sexta, 03 de dezembro de 2021
Dia do Orgasmo

Dia do Orgasmo: 4 iniciativas que unem sexo e economia

31 julho 2020 - 15h50Por Redação SpaceMoney

Hoje é o Dia do Orgasmo e, apesar das limitações que o isolamento social impõe às comemorações, esta SpaceDica celebra a data lembrando de quando o sexo se encontra com a economia. E não precisa ir muito longe: o 31/07 foi instituído por um sex shop no Reino Unido. Clássica jogada para aumentar as vendas, certo?

Conheça outras 4 iniciativas que fazem com que negócios e prazer andem lado a lado (ou em outras posições!). 

1. Girl Power

Que tal dar um brinquedo sexual para sua parceira no Dia do Orgasmo? Não? O tabu acerca do prazer feminino represa um mercado de US$ 50 bilhões, segundo a consultoria Frost & Sullivan. É aí que nasce o movimento Women of Sex Tech, de mulheres que desenvolvem produtos eróticos, com foco na tecnologia. 

De filmes pornôs a aplicativos para controle menstrual, a iniciativa reúne empreendedoras femtech. A expectativa é que com, a popularização do comércio eletrônico, que permitem compras mais discretas, as vendas de itens sexuais aumentem 20% nos próximos anos, segundo o Credit Suisse. 

2. Para os dois (ou mais)

OK, então você vai quebrar a quarentena e comemorar o Dia do Orgasmo em um motel. Mas que tal investir nele? Em julho, a rede de motéis Drops abriu captação de investimentos via Bloxs, uma plataforma de investimentos alternativos. A remuneração varia de acordo com o faturamento da empresa 

A Drops já fez o mesmo processo para um motel em Brasília, em agosto de 2019 e, em menos de três dias, foram captados R$ 1,2 milhões. Agora, mesmo com a pandemia afetando a taxa de ocupação dos motéis, a oferta é para três motéis do interior de São Paulo. 

Quer conhecer mais opções de investimento? Fale com um especialista SpaceMoney

3. Amor via app

Se você vai ao Tinder para procurar companhia para o Dia do Orgasmo, talvez seja uma boa ideia considerar também o Lover. O app, que, aliás, recebeu aporte do fundador do aplicativo de paquera mais popular, propõe que os usuários respondam questionários sexuais.

A ideia é descobrir mais sobre sua própria sexualidade e de parceiros, além de apresentar conteúdos de educação sexual. O aplicativo ainda não está disponível no Brasil, mas já movimentou investidores lá fora: foram mais de US$ 5 milhões em aportes. 

4. Contra a corrente

A Vice Ventures quer investir nas indústrias consideradas "ruins". E isso inclui a do sexo, rodeada de tabus. Fundada no ano passado nos Estados Unidos por uma ex-executiva do Walmart, a companhia já fechou um fundo com US$ 25 milhões. 

Além da indústria de sextech, a Vice capta recursos para startups que trabalham com exploração de maconha e e-sports. Segundo a venture captial, o trabalho é "superar estigmas e buscando retornos superiores, investindo em boas empresas".

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content