Menu
Busca segunda, 27 de setembro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
destaques economicos

Destaques: mercado espera maus indicadores de varejo nos EUA e China

15 maio 2020 - 09h29Por Investing.com
Por Geoffrey Smith Investing.com - Prepare-se para uma série de dados econômicos sombrios, com vendas no varejo e números da produção industrial da economia americana de abril, juntamente com a principal pesquisa de opinião do consumidor de Michigan.

As ações estão em queda antes da divulgação dos dados. As fábricas da China estão voltando à vida, mas seus consumidores estão mantendo suas carteiras fechadas.

A Câmara pode votar novo pacote de apoio econômico de US$ 3 trilhões dos democratas. E ouro e prata continuam seu rali, ao lado de um mercado de petróleo que está dominando seu medo de desequilíbrios entre oferta e demanda.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na sexta-feira, 15 de maio.

1. Após mercado de trabalho, vendas no varejo lançam dados sombrios

O mercado de ações resistiu a mais uma semana de números ruins de desempregados - mas pode enfrentar agora o que deve ser uma queda recorde nas vendas no varejo?

Espera-se que os dados de abril, que serão divulgados às 09h30 (horário de Brasília), mostrem uma queda de 12% em relação a março, a maior queda mensal já registrada.

Os números encabeçam um final movimentado da semana na frente de dados, com produção industrial e manufatura às 10h15. Eles devem ter caído, respectivamente, 11,5% e 13%.

Os masoquistas também podem ficar de olho no índice Empire State Manufacturing às 9h30 e no índice de opinião do consumidor de Michigan às 11h.

2. As fábricas da China se animam. Seus consumidores, nem tanto

Se a China é um guia, o produtor está se recuperando mais rápido que o consumidor.

Dados chineses publicados anteriormente mostraram que a produção industrial do país aumentou em termos homólogos pela primeira vez desde que a pandemia eclodiu, aumento de 3,9% superando os 1,5% esperados. Mesmo assim, a produção acumulada no ano ainda diminuiu 4,9%, uma queda sem precedentes.

A produção atual foi o único ponto positivo de um despejo de dados chinês que viu as vendas no varejo ainda caírem 7,5% no ano, bem abaixo das previsões, e o investimento em ativos fixos cair 10,3% no ano, um pouco abaixo do esperado.

O mercado de ações da China caiu 0,4%, enquanto o CSI 300, pesado em tecnologia, ficou estável.

3. Ações devem subir, mas ainda caem durante a semana

As ações dos EUA devem abrir em queda, a fim de encerrar a semana em baixa em meio a preocupações com novas ondas de infecções por coronavírus, tanto nos EUA quanto no exterior. Tensões da relação entre EUA e China intensificaram as perdas na última hora, após secretário de Comércio dos EUA pedir apoio do Congresso à medida do presidente Donald Trump de banimento da Huawei no mercado americano até 2021.

Às 9h02 (horário de Brasília), o contrato futuros do Dow Jones 30 caía 275 pontos, ou 1,17%, enquanto o contrato futuros do S&P 500 perdiam 1,15% e o contrato de futuros do Nasdaq 100 estava em queda de 1,48%.

Os futuros de petróleo estavam em uma tendência claramente mais positiva, com o petróleo dos EUA subindo 2%, para US$ 28,11, enquanto a referência internacional Brent subia 1,57%, para US$ 31,62, com o aumento dos sinais de que o mercado está se reequilibrando, reforçando a confiança de que a expiração do prazo do contrato futuro deste mês passará mais suavemente que a do mês passado.

4. Câmara pode votar novo pacote de estímulo democrata

A Câmara pode votar o novo projeto de apoio econômico de US$ 3 trilhões dos democratas ainda nesta sexta-feira, embora comentários do Senado e do governo sugiram que há pouca chance de ele ser aprovado em sua forma atual.

A chamada Health and Economic Recovery Omnibus Emergency Solutions (HEROES) ampliaria a assistência ao desemprego, o vale-alimentação e os subsídios de emergência para pequenas empresas.

5. Ouro e prata brilham como fé em outros ativos

A visão de governos de todo o mundo jogando dinheiro na pandemia de covid-19 continua apoiando os preços dos metais preciosos.

Os contratos futuros de ouro atingiram uma máxima de três semanas durante a noite e estão se consolidando da máxima de 8 anos que registraram no mês passado, a US$ 1.740,75 por onça troy. Enquanto isso, os futuros de prata atingiram o nível mais alto em dois meses, com US$ 16,64 por onça.

No entanto, os rendimentos do Tesouro dos EUA ainda não estão comprando o argumento de degradação da moeda: eles são praticamente inalterados, apenas alguns pontos-base das mínimas históricas que atingiram no início do mês, apoiados na crença de que o impacto da covid-19 será deflacionário antes de se tornar inflacionário.

 
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: