quarta, 01 de dezembro de 2021
Destaques

Destaques: Ação de Graças preocupa e Tesouro e Fed se enfrentam nos EUA

20 novembro 2020 - 10h46Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - A Califórnia emitiu um toque de recolher a partir das 22h e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças, ou CDC, pediu aos americanos que não viajem no Dia de Ação de Graças. A Secretaria de Tesouro e o Federal Reserve entraram em uma briga por causa dos programas de empréstimos de emergência.

O presidente Xi Jinping novamente oferece à Ásia uma alternativa à liderança dos EUA e a libra sobe na esperança de que um acordo pós-Brexit esteja próximo. Enquanto isso, a Pfizer pediu a aprovação da Food and Drug Administration para um medicamento contra a Covid-19 e a OMS afirma que o remdesivir da Gilead não é eficaz contra a doença.

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na sexta-feira, 20 de novembro.

1. CDC cancela o Dia de Ação de Graças; Califórnia emite toque de recolher

O CDC pediu que os americanos não façam as tradicionais viagens de volta aos seus estados natais no feriado de Ação de Graças, em uma tentativa de evitar o que promete ser um evento de superespalhamento do coronavírus semelhante ao Memorial Day e aos finais de semana do Dia do Trabalho no início do ano.

O estado da Califórnia emitiu um pedido de permanência em casa para o período entre às 22h e 5h, horário local, enquanto luta para lidar com a última onda de Covid-19. As hospitalizações, que chegaram a 80 mil pela primeira vez em todo o país na quinta-feira, aumentaram cerca de 70% no último mês no estado.

2. Mnuchin irrita o Fed enquanto o teatro político continua

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, recusou-se a estender a ajuda da autoridade a alguns programas de empréstimos de emergência do Federal Reserve estabelecidos pelo banco central no início da crise. Mnuchin disse que o sistema bancário tem todos os recursos de que precisa para fornecer crédito à economia sem esses programas.

O Fed discordou, dizendo, em uma rara contradição pública do governo, que seria melhor garantir a disponibilidade de todos os programas até que a crise econômica passasse. O tom foi ajudado um pouco pelo líder do Senado, Mitch McConnell, dizendo que permanece aberto para renovar as negociações sobre um pacote de estímulo fiscal.

A disputa pública é o mais recente sinal de um período de transição cada vez mais caótico, que foi novamente inflamado na quinta-feira por outra entrevista coletiva pelos advogados da campanha de Trump, que pouco fizeram exceto repetir alegações selvagens de fraude que já foram rejeitadas por mais de duas dezenas de tribunais. O presidente Trump se reunirá na sexta-feira com dois representantes da legislatura de Michigan em um esforço para impedir o estado de certificar seu resultado eleitoral. O presidente eleito Joe Biden lidera a contagem de votos por 156.000.

3. Ações devem abrir mistas; farmacêuticas no radar

Os mercados de ações dos EUA devem abrir mistos, com o otimismo das notícias da última segunda-feira sobre a vacina enfraquecendo ainda mais sob a pressão dos desenvolvimentos de curto prazo na pandemia.

Às 9h16, o Dow Jones Futuros caía,0,03% enquanto o S&P 500 Futuros e o Nasdaq 100 Futuros subiam 0,06% e 0,24%, respectivamente.

Apesar do anúncio da Moderna sobre a eficácia de sua vacina contra a Covid-19 na segunda-feira, e do anúncio da Pfizer (NS:PFIZ) (SA:PFIZ34) sobre a segurança de seu medicamento na quinta-feira, o Dow Jones Industrial Average e o S&P 500 estão prestes a terminar a semana em baixa, com apenas o Nasdaq em território positivo.

As ações que provavelmente estarão em foco incluem a da Gilead (NASDAQ:GILD) (SA:GILD34), cujo antiviral foi rejeitado pela Organização Mundial da Saúde como ineficaz no tratamento de Covid-19, e a Tesla (NASDAQ:TSLA) (SA:TSLA34), que atingiu um recorde histórico na quinta-feira com alguns relatórios otimistas de corretoras. Além disso, a Pfizer e a BioNTech (NASDAQ:BNTX) disseram que solicitaram a aprovação do FDA para seu medicamento contra a Covid-19.

4. Xi promete, PBoC segura o fogo

O presidente chinês, Xi Jinping, disse em um discurso que a China permanecerá comprometida com a globalização e o livre comércio.

“Definitivamente, não seguiremos um caminho de reversão histórica, não buscaremos separar ou criar pequenos círculos fechados e exclusivos“, disse Xi em uma reunião de líderes políticos e empresariais.

Ele declarou que o país vai assinar mais acordos de livre comércio, como a Parceria Econômica Regional Abrangente, um acordo que não inclui os EUA, mas quase todo o sudeste da Ásia, Austrália e Nova Zelândia, e que foi encerrado no último fim de semana.

Durante a noite, o Banco Popular da China optou por não se juntar a uma lista crescente de bancos centrais globais que flexibilizam a política monetária, mantendo sua taxa básica inalterada em 3,85%.

5. Libra sobe com dados, Brexit no radar

A libra esterlina caminhava para seu maior fechamento semanal em relação ao dólar desde agosto, em uma mistura de dados econômicos surpreendentemente fortes e otimismo de que um fim desordenado para o acordo de transição pós-Brexit pode ser evitado.

Às 9h20, a libra GBP/USD estava em US$ 1,3286, alta de 0,2% no dia e 0,8% na semana. Também se aproximava de 1,12 euros.

Mais cedo, as vendas no varejo do Reino Unido em outubro se mostraram bem acima das expectativas, apesar de uma nova queda na confiança do consumidor, enquanto os empréstimos do governo no mês foram consideravelmente menores do que o projetado.

Enquanto isso, autoridades da UE foram citadas, anonimamente por agências de notícias, dizendo que os dois lados estão gradualmente estreitando suas diferenças sobre questões-chave como regras de auxílio estatal e cotas de pesca.

Veja os fatores que influenciam os mercados hoje

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content