Menu
Busca quarta, 20 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile

Destaques: estímulos na Europa e desemprego nos EUA

18 junho 2020 - 09h01Por Redação SpaceMoney

Por Geoffrey Smith 

Investing.com - Os pedidos iniciais de seguro-desemprego devem prosseguir desacelerando ainda mais do seu pico de pandemia, enquanto as reivindicações contínuas deverão cair abaixo de 20 milhões pela primeira vez desde abril. 

O Banco Central Europeu obtém um voto de confiança dos bancos enquanto eles aproveitam o empréstimo mais barato de sempre, enquanto o Banco da Inglaterra mantém taxa de juros e aumenta seu programa de compra de títulos até fim de 2020, início de 2021. 

As ações devem abrir em queda, devido a preocupações sobre uma nova onda de infecções por coronavírus e a ameaça de tensão comercial com a UE, enquanto o presidente Trump chamou John Bolton de mentiroso depois que o ex-Conselheiro de Segurança Nacional o descreveu como um suplicante obcecado pela reeleição a Xi Jinping. 

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na quinta-feira, 18 de junho.

1. Pedidos de seguro-desemprego devem continuar caindo

Os últimos dados semanais de pedidos de seguro-desemprego devem ser publicados às 9h30 (horário de Brasília), em um momento em que o aumento nas novas infecções por Covid-19 está intensificando o temor de outra onda de medidas de bloqueio e de perda de empregos.

Os analistas esperam que os pedidos iniciais tenham caído para 1,30 milhão na semana passada, o que seria o número mais baixo desde que os primeiros bloqueios começaram a ocorrer no final de março, e abaixo dos 1,54 milhão na semana anterior. Os pedidos contínuos, que refletem indiretamente a velocidade com a qual as pessoas estão sendo recontratadas, devem cair abaixo dos 20 milhões pela primeira vez desde abril, em 19,80 milhões.

Os números serão divulgados simultaneamente com a pesquisa regional de negócios do Fed da Filadélfia. A pesquisa do Empire State do Fed de Nova York no início desta semana mostrou uma recuperação mais forte do que o esperado na atividade industrial.

2. Bancos justificam corte de taxa do BCE com a maior operação de liquidez de todos os tempos

O Banco Central Europeu realizou sua maior injeção única de liquidez nos mercados monetários da zona do euro, em uma aparente justificativa de seu movimento para empurrar ainda mais as taxas de juros para território negativo no mês passado.

Os bancos emprestaram 1,308 trilhão (US$ 1,47 trilhão) na Operação de Refinanciamento a Longo Prazo do BCE, ou TLTRO, a primeira a oferecer uma taxa tão baixa quanto -1% para os bancos que atendem aos critérios de empréstimo do BCE (o que significa quase todos). Depois de compensado o dinheiro que está sendo transferido de outros empréstimos pendentes do BCE esta semana, o valor ainda representa uma injeção de liquidez de 548 bilhões de euros.

A alta demanda implica que a taxa mais baixa não é tão destrutiva quanto alguns temiam em relação à lucratividade de bancos. O economista da Pictet Wealth Management, Frederik Ducrozet, disse que isso resultará em uma transferência líquida de 15 bilhões de euros para os bancos participantes. O euro foi pouco alterado, em US$ 1,1248, enquanto os spreads de títulos soberanos se apertaram modestamente.

3. Ações devem abrir em queda

As ações dos EUA devem abrir em baixa, já que as preocupações com o coronavírus e o aumento do ruído político minam a confiança de uma recuperação econômica em forma de V.

Às 8h40, o contrato futuro de Dow Jones 30 caía 174 pontos, ou 0,66%, enquanto o contrato futuro de S&P 500 caía 0,65% e o contrato futuro de Nasdaq 100 perdia 0,29%.

As ações em foco na quinta-feira incluirão a T-Mobile, que previa um aumento saudável no número de clientes neste ano após o fechamento da quarta-feira. Isso deve compensar as preocupações com custos pontuais mais altos do que o esperado de sua fusão com a Sprint, e um impacto maior que o esperado das medidas relacionadas à Covid-19.

A tecnologia também estará em foco depois que os EUA efetivamente abandonarem as negociações internacionais sobre uma nova estrutura para taxar empresas multinacionais. Isso torna mais provável a imposição de impostos sobre serviços digitais em mercados importantes da Europa - bem como uma resposta dos EUA na forma de novas tarifas de importação.

4. Banco da Inglaterra aumenta flexibilização quantitativa

O banco central britânico aumentou seu programa de compra de títulos em 100 bilhões de libras (US$ 125 bilhões) nesta quinta-feira, conforme busca ajudar a economia a se recuperar das perdas em março e abril provocadas pelas medidas contra o coronavírus.

O Banco da Inglaterra manteve sua taxa referencial de juros em 0,1%. Oito membros do Comitê de Política Monetária votaram por aumentar o programa de compra de títulos, enquanto o economista-chefe do banco central, Andy Haldane, votou contra. Todos os nove membros votaram pela manutenção dos juros.

O banco central disse que vai gastar todos os 100 bilhões extras em títulos do governo, mas que vai desacelerar o ritmo de suas compras, afirmando esperar que a nova meta total de 745 bilhões de libras seja atingida até o fim do ano.

Pesquisa da Reuters com economistas indicava aumento de 100 bilhões de libras no programa de compra de ativos e manutenção dos juros em 0,1%.

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico alertou na semana passada que a economia do Reino Unido vai encolher mais do que qualquer outra no G7 neste ano devido à pandemia de Covid-19. O país demorou a impor requisitos de bloqueio e distanciamento social e sua economia tem uma exposição desproporcionalmente alta aos serviços, que sofreram mais que a indústria na crise.

A libra caiu 0,6%, atingindo uma mínima de duas semanas em relação ao dólar em US$ 1,2485, e também caiu para o menor nível em relação ao euro desde o final de março.

Além disso, os bancos centrais da Suíça e da Noruega mantiveram suas principais taxas inalteradas, enquanto a Indonésia as rebaixou novamente.

5. Trump classifica Bolton como mentiroso após alegações de fraqueza na frente de Xi

O ex-conselheiro de Segurança Nacional John Bolton denunciou o presidente Donald Trump em um trecho amplamente comentado de suas memórias que serão publicadas em breve.

Bolton disse que Trump procurou a ajuda do presidente Xi Jinping para ser reeleito em 2020, criando um acordo comercial que ele poderia apresentar como um triunfo, e fez várias concessões a Xi apesar das preocupações de longa data dos EUA com o roubo de propriedade intelectual na China, manipulação de moeda e observações sobre direitos humanos (Bolton observou neste último ponto que Trump endossou privadamente o estabelecimento de campos de concentração para a minoria muçulmana da China em sua província ocidental de Xinjiang).

Trump, cujos primeiros dois anos no cargo foram ofuscados por evidências de sua solicitação de ajuda russa na campanha eleitoral de 2016, respondeu chamando Bolton de mentiroso.

Bolton também criticou o Partido Democrata por não ampliar seus esforços para que Trump seja acusado por abuso de poder. Bolton se recusou a testemunhar nas audiências de impeachment no ano passado, preferindo guardar suas revelações para seus editores.

- Com contribuição de Reuters

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: