quinta, 02 de dezembro de 2021
custo de oportunidade

Investimentos: o que é um custo de oportunidade e como calculá-lo?

19 dezembro 2019 - 12h00Por Redação SpaceMoney

Decidir onde investir o dinheiro sob nossa responsabilidade pode ser muito difícil. Afinal, é melhor jogar seguro ou buscar uma rentabilidade maior? Como definir o custo de oportunidade de cada escolha? Para se tornar um investidor de sucesso, quem aplica seu dinheiro precisa levar esse conceito em consideração, se quiser descobrir como otimizar sua alocação de ativos (dentro do seu perfil de investidor, claro). Se você quer aprender como dominar o custo de oportunidade e usá-lo na prática com seu dinheiro, siga a leitura do artigo até o fim!

O que é o custo de oportunidade e como ele é utilizado?

Investir é tomar decisões e o processo de escolher alguma coisa envolve custos. Por exemplo, para comprar um título do Tesouro Direto, você deve depositar determinado valor em dinheiro. Um dos custos envolvidos em uma decisão é o de oportunidade. Podemos defini-lo como “aquilo que poderia ser ganho em um uso alternativo otimizado”. Em outras palavras, o custo de oportunidade para investidores é aquele que mede o quanto poderíamos ter ganho caso tivéssemos direcionado o mesmo dinheiro em outra opção de aplicação. Dominar esse conceito é importante, pois permite que o investidor otimize sua carteira de aplicações com base no seu perfil, sua aversão ao risco e a meta financeira pessoal que ele pretende alcançar. Vejamos um exemplo que deixa mais fácil entender o que ele realmente é. Suponha que você tem em mãos R$10.000,00 para investir em qualquer coisa e escolheu aplicar em um CDB a 108% do CDI. Usando nossa ferramenta de Comparador de Investimentos, podemos comparar o rendimento das diferentes opções no passado, de modo a entender qual foi o custo de oportunidade naquela época, para projetar nossa decisão de futuro. Por exemplo, se compararmos o rendimento do CDB com o Índice Ibovespa (indicador do desempenho médio das ações na B3) de 19 de novembro de 2018 até 18 de novembro de 2019, percebemos que a primeira opção teve rendimento de 6,65% enquanto a segunda rendeu 20,44%. Nesse caso, o custo de oportunidade de ter escolhido investir no CDB teria sido de 13,79%. Dessa forma, olhando o cenário econômico atual, podemos decidir onde queremos aplicar nosso dinheiro.

Custo de oportunidade x trade off

Uma das principais dicas de investimentos que podemos receber é entender qual a diferença entre custo de oportunidade e trade off, outro conceito bem comum usado em economia. Enquanto o custo de oportunidade diz respeito ao “gasto” que temos ao não escolher a melhor opção disponível para o nosso dinheiro, o trade off acontece quando você escolhe uma opção que gera invariavelmente um custo em outra. Um exemplo clássico de trade off é a relação entre consumo presente e consumo futuro. Imagine que você tenha R$ 300.000,00 agora. Pode investir em comprar um apartamento hoje ou colocá-lo em um investimento a 5% ao ano e, depois de 7 anos, teria R$422.130,10 e poderia comprar um imóvel melhor. Nesse caso, só dá para escolher um: ou se consome os R$300.000,00 agora ou espera ter mais para consumir no futuro.

Quais são os tipos?

Existem diferentes tipos de custos de oportunidade. Os 4 principais que você deve conhecer são estes:
  • custo de oportunidade escondido: trata-se de um custo que não é possível saber no momento da decisão. Por exemplo, um investimento futuro em Renda Variável é impossível de prever. Por causa disso, não dá para calcular o custo de oportunidade;
  • custo de oportunidade aberto: é o contrário do tipo anterior. Nesse caso, dá para saber exatamente qual é o custo. Um exemplo é a comparação entre duas aplicações em Renda Fixa;
  • custo de oportunidade ambiental: trata-se da comparação entre diferentes meios de exploração de um recurso natural. Ele é essencial para quem investe em fundos socioambientais;
  • custo de oportunidade contábil: tem a ver com a relação de lucro x investimentos de uma empresa. Ele mede quanto uma companhia deixou de ter de lucro ao usar os seus rendimentos para investir em novas máquinas, tecnologias e outros recursos.

Qual a importância de realizar o cálculo deste custo?

Realizar o cálculo do custo de oportunidade é essencial caso você queira se tornar um investidor de sucesso. Isso porque permitirá que você otimize a alocação dos seus ativos com base em seu perfil e objetivos. É importante ter em mente que, em relação ao custo de oportunidade, não há uma decisão certa ou errada. Tudo depende do seu perfil de investidor, dos riscos que quer tomar e do que está confortável fazendo. No nosso exemplo anterior, o rendimento do Ibovespa foi superior ao do CDB. Isso não significa que o “certo” é investir em ações, caso você não esteja confortável com o risco. No entanto, há esse “custo” de ter perdido a oportunidade de ganhar mais. É uma questão de equilibrar o que vale a pena para você.

Como calcular o custo de oportunidade?

Em muitos casos, ele pode ser relativamente subjetivo. No entanto, em relação a aplicações, existe uma maneira segura de calculá-lo: compará-lo com a taxa Selic e o CDI. A Selic, como você já sabe, é a taxa básica de juros da economia. Em outros termos, é como se fosse o “mínimo” que você pudesse ganhar ao aplicar seu dinheiro fora da Poupança. O CDI, por sua vez, é atrelado à Selic e tem valor muito próximo. Usando esses indicadores como base, podemos calcular o custo de oportunidade de qualquer aplicação. Para fixar melhor a ideia, usaremos o CDI para encontrar o custo de ter investido no Ibovespa. Suponha que, no dia 20 de novembro de 2004, você tivesse R$5.000,00 para investir e decidisse aplicar no Ibovespa. No dia 20 de novembro de 2019, segundo o comparador, o rendimento do índice foi de 98,24%. Seus R$5.000,00 teriam se transformado em R$9.912,00. Já o CDI teve valorização de 61,17% no período. Os R$5.000,00 teriam se tornado R$8.058,50. Isso mostra que a aplicação em Ibovespa foi bem-sucedida, rendendo acima do custo de oportunidade básico do Brasil. No entanto, se você tivesse aplicado em um CDB corrigido ao IPCA, por exemplo, teria “perdido” dinheiro para o custo de oportunidade. Isso porque o IPCA rendeu menos que o CDI no período (30,44%). Quanta coisa vimos hoje, não é mesmo? Tudo isso pode parecer difícil, mas se torna bem simples assim que você domina o assunto. Agora, por exemplo, você já sabe como calcular o custo de oportunidade das suas aplicações sem problemas. Se você gostou do conteúdo, compartilhe-o em suas redes sociais e marque os amigos que também se interessam pelo assunto!
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content