quinta, 09 de dezembro de 2021
dólar

Dólar sobe com relatório de empregos dos EUA forte

05 julho 2019 - 13h08Por Investing.com
O dólar subiu na sexta-feira após a economia ter acrescentado mais empregos do que o esperado em junho, diminuindo as expectativas de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) reduza as taxas de forma agressiva para evitar uma desaceleração. O índice dólar, que mede a força da moeda frente a uma cesta ponderada de seis principais divisas, subia 0,7%, para uma alta de três semanas, de 96,968, às 11h31. As folhas de pagamento não agrícolas (NFP, na sigla em inglês) aumentavam 224.000 em junho, bem acima das expectativas de consenso para 160.000 e uma forte recuperação das 72.000 revisadas para baixo em maio. O euro e a libra perdiam mais de meio centavo em relação ao dólar, com o euro caindo para US$ 1,1208 e a libra caindo para o menor valor em seis meses, de US$ 1,2482. "Juntando tudo isso, é um relatório encorajador que sugere que a macroeconomia está atualmente ignorando a incerteza do comércio EUA-China", escreveu o economista-chefe do ING, James Knightley, em um post no blog. O Fed abriu as portas em sua última reunião de política para reduzir os efeitos das disputas comerciais dos EUA e deve reduzir as taxas em 25 pontos-base em julho, com os investidores esperando um total de três cortes de juros este ano.

Câmbio Online na Frente Corretora: cote, compre e receba em casa!

“A resiliência do mercado de trabalho dos EUA é uma das principais razões pelas quais acreditamos que os riscos são direcionados a um afrouxamento mais modesto da política do Fed em relação às expectativas do mercado ”, disse Knightley. O dólar subiu contra o iene japonês, com o aumento de 0,8% para 108,58. Contra o dólar canadense, o dólar ganhou 0,6% para 1,3129 depois que os dados mostraram que a economia canadense perdeu 2.200 empregos em junho. Os dados também levaram o dólar a se recuperar contra as moedas de mercados emergentes, que se beneficiaram mais da recente mudança do Fed em favor de um viés de flexibilização. Subiu 0,6% contra o real brasileiro depois de atingir uma baixa de três meses na quinta-feira, enquanto também subiu 1,3% contra o peso argentino e 0,2% contra o peso mexicano.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content