Menu
Busca terça, 19 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
FED

Destaques: alerta do Fed e fala do BCE

26 junho 2020 - 09h05Por Investing.com

Por Geoffrey Smith 

Investing.com - Os EUA tiveram um novo recorde de infecções por Covid-19, levando o Texas e a Flórida a interromper suas reabertura. A presidente do BCE, Christine Lagarde, disse que o pior da pandemia ocorreu na Europa, mas alertou que a recuperação seria desigual. 

Os mercados do Reino Unido avançam com o país abandonando seus planos de colocar em quarentena as pessoas que chegavam do exterior. O Fed disse que os bancos podem enfrentar US$ 700 bilhões em inadimplência com a pandemia e disseram a eles para não fazer recompra de ações por mais três meses. 

As ações em Wall Street estão definidas para abrir de forma mista, com a difusão no Facebook e seus anunciantes em foco. 

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na sexta-feira, 26 de junho.

1. Fed limita recompra de ações dos bancos

O Federal Reserve alertou que uma desaceleração prolongada causada pela pandemia de coronavírus poderia deixar o setor bancário com perdas de US$ 700 bilhões em empréstimos ruins.

Anunciando os resultados de seu teste anual de estresse, o Fed disse que, embora os bancos tenham capitalização suficiente para absorver essas perdas, queria garantir que continuassem assim.

Como resultado, ordenou aos bancos que não recomprassem ações no terceiro trimestre (os próprios bancos optaram por não recomprar ações durante os últimos três meses). O Fed também limitou os dividendos que os bancos podem pagar ao nível de seu lucro trimestral médio nos últimos quatro trimestres.

As ações bancárias caíram no pregão após o horário comercial e devem abrir entre 1,2% e 2,7% mais baixas, com o Wells Fargo - o banco mais exposto ao limite de dividendos conforme formulado - sendo o mais atingido.

2. Recorde de infecções interrompem reaberturas nos EUA

Os EUA registraram 37.000 novos casos de Covid-19 na quinta-feira, um novo recorde diário, enquanto os surtos na Califórnia, Texas, Flórida e Arizona continuavam a se espalhar.

Texas e Flórida suspenderam a reabertura de suas economias em resposta ao aumento de novas infecções de Covid-19 nos últimos dias. No entanto, nenhum dos dois estados - o segundo e o quarto maior dos EUA em população - restringiu ainda mais as atividades.

Os CEOs da área de saúde do Texas minimizaram relatórios de hospitais locais, notadamente em Houston, de que atingiram sua capacidade máxima para tratamento intensivo, dizendo que há opções disponíveis para aumentar a capacidade. O governador Greg Abbott mandou hospitais em Harris e três outros condados adiarem cirurgias eletivas para liberar espaço. A perda de cirurgias eletivas de alta margem está surgindo cada vez mais como um fator que afeta o desempenho financeiro dos hospitais.

Além disso, o governo Trump pediu à Suprema Corte que derrubasse a lei conhecida como Obama Care.

3. Ações devem abrir mistas, Facebook e Amazon em foco

Os mercados de ações dos EUA devem abrir de forma mista, mas ainda estão a caminho de uma perda semanal em meio a temores de novas restrições à economia para conter o vírus. No entanto, funcionários da Casa Branca e governadores continuam a se opor publicamente a uma nova rodada de bloqueios.

Às 8h37 (horário de Brasília), o contrato futuro de Dow Jones 30 caía 62 pontos, ou 0,2%, enquanto o contrato futuro de S&P 500 estava estável e o Nasdaq 100 Futuros subia 0,06%.

As ações em foco mais tarde provavelmente incluirão o Facebook, depois que a Verizon ingressou em uma lista de empresas que pretendem boicotar a rede social em protesto por sua postura no combate ao discurso de ódio e à desinformação. A Amazon.com (NASDAQ: AMZN) também estará em foco, depois de a empresa concordar em comprar a startup de condução autônoma Zoox por US$ 1,2 bilhão.

4. Lagarde diz que o pior já passou

A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, disse em uma conferência online que o pior da pandemia provavelmente já acabou, pelo menos na Europa, que registra taxas estáveis ​​de infecção há mais de um mês desde que começou a suspender suas medidas de bloqueio em maio.

No entanto, ela alertou que a recuperação provavelmente será desigual e "transformacional", observando que a pandemia pode matar empresas que já estão em declínio a longo prazo. Os governos europeus geralmente não discriminam a concessão de subsídios a todas as partes de suas economias desde março, portanto as palavras de Lagarde implicam um alerta contra o bombeamento de dinheiro sem fim para as empresas "zumbis".

O euro permaneceu praticamente inalterado em relação ao dólar, em US$ 1,1214.Já o índice pan-europeu de ações Stoxx 600 tinha alta de 1,16%.

O BCE disse anteriormente que a oferta de moeda do M3 da zona do euro e os empréstimos bancários cresceram mais rápido do que o esperado em maio, quando os bancos lançaram o estímulo monetário do BCE na economia real.

5. Reino Unido abandona plano de quarentena

O Reino Unido abandonou seu plano de impor uma quarentena de 14 dias aos visitantes que chegam do exterior como parte de sua estratégia para combater a epidemia de coronavírus.

A decisão do governo foi pressionada pelo setor de viagens, que ameaçava uma ação legal para interromper o plano, que, segundo ele, causaria milhares de empregos perdidos, principalmente no setor de turismo.

É a mais recente de uma série de decisões que mostraram que o governo britânico tende a relaxar suas medidas de bloqueio para minimizar os danos à economia. A OCDE e o Fundo Monetário Internacional esperam que o Reino Unido seja o mais atingido de todas as economias do G7 este ano.

A libra caiu em relação ao dólar, enquanto o FTSE 100 subia 1,7%, o melhor desempenho entre os principais mercados europeus na sexta-feira.

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: