Menu
Busca quarta, 22 de setembro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile

Destaques: China abandona meta para o PIB e petróleo tem novas quedas

22 maio 2020 - 09h10Por Investing.com

Por Geoffrey Smith

Investing.com - A China reduz sua meta de crescimento pela primeira vez em 30 anos e sinaliza uma repressão iminente sobre os dissidentes em Hong Kong. Os mercados estão caindo em resposta, embora ainda possam terminar a semana com alta, sob perspectivas de que o pior das medidas contra pandemia tenham acabado.

As ações da Nvidia estão em foco depois de relatar fortes lucros após o sino na quinta-feira, enquanto o Alibaba deve reportar antes da abertura. Mas a onda de perdas de empregos em todo o mundo continua, com IBM , Nissan e - provavelmente - Hewlett Packard Enterprise sinalizando grandes cortes de empregos.

1. China sinaliza repressão a Hong Kong

A China sinalizou uma repressão iminente à dissidência em Hong Kong com uma proposta preliminar de uma nova lei de segurança para a Região Autônoma Especial.

A medida ameaça reviver os protestos pró-democracia na ex-colônia do Reino Unido, que diminuiu no pior da pandemia de coronavírus, mas começou a se recuperar novamente nas últimas semanas.

Também ameaça uma deterioração adicional das relações com os EUA: o presidente Donald Trump prometeu retaliação se os privilégios existentes de Hong Kong forem encerrados, enquanto o Senado dos EUA propôs um projeto de lei, com apoio bipartidário, ameaçando sanções contra autoridades que implementam qualquer repressão.

O índice de ações Hang Seng caiu 5,6%, enquanto os índices da China continental caíram mais de 2% e o iuan enfraqueceu.

2. Pequim diminui sua meta de crescimento para 2020, atingindo preços de petróleo e metais

O Partido Comunista abandonou sua meta oficial de crescimento do Produto Interno Bruto este ano, a primeira vez em 30 anos, durante o Congresso Nacional do Povo realizado em Pequim.

A mudança na comunicação foi tomada como um aviso de que a economia levará mais tempo do que se pensava para se recuperar da pandemia de coronavírus (cerca de 100 milhões de pessoas ainda estão trancadas nas regiões nordeste da China após sinais de uma nova onda de infecções).

Os preços das commodities industriais - propensos a obter lucros após uma semana forte - levaram as notícias particularmente mal. Os contratos futuros de petróleo caíram 6,0% às 07h30 para US$ 31,89 por barril, enquanto os contratos futuros de cobre caíram 2,2% para US$ 2,38 por libra-peso e os futuros de níquel caíram 1,7%.

3. Ações devem abrir estáveis; futuros em baixa mais cedo com notícias chinesas

As ações dos EUA devem abrir mistas, após os futuros dos principais índices de Wall Street operar em baixa com as notícias da China, em meio à preocupação de que Pequim tenha se resignado a piorar as relações com os EUA e que a guerra comercial do ano passado retorne de uma forma nova e mais potente.

Às 08h53, o contrato Dow Jones 30 Futuros subia 3 pontos, ou 0,01%, enquanto o contrato futuro S&P 500 tinha ganhos de 0,12% e o contrato Nasdaq 100 subia 0,01%. Os três índices ainda estão em andamento para encerrar a semana com ganhos entre 2% e 3% e atingir o maior fechamento semanal desde o início de março.

4. Lucro da Nvidia aumenta com demanda por jogos e chips de data center; balanço da Alibaba em foco

Entre as ações em foco na sexta-feira estará a fabricante de chips Nvidia (SA:NVDC34), que superou as expectativas em seu relatório trimestral divulgado após o fechamento da quinta-feira.

O lucro por ação da empresa mais do que dobrou no ano, para US$ 1,88, uma vez que os bloqueios causados pela pandemia levaram a fortes vendas de jogos e chips de data center.

A empresa lucrou com duas das principais tendências impulsionadas pela pandemia, já que os bloqueios redirecionaram os gastos com entretenimento e aceleraram o crescimento da demanda por serviços em nuvem por empresas, especialmente varejistas online.

Os ganhos do Alibaba (NYSE:BABA), que serão divulgados antes da abertura de sexta-feira, também serão analisados ​​quanto a tendências semelhantes.

5. Mais cortes de empregos por vir

Os efeitos da pandemia em outras partes da economia continuam sendo sentidos, no entanto, com anúncios de cortes de empregos parecendo acelerar em todo o mundo.

O serviço de notícias japonês Kyodo informou na sexta-feira que a Nissan planeja 20.000 cortes de empregos para alinhar a oferta à demanda esperada a longo prazo.

Enquanto isso, a IBM (NYSE:IBM) anunciou que também faria cortes permanentes de empregos - o primeiro do novo CEO Arvind Krishna. Embora não tenha dito quantos da sua força de trabalho de 350.000 funcionários, o Wall Street Journal disse que seriam "vários milhares".

A Hewlett Packard Enterprise também anunciou um programa de US$ 1 bilhão em cortes de custos na quinta-feira. Não está claro se a empresa cortará empregos permanentemente como resultado.

A Rolls Royce, fabricante de motores aeronáuticos do Reino Unido (LON:RR) anunciou 9.000 cortes na quarta-feira.

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: