Menu
Busca quarta, 20 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
China

As 5 principais notícias de hoje no mercado global

11 outubro 2019 - 09h05Por Investing.com
Investing.com - Os acordos estão no ar por todo o lado: há pelo menos o cheiro de uma diminuição temporária e parcial da tensão entre os EUA e a China, "sinais promissores" de um acordo para garantir um Brexit tranquilo (de acordo com a União Europeia) e os bancos devem estabelecer um preço para o negócio da década: a oferta pública inicial da Saudi Aramco. As más notícias? Um petroleiro iraniano teria sido atacado no Mar Vermelho, elevando os preços do petróleo acentuadamente. Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na sexta-feira, 11 de outubro. 1. Haverá um acordo comercial EUA-China em breve? O presidente Donald Trump disse que o primeiro dia de negociações comerciais entre os EUA e a China foi uma "negociação muito, muito boa", aumentando as esperanças de pelo menos uma trégua parcial e temporária no conflito comercial entre os dois países. Trump deve se encontrar com o principal negociador da China, Liu He, na sexta-feira, algo que os relatos anteriores sugeriram que só aconteceria se houvesse acordos substanciais nas negociações. O The Wall Street Journal informou que uma série de elementos poderia formar a base de um acordo temporário, incluindo a suspensão de aumentos planejados nas tarifas dos EUA, um relaxamento do boicote dos EUA à Huawei e mais compras chinesas de produtos agrícolas. Alguma forma de compromisso da China em não desvalorizar sua moeda também foi discutida, mas é improvável que tenha um fundo de verdade, dizem analistas. 2. "Sinais promissores" no Brexit A libra britânica disparou e puxou as ações europeias junto com a esperança de que o Reino Unido e a União Europeia (UE) concordem em um divórcio amigável no final do mês. As conversas entre o primeiro-ministro Boris Johnson e seu colega irlandês Leo Varadkar na quinta-feira produziram o que os dois chamaram de "caminho para um acordo", que o presidente do Conselho da UE, Donald Tusk, considerou bem-vindo em uma declaração formal na sexta-feira. No entanto, Tusk alertou que "não há garantia de sucesso e o tempo está praticamente acabando" no que diz respeito à obtenção de um acordo. As negociações técnicas entre o Reino Unido e o principal negociador da UE, Michel Barnier, estão em andamento no momento em que esta matéria é escrita. 3. Ações indicam salto na abertura Wall Street deve abrir acentuadamente em alta com um duplo impulso das negociações comerciais EUA-China e no Brexit. Os preços mais altos do petróleo também podem elevar as ações dos produtores dos EUA. Às 8h28, os futuros do Dow subiam 279 pontos, ou 1,05%, enquanto os contratos futuros do S&P 500 subiam 30,88 pontos ou 1,06% e os futuros da Nasdaq subiam 1,18%. A temporada de balanço do terceiro trimestre está se engatando lentamente em primeira marcha, com a Yum! Brands (NYSE:YUM) e a Fastenal (NASDAQ:FAST) devendo divulgar relatórios antes da abertura. Durante a noite, a SAP (OTC:SAPGF), a maior empresa de software da Europa, subia quase 9% depois de relatar um forte aumento nas receitas em nuvem no trimestre. 4. Petróleo sobe enquanto Irã culpa Arábia Saudita por explosão de navio-tanque Um petroleiro iraniano foi incendiado no Mar Vermelho no início da sexta-feira, deixando os preços do petróleo bruto 2% mais altos. As notícias são de que o estado iraniano atribuiu a explosão ao ataque de dois mísseis lançados da Arábia Saudita. O país não comentou. O incidente ocorre menos de um mês depois que a Arábia Saudita culpou o Irã por um ataque às principais instalações de petróleo do país e por uma série de ataques a navios-tanque no Golfo Pérsico. Os novos acontecimentos mais que ofuscaram um relatório regular da Agência Internacional de Energia, que cortou sua previsão para o crescimento global do petróleo em 2020. 5. Banqueiros vão colocar um preço na Aramco A empresa mais valiosa do mundo pode finalmente receber uma proposta de avaliação firme na sexta-feira, enquanto os banqueiros entregam suas estimativas para o que a companhia nacional de petróleo da Arábia Saudita poderia buscar na abertura de capital. O The Wall Street Journal informou que os banqueiros devem dar à Saudi Aramco uma avaliação de cerca de US$ 1,5 trilhão, bem abaixo dos US$ 2 trilhões inicialmente esperados pelo príncipe real Mohammed bin Salman. O JPMorgan (NYSE:JPM), o Morgan Stanley (NYSE:MS) e o Goldman Sachs (NYSE:GS) estão entre os bancos que disputam negócios que colocam as ações. No entanto, é provável que a primeira parcela do negócio seja uma listagem exclusivamente doméstica. Uma listagem internacional - provavelmente em Tóquio - está prevista para uma data posterior, de acordo com várias notícias.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: