseguiu retornar ao crescimento da receita em seu negócio principal, depois de cair 5% no primeiro trimestre. Os mercados também buscarão orientação sobre o impacto de sua dispendiosa aquisição da Red Hat. 2. G7 se concentra no imposto sobre tecnologia Os ministros das finanças do G7 deram início a uma reunião de dois dias fora de Paris e provavelmente discutirão os crescentes poderes das grandes empresas digitais enquanto tentam elaborar uma frente unida sobre como taxá-los. Os governos do G7 estão preocupados que regras fiscais internacionais de décadas atrás tenham sido esvaziadas pelo surgimento de empresas como o Facebook (NASDAQ:FB), Amazon (NASDAQ:AMZN) e Apple (NASDAQ:AAPL, que contabilizam lucros em países com impostos baixos, independentemente da fonte da renda implícita. Na semana passada, a França aprovou um novo imposto sobre as vendas digitais, destinado a grandes empresas, apesar de uma ameaça dos EUA para lançar um questionamento que poderia levar a tarifas comerciais em retaliação. 3. Mercado de ações nos EUA devem se mover de volta para altas recordes Os futuros dos EUA apontaram para uma abertura mais alta. Comentários do presidente Donald Trump na terça-feira, que as negociações comerciais com a China têm um "longo caminho a percorrer" afetou o entusiasmo dos touros, embora o S&P 500 tenha quebrado a sequência de cinco dias de perdas. Os futuros do Dow ganhavam 8 pontos, ou 0,03%, às 8h29, os futuros do S&P 500 subiam 1,12 pontos, ou 0,04%, enquanto o índice futuro de tecnologia Nasdaq 100 avançava 10,5 pontos, ou 0,13%. Embora os lucros das empresas provavelmente dominem as negociações, os mercados também poderão verificar a saúde do mercado imobiliário dos EUA, com a publicação de junho dos alvarás de construção e a construção de casas novas que serão divulgados às 9h30. 4. Brexit "sem acordo" e risco eleitoral agitam ativos do Reino Unido O temor de que o Reino Unido deixe a União Europeia sem um acordo empurrou a libra esterlina para a seu menor índice em mais de dois anos em relação ao dólar no pregão de manhã cedo na Europa. A preocupação com um "Brexit sem acordo" aumentou depois que os líderes conservadores Boris Johnson e Jeremy Hunt se comprometeram a abandonar a chamada salvaguarda para a Irlanda do Norte, um elemento-chave do acordo de retirada que deveria impedir a interrupção de curto prazo da economia depois do Brexit. A UE sinalizou repetidamente que considera a salvaguarda irlandesa uma parte indispensável de qualquer acordo. Johnson, o favorito das casas de apostas para assumir o controle, também planeja convocar eleições gerais para o ano que vem, segundo o jornal The Times de Londres. O Cable (nome dado ao par GBP/USD) afundou para 1,2383, seu nível mais baixo desde abril de 2017, antes de encontrar suas perdas de base e pareamento. 5. Petróleo se recupera da queda induzida por Pompeo antes dos dados sobre estoques Os futuros do petróleo bruto oscilou, recuperando-se de uma queda de mais de 3% na terça-feira após o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, indicou que o Irã disse estar preparado para negociar seu programa de mísseis. O Irã negou essa possibilidade de Pompeo. Mesmo se for verdade, as conversas sobre mísseis balísticos ainda não se dirigem à suposta busca do Irã por uma arma nuclear, que é o principal ponto de discórdia entre ela e o Ocidente. A tensão entre os dois países em relação ao programa nuclear de Teerã havia apoiado os preços do petróleo, dada a especulação de que a situação poderia aumentar. O foco do mercado será no lançamento semanal de estoques brutos às 11h30 em meio a expectativas de um quinto declínio semanal de 2,69 milhões de barris. O relatório da Administração de Informação de Energia (EIA) informou na semana passada a produção que será analisada por ameaças a um frágil equilíbrio entre oferta e demanda.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content