terça, 07 de dezembro de 2021
investimentos financeiros

Investimentos: conheça os 7 erros mais cometidos por iniciantes e veteranos

29 abril 2020 - 12h35Por Redação SpaceMoney

Erros fazem parte da nossa vida. Embora sejam desagradáveis e gerem situações complicadas, eles são inerentes a qualquer processo de aprendizado. De qualquer forma, sempre é interessante conhecê-los para poder evitá-los e prevenir os transtornos e perdas desses contratempos. Tal lógica também é aplicada quando o assunto são investimentos financeiros. Nesse cenário, erros atingem tanto investidores iniciantes quanto aqueles mais veteranos, que normalmente aplicam seu dinheiro sem qualquer tipo de suporte. Pensando nos prejuízos que esses equívocos podem gerar, listamos abaixo quais são os mais comuns e como evitá-los. Boa leitura e bom aprendizado sempre!

1. Ter medo de investir

Parte do sucesso de um investidor dependerá de aspectos psicológicos, como você perceberá ao longo deste texto. Nossa relação com o dinheiro nem sempre é racional e isso certamente fica mais claro quando pensamos nas inúmeras possibilidades de ganhos e perdas trazidas pelos investimentos. Diante disso, o primeiro erro aborda um problema comum para muitas pessoas: o medo de investir, principalmente pelo receio de perder dinheiro. Quando esse receio não impede totalmente que a pessoa faça aplicações, ele acaba restringindo as opções de investimento, limitando-se a alternativas muito conservadoras e com retorno baixo, como é o caso da caderneta de poupança. Muitas vezes, esse medo de investir é decorrente de experiências negativas anteriores, principalmente se resultaram em perdas financeiras. Junto a isso, é normal haver também falta de acesso à informação sobre aplicações, o que só piora a situação, fazendo com que tenhamos a velha imagem da pessoa que guarda seu dinheiro debaixo do colchão. De todo jeito, é necessário contornar isso, uma vez que tal receio pode impedir que o investidor rentabilize seu patrimônio, conquiste seus objetivos e, assim, consiga um padrão de vida melhor para si e para sua família. Com isso, será possível se planejar e ter condições melhores para enfrentar imprevistos que possam surgir ou quando chegar a hora de parar de trabalhar. Felizmente, é possível reverter o medo ao investir, ainda que aos poucos. As principais recomendações para quem sofre com esse problema e quer contorná-lo são buscar educação financeira para entender como funcionam as aplicações financeiras disponíveis no mercado e começar a investir lentamente, com uma pequena fatia do seu salário de cada vez, para ir ganhando intimidade com o assunto paulatinamente e ir perdendo o receio.

2. Ser confiante demais

No oposto das pessoas que tem medo de investir, temos aquelas que são confiantes demais com suas aplicações, o que também pode gerar problemas. Essa confiança, aliada a um otimismo exagerado, pode fazer com que o investidor não enxergue no horizonte eventuais imprevistos, que são capazes de comprometer seu patrimônio. Isso faz com que ele corra mais riscos do que havia planejado. Uma forma de evitar que a confiança demasiada tome conta é sempre analisar os aspectos negativos e positivos de cada aplicação antes de investir. Esse mapeamento ajuda na tomada de decisões, uma vez que isso evita que apenas o lado bom do investimento se destaque. Outro cuidado necessário é evitar que a confiança domine sempre que um resultado bom aparecer. Não é porque isso aconteceu que você já tem pleno domínio sobre o mercado financeiro ou mesmo sobre aquela aplicação. Também não significa que o bom resultado se repetirá para sempre. Logo, encontre um equilíbrio no nível da confiança, mas continue a aprender sempre.

3. Achar que investimentos são apostas

Nenhum investimento, por mais arriscado que seja, é igual a uma aposta. Junto a isso, é necessário entender que também não existem aplicações financeiras milagrosas, que enriquecem o investidor de uma hora para outra sem qualquer esforço. Por isso, lembre-se de que, embora possa influenciar no seu retorno, a sorte não é o fator predominante em qualquer investimento. Isso não é o que acontece com as apostas, nas quais seu bom desempenho depende exclusivamente de quão grande é a sua sorte. Ou seja, quem acha que investimentos são apostas acaba desconsiderando que a maior parte do sucesso vem de boas análises, um planejamento adequado e da busca constante sobre as melhores formas de investir. Nesse sentido, é essencial também desconfiar de promessas de investimentos que prometem retornos fora de qualquer parâmetro praticado normalmente no mercado. Além de gerar prejuízos, investimentos fraudulentos colocam em risco a integridade do investidor, uma vez que eles podem estar atrelados a práticas ilegais, o que só aumenta a possibilidade de transtornos. Ou seja, sempre que surgir uma oferta de aplicação infalível ou com promessas de retornos muito acima da médica, ligue o sinal de alerta!

4. Agir por impulso e sem considerar os riscos

Lembra quando falamos, no primeiro tópico deste texto, de como os aspectos psicológicos exercem influência na maneira como investimos? Então, tal fato também é aplicável quando o erro cometido é a impulsividade na hora de investir, que na maioria dos casos faz com que o investidor desconsidere todos os riscos existentes em uma aplicação financeira. Muito da impulsividade na hora de investir vem do chamado efeito manada: ao ver que determinado grupo está ganhando dinheiro com certa aplicação, é normal que o investidor tenda a se juntar a eles para aproveitar o bom momento, ignorando sua própria estratégia ou as informações disponíveis. Logo, ponderar bastante a influência de terceiros é a melhor estratégia para controlar esse impulso, que pode ser prejudicial. Uma boa forma de pesar os riscos é por meio da relação entre risco e retorno, conceitos importantes na hora de investir e que estão ligados. Não se esqueça ainda que nenhuma aplicação, por mais sólida e confiável que seja, não é imune a problemas de diversas naturezas. O confisco na caderneta de poupança nos anos 90 está aí para lembrar que nem essa aplicação extramente segurança está totalmente isenta de riscos. Quase sempre um investimento com risco maior oferece uma rentabilidade melhor. Isso acontece para torná-lo mais atrativo aos investidores, que se dispõem a correr esse risco mais elevado em troca de retornos mais interessantes. Por outro lado, aplicações mais conservadoras não precisam fazer isso, já que sua confiabilidade é o que acaba se destacando. Por risco, entende-se a possibilidade do investimento não entregar o retorno esperado conforme a sua projeção. Entretanto, não existe apenas um tipo de risco e cada um exige formas diferentes de ação para minimizá-los. De forma geral, os diferentes riscos podem ser divididos em dois grandes grupos: os sistêmicos (que atinge todo o mercado de forma abrangente e pode levá-lo ao colapso) e os não sistêmicos (que afetam aspectos específicos de uma aplicação e não o mercado de forma não generalizada). Dentro dos riscos não sistêmicos temos diversos outros tipos de risco: os de mercado (resultado da queda na cotação de preço de uma aplicação, principalmente por causa da lei da oferta e da procura); os de crédito (que diz respeito à possibilidade da instituição financeira não honrar seus compromissos por problemas como calotes ou falência); e os de liquidez (quando torna-se difícil se desfazer do investimento a reaver o dinheiro aplicado).

5. Não levar em conta o perfil de investidor

Outro erro comum e que é relativamente fácil de ser evitado é investir sem considerar qual o perfil do investidor. Esses perfis funcionam como uma espécie de guia, indicando quais as aplicações financeiras mais adequadas para cada pessoa, de acordo com a análise de algumas características e padrões de comportamento. Entre os aspectos mais importantes considerados na hora de traçar o perfil de um investidor estão sua aversão ao risco, suas metas com relação ao dinheiro aplicado e mesmo sua situação financeira atual ou seu momento de vida, incluindo a idade. O perfil do investidor é tão importante que as instituições financeiras costumam solicitar que seus novos clientes preencham um formulário, de modo a utilizar as respostas para traçar esse panorama da forma mais precisa possível. Existem 3 principais perfis de investidores: os conservadores, os moderados e os arrojados. Os conservadores são aqueles investidores que priorizam a segurança das suas aplicações em detrimento de ganhos maiores. Quase sempre eles contam com metas fixas e de longo prazo (como comprar um imóvel ou garantir uma fonte de renda para aposentadoria) ou mesmo investem apenas para manter uma reserva de emergência, o que torna a liquidez alta algo indispensável. Os investidores moderados já estão um pouco mais propensos a investir em aplicações com riscos maiores, desde que a maior parte do dinheiro ainda permaneça em ativos conservadores, principalmente de renda fixa. Esse balanceamento ajuda a se resguardar de perdas e permite que elas sejam compensadas no longo prazo caso aconteçam. Por fim, temos os investidores arrojados, também conhecidos como agressivos. Esse arrojo vem da decisão de aceitar assumir mais riscos, tendo em mente que os ganhos maiores no longo prazo minimizarão as perdas e otimizarão os lucros, gerando os resultados esperados. É comum que os investidores arrojados criem estratégias que não desprezem ativos mais voláteis, combinando com opções com riscos mais controlados. Tal escolha gera o equilíbrio desejado, sempre visando ganhos maiores do aqueles encontrados em opções de investimento mais conservadores, como as aplicações de renda fixa. Boa parte das possibilidades exploradas pelos investidores arrojados vem do fato de que eles não precisarão do dinheiro aplicado no curto prazo ou mesmo para emergências. Com isso, é possível decidir com mais calma qual o melhor momento para fazer o resgate dos recursos, o que também ajuda a impulsionar os ganhos. Tenha sempre em mente que o perfil do investidor não é imutável, que muitos aspectos que ajudam a traçá-lo podem sofrer alterações de acordo com o momento de vida de cada um. Por isso, faça reavaliações constantes, principalmente sempre que um fato novo surgir em sua vida, alterando seus objetivos e prioridades. Dessa forma, aumentam as chances das suas escolhas serem mais condizentes com seu perfil. Se você ainda não sabe qual é o seu perfil de investidor, descubra agora mesmo. Basta responder alguma perguntas, que levam menos de cinco minutos!

6. Não diversificar os investimentos

Por mais rentável que um investimento seja, ele nunca deve concentrar todos os recursos de quem está investindo neles, sob o risco de qualquer problema resultar em prejuízos comprometedores. É por essa razão que não investir de forma diversificada constitui um dos principais erros tanto de novatos quanto de iniciantes. A diversificação de investimentos é uma das principais estratégias de gerenciamento de riscos, uma vez que ela os dilui entre diversas aplicações. Assim, se alguma delas apresentar perdas, elas serão absorvidas ou mesmo compensadas pelos demais investimentos. Ou seja, em um exemplo banal, o ideal é nunca aplicar 100% do dinheiro em ações ou ativos de renda variável. Um investidor com perfil entre o moderado e o arrojado pode manter metade desses recursos em um grupo selecionado de ações e o restante em ativos de renda fixa (como títulos públicos ou CDBs). Seja qual for o investimento escolhido para compor uma carteira, a recomendação é manter a combinação que misture diferentes classes de ativos, de variados setores da economia ou mesmo expostos a riscos diferentes.

7. Investir sem metas claras

Não ter metas claras e bem definidas dificulta a organização, o planejamento e a tomada de decisões de qualquer investidor, principalmente os que estão começando. Não saber onde se quer chegar prejudica bastante na hora de escolher qual caminho percorrer. Portanto, é essencial saber como definir tais metas para, a partir disso, decidir o que será feito. O primeiro passo para a definição de metas condizentes com sua situação é fazer um diagnóstico da sua vida financeira, identificando qual o momento atual, se existem dívidas e quanto dinheiro disponível para investir existe. Nessa hora, conhecer seu perfil de investidor também é importante, como mencionamos em um tópico anterior. Outros pontos importantes para a definição de boas metas é que elas devem ter prazos (curto, médio ou longo) e devem ser mensuráveis (ou seja, elas podem ser medidas e, se for o caso, reconsideradas). Com base nesses parâmetros, acumular determinada quantia de dinheiro para a compra de um imóvel em 5 anos pode ser considerado uma meta válida. Já estabelecer como meta apenas "ficar rico" é mais complicado, uma vez que é difícil dimensionar, afinal de contas, o que é ser rico o suficiente. Logo, essa meta não é mensurável. Navegar pelos investimentos financeiros com tranquilidade pode exigir bastante tempo de aprendizado. E mesmo anos de experiência não eximem investidores de erros. Então, manter-se sempre em processo de aprendizagem é fundamental para evitar equívocos e garantir os melhores resultados possíveis. Quer ajudar seus amigos com as dicas deste conteúdo? Então compartilhe-o agora mesmo nas suas redes sociais.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content