Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
China

Fique por dentro de 5 notícias de hoje no exterior

05 setembro 2019 - 09h09Por Investing.com
Investing.com - Os mercados estão se recuperando com as perspectivas de uma desaceleração do conflito comercial dos EUA com a China, a libra britânica está tendo outro bom dia depois que o Parlamento britânico frustrou a estratégia do primeiro-ministro Boris Johnson de arriscar um Brexit desordenado em 31 de outubro, e há uma mudança no Goldman Sachs (NYSE:GS), de acordo com o The Wall Street Journal. Confira as cinco principais notícias desta quinta-feira, 5 de setembro, sobre os mercados financeiros: 1. Wall Street alimentada por novas esperanças comerciais Os mercados de futuros dos EUA devem abrir novamente em alta após negociadores da China e dos EUA confirmarem que retomariam as negociações de alto nível no início de outubro. Não havia indicação das pré-condições estabelecidas pelos dois lados. As notícias fizeram as ações asiáticas subirem novamente, com o índice japonês Nikkei 225 subindo 2,3% e o Shanghai Composite 1,0%. As bolsas europeias também ganharam, pois as notícias superaram uma queda maior do que o esperado nos pedidos para fábricas na Alemanha em julho, colocando a maior economia da Europa no caminho para mais um trimestre de contração econômica. Às 7h (horário de Brasília), os futuros da Dow 30 estavam subindo 245 pontos ou 0,9%, enquanto os futuros do S&P 500 também subia 0,9% e os futuros da Nasdaq subiam 1,2%. 2. Libra sobe à medida que os legisladores bloqueiam o Brexit 'Sem Acordo' A libra esterlina subia em relação ao euro e ao dólar pelo segundo dia consecutivo depois que a Câmara dos Comuns do Reino Unido votou para impedir o país de deixar a UE sem um acordo transitório em 31 de outubro. Em um prelúdio óbvio de uma eleição rápida, o primeiro-ministro Boris Johnson deve realizar uma série de discursos para culpar os teimosos membros do Parlamento por impedi-lo de implementar o referendo de 2016. A Câmara dos Comuns bloqueou a tentativa de Johnson de dissolver o Parlamento e convocar uma eleição geral na noite passada, mas a oposição sinalizou que permitirá uma eleição, quando o projeto que impede o Brexit sem acordo esteja oficialmente em vigor. Isso pode ser acontecer já na sexta-feira. 3. Prévia de folha de pagamento supera programação pesada de dados O relatório da folha de pagamento da ADP de agosto que será divulgado às 11h15 (horário de Brasília) lidera uma sessão movimentada de dados econômicos dos EUA, um dia depois que vários funcionários do Federal Reserve alertarem que o enfraquecimento do investimento das empresas pode sinalizar uma desaceleração mais acentuada pela frente. Os dados do ADP (NASDAQ:ADP) serão seguidos pelos pedidos iniciais de seguro desemprego às 11h30, que estão em alta desde maio, embora próximos das mínimas de 50 anos. Em seguida, vêm os pedidos de bens duráveis ​​para julho e o índice de gerentes de compras não-industrial do ISM às 13h. Os pedidos de bens duráveis ​​podem, entre outras coisas, corroborar os pedidos de fabricação alemães mais fracos do que o esperado. Os números anteriores mostraram que os pedidos de exportação de fora da zona do euro caíram muito mais acentuadamente do que os pedidos domésticos ou da zona do euro. 4. Estoques de petróleo O mercado de petróleo receberá a verificação semanal do estado das condições, nos EUA e com dados oficiais do governo, sobre os estoques de petróleo às 11h00. Analistas preveem redução de 2,5 milhões de barris, depois de uma queda de mais de 10 milhões de barris na semana anterior. Os números da API, divulgados na quarta-feira, apontavam para um aumento de 400.000 barris nos estoques, mas isso não impediu que os futuros de petróleo atingissem seu nível mais alto em uma semana, devido ao rali mais amplo de ativos de risco. Às 7h, os futuros do WTI estavam estáveis ​​em US$ 56,27 por barril, enquanto o Brent de referência internacional subiu 0,3%, em US$ 60,86 5.Alguns dos caras mais inteligentes da sala ... saem da sala Lembra quando a Goldman Sachs (NYSE:GS) realizou seu IPO no topo do boom das pontocom? Bem, mais dos "caras mais inteligentes da sala" parecem estar se preparando para sair da sala. O Wall Street Journal informou que cerca de uma dúzia de sócios do Goldman anunciarão suas saídas nas próximas semanas e acrescentou que 15% do total da parceria sairá este ano, muito mais do que o normal. Ele definiu o desenvolvimento como uma política consciente do novo executivo-chefe David Solomon para diminuir um grupo que ele acha que ficou inchado demais. Atualmente, o banco tem quase 500 sócios, em comparação com 221 quando foi aberto.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: