Menu
Busca domingo, 25 de julho de 2021
Warren SpaceNow
Warren SpaceNow Mobile
trocar dinheiro

Câmbio: confira as melhores formas de trocar dinheiro para sua viagem

01 novembro 2019 - 16h40Por Renan Sousa
Warren 970x250 3

Existem diversas formas de levar dinheiro quando se viaja para o exterior. Mas vários fatores podem influenciar na hora de trocar dinheiro e escolher entre dinheiro em espécie, cartão de crédito, débito em conta nacional e outros. Comparado à libra, ao dólar ou ao euro, o real é uma moeda pouco valorizada. Por isso, é importante acompanhar as variações de preço e saber a melhor hora de comprar. Uma dica importante é comprar a moeda aos poucos, obtendo sempre um valor médio - nem o melhor e nem o pior - da cotação. Na SpaceDica de hoje, você vai ver algumas maneiras de levar dinheiro para fora do país, bem como suas vantagens e desvantagens.

Sacar dinheiro 

A forma mais tradicional é trocar dinheiro e trocando o real pela moeda desejada em uma casa de câmbio. O dinheiro em espécie te livra do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 1,1%, que é a tarifa paga quando se converte o real para a moeda de outro país. Além disso, no momento de trocar o dinheiro em uma casa de câmbio, dependendo da quantia, é possível barganhar o preço. No momento da compra de uma moeda estrangeira menos valorizada que o real, é possível negociar o preço para que cada o nosso dinheiro compre mais da moeda pelo mesmo preço. O peso mexicano, por exemplo, vale R$ 0,22. É possível negociar esse valor em uma casa de câmbio para comprar a moeda por R$ 0,20. Assim, com a mesma quantidade de reais, é obtida uma maior quantidade de pesos. Mas existem dois principais problemas em levar dinheiro em espécie. O primeiro é o baixo limite com o qual é possível transitar internacionalmente sem pagar taxas adicionais, que é de R$ 10 mil. Mas é possível declarar a necessidade de carregar mais dinheiro por meio de um formulário “Declaração de Bens de Viajante” (é possível encontra-lo online ou em postos do governo) sem pagar a mais por isso. O segundo motivo é o transporte e a segurança. Carregar muitas notas pode ser inconveniente para uma viagem e há o risco de roubo e perda. Uma dica é dividir o dinheiro em vários compartimentos em malas e mochilas e sempre carregar um cadeado para o caso de o hotel ter um cofre.

Fazer uma conta na Transferwise, em um banco internacional ou pedir um cartão multi moeda?

É possível fazer uma conta em um banco internacional para fazer uma viagem. Essa opção é mais adequada para quem vai passar períodos mais longos fora do país, como semanas ou meses. Na zona do euro, por exemplo, atua o banco N16, e nos Estados Unidos, existe a opção de usar o BB. Esses bancos, em geral, têm cartões com bandeiras multi moeda, que permitem ter até seis moedas em um único cartão. Existe a opção de fazer transferência pela Transferwise, que utiliza o câmbio comercial e não de turismo, o que reduz a taxa de 1,1% para 0,38%. em vez de enviar o dinheiro de um país para o outro, a empresa tem conta com dinheiro em vários países e, quando alguém faz uma transferência para uma conta TW no Brasil, uma notificação chega até a agência do país desejado e libera essa quantia. A dificuldade que pode acontecer é por parte da burocracia dos bancos para abrir contas internacionais, que pode levar algum tempo. Os serviços da Transferwise ou cartões multi moeda ainda não estão habilitados em todos os países do mundo e nem em todas as moedas. Nesse caso, é preciso primeiro transferir para uma conta em dólar ou euro para depois sacar na moeda local, assumindo prejuízo no câmbio.

Cartão de crédito

Com essa opção, existe uma maior liberdade para gastar o dinheiro e os pagamentos podem ser pagos no futuro. Algumas empresas de cartões de crédito têm programas de milhas, o que é interessante para quem faz várias viagens. Apesar disso, essa maneira de fazer compras no exterior é a mais perigosa para quem não costuma ter um controle muito rígido das contas. O cartão de crédito é uma dívida, e a taxa de juros rotativos está em 298,6% ao ano. Além disso, o pagamento da fatura ocorre com a conversão da moeda no dia do pagamento, o que pode ser um problema para moedas mais voláteis e a taxa do IOF de 6,38% .

Cartão de débito      

O cartão de débito tem a vantagem de ser mais descomplicado para o viajante. O valor das compras do dia a dia são descontados diretamente na conta e é possível acompanhar os gastos por meio do aplicativo do banco. Diferentemente do cartão de crédito, o débito é feito com a cotação da moeda no dia da compra, e não na data de vencimento da fatura. O pagamento no débito costuma ter um limite baixo para gastos diários. Em uma viagem que se pretende comprar itens mais caras, como eletrônicos, é importante entrar em contato com o banco para aumentar este limite e não ter problemas de o cartão ser bloqueado durante a viagem. Os bancos, em geral, têm parceiros que permitem ao viajante sacar dinheiro no exterior. A instituição responsável pelo caixa cobra uma tarifa (variável), o banco cobra uma taxa (existe a opção de se cobrar em moeda local ou real) e uma cotação do câmbio de turismo daquele dia e o IOF de 6,38%. Existe o risco de o banco não possuir parceiros onde o viajante está, o que impossibilita o saque.

Vale mais a pena comprar a moeda no Brasil ou em outro país?

Se vale mais a trocar dinheiro no país de origem ou de viagem depende principalmente da quantidade de dinheiro e do número de saques que é preciso fazer. Alguns bancos possuem pacotes de básicos de saques, que permitem uma quantidade de saques por mês isentos de taxa no caixa do banco. Nos bancos 24h, é cobrada uma taxa que varia de acordo com o seu pacote, mas a taxa básica é de R$ 6,49 para saques na conta corrente após quatro saques gratuitos e de R$ 3,99 para saques na conta poupança após dois saques gratuitos. No exterior, como já foi comentado, são cobradas as taxas de administração dos caixas, taxa dos bancos, cotação do câmbio de turismo e IOF.

Às vezes é melhor carregar dólar que a moeda local

Dólar vale mais a pena em alguns destinos, principalmente países de economias mais enfraquecidas e emergentes, em que a moeda americana é utilizada como padrão, trocar dinheiro nesses países aumenta o poder de compra. Uma fórmula que funciona é: em países de economias mais sólidas, o ideal é fazer a troca com a moeda brasileira em solo brasileiro. Assim, o câmbio só ocorre uma vez, a perda do poder de compra é amortecido. É melhor fazer a troca do real pelo dólar em solo estrangeiro. Um exemplo próximo ao Brasil é o Paraguai. Vale mais a pena fazer uma compra em dólar do que em real, tendo em vista que não são cobrados impostos cambiais e o guarani (moeda paraguaia) é desvalorizado frente ao dólar e ao real.

Warren 970x250 - pgs internas
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app:
Warren Rodapé
Warren Rodapé Mobile