Menu
Busca domingo, 24 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Bolsonaro

Estudo mostra impactos do 13o salário para Bolsa Família

11 abril 2019 - 15h39Por Angelo Pavini
A criação de um 13º salário para os beneficiários do Bolsa Família anunciado hoje pelo presidente Jair Bolsonaro representará um reajuste de 8,33% em 22 meses ou um aumento real, acima da inflamação de 3,58%. A avaliação é de Marcelo Neri, pesquisador do FGV Social, que avalia a medida em dez pontos. Segundo ele, a medida produz ganhos em redução de pobreza, desigualdade e no PIB, preservando as contas públicas. Mulheres, crianças e nordestinos são os principais beneficiados. Não deixe o seu dinheiro parado no banco! Abra sua conta na Órama e comece a investir! Confira a avaliação do especialista: 1)      A concessão do 13º salário ao Bolsa Família equivale a um reajuste nominal de 8,33% o que dada a inflação dos últimos 12 meses equivale a um ganho real nesse período de 3,58%. 2)      O Bolsa Família é a transferência de renda mais pró-pobre do país com índice de focalização de -0,63 contra -0,05 do BPC e 0,52 da previdência, por exemplo. 3)      Ganhos do Bolsa Família diminuem a extrema pobreza. Contra exemplo: no congelamento nominal do benefício em 2015 e 2017, a extrema pobreza subiu 23% e 17%, respectivamente. 4)      O reajuste de programas sociais em ano pós-eleitoral são raros.  Nas três décadas passadas, a renda de programas sociais subiu em anos eleitorais, duas vezes mais que a renda média. 5)      O multiplicador do Bolsa Família é superior ao de outras transferências oficiais. Mais de três vezes maior que a previdência, por exemplo. Ou seja, a combinação de mais Bolsa Família e menos previdência (reforma) mantém a economia mais aquecida.  Para cada R$ 1 de repasse do Bolsa Família, o PIB cresce R$ 1,78 e 0,52”; lembrando que o orçamento do Bolsa Família representa entre 0,5% do PIB nacional contra 14% da previdência. “É um programa bem focalizado e, por isso, faz as rodas da economia girarem mais.” 6)      Não há contradição nisso. O Bolsa Família é um grande aliado para quem deseja fazer ajuste fiscal no Brasil. É um programa que dá muito resultado em termos de combate à pobreza e custa pouco nas contas públicas, que estão numa situação bastante delicada no país. Utilizamos pouco o Bolsa Família nessa crise. 7)      O Nordestino em particular, aquele que mais sofreu nos últimos anos, vai receber um impacto 107% maior da medida anunciada que o brasileiro em geral. 8)      Similarmente, as mulheres recebem individualmente 1000,7% mais o Bolsa Família que os homens. O reajuste empodera mulheres e mães na divisão de recursos no seio familiar. Como consequência deste viés pró-mulher que tende a morar mais com os filhos, os recursos do programa chegam 74,8% mais as crianças em termos domiciliares per capita que ao conjunto da população. 9)      Nossos estudos mostram que a felicidade do brasileiro é mais sensível a aumentos de renda na base do que no meio ou topo da distribuição. É de se esperar uma recuperação da felicidade geral da nação que anda em baixa (vide pesquisa).
10)   Defendemos que se dê a liberdade de escolha ao beneficiário quando receber o 13º salário, criando uma reserva estratégica para emergências (como a necessidade de se comprar remédio, material escolar ou consertar a casa, por exemplo).  O governo poderia atrelar ações de educação financeira, desenvolver novos hábitos da poupança entre os pobres. Ou seja, o 13º do Bolsa Família aponta para ganhos sociais mas pode ser ainda melhor. O post Estudo mostra impactos do 13o salário para Bolsa Família apareceu primeiro em Arena do Pavini.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: