Menu
Busca sábado, 23 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Pão de açúcar

Venda de postos do Pão de Açúcar não deve interferir nas ações

10 janeiro 2020 - 10h05Por Eduardo Guimaraes
O Grupo Pão de Açúcar (PCAR4) contratou o Bradesco BBI para efetuar a venda de sua rede de postos de combustíveis, que pode trazer aproximadamente 1 bilhão de reais diretamente para o caixa da companhia. Este desinvestimento confirma sua estratégia de foco no modelo principal do negócio, que é o varejo alimentício. A rede é composta por 71 postos de combustíveis majoritariamente no Estado de São Paulo e com a bandeira Ipiranga e representa menos de 4 por cento da receita líquida total da rede varejista.

E Eu Com Isso?

O ano de 2019 foi marcado por decisões estratégicas para o Pão de Açúcar. Em novembro, a rede concluiu a compra da Almacenes Éxito, maior cadeia de supermercados da Colômbia, por 9,5 bilhões de reais via Oferta Pública de Aquisição (OPA) na Bolsa de Valores de Bogotá. No início do ano, concluiu a venda da participação que detinha na Via Varejo (VVAR3) de 36 por cento, totalizando 2,3 bilhões de reais, para a Michael Klein e sua família. Complementando as operações societárias, 2019 foi marcado pela mudança da estratégia. A companhia passou a focar mais em sua operação de atacarejo, por meio de sua marca Assaí, que foi o principal destaque do ano passado. Vemos esta estratégia de desinvestimento como positiva para o Grupo Pão de Açúcar. No entanto, a venda dos postos de combustíveis não representa um impacto relevante para as ações dado o valor estimado de 1 bilhão de reais, que representa apenas 4 por cento do valor de mercado da companhia, atualmente de 24,5 bilhões de reais.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: