terça, 30 de novembro de 2021
Ibovespa

Com tombo do petróleo, Ibovespa cai mais de 1%; dólar amplia alta e vai a R$ 5,28

20 abril 2020 - 11h05Por Redação SpaceMoney

O Ibovespa, principal índice acionário da B3, a bolsa brasileira, operava com queda durante o pregão desta segunda-feira (20), com a aversão ao risco no exterior e as tensões políticas renovadas no cenário interno. Por volta das 11h, as perdas eram de 1,73%, aos 77.624,76 pontos. O dólar comercial começou o dia de negociações com alta. A moeda norte-americana tinha valorização de 0,99%, cotada a R$ 5,288. Veja os principais fatores que influenciam o mercado financeiro na sessão de hoje:

Mercados internacionais

No Japão, o Nikkei 225 fechou com baixa de 1,15%, enquanto o Shangai Composite subiu 0,51%. Na Europa, DAX 30 caía 0,59%, enquanto FTSE 100 tinha leve alta, de 0,09%. CAC 40 perdia de 0,31%. Nos Estados Unidos, Dow Jones recuava 1,63%, S&P 500 tinha desvalorização de 1,16% e Nasdaq caía 0,68%.

Petróleo

O petróleo WTI, negociado nos EUA, chegou a cair mais de 25%, na mínima para 21 anos, abaixo de US$ 15,00/barril. Além dos receios acerca da queda na demanda, com a pandemia de coronavírus, a commodity sofre com os investidores migrando dos contratos de curto prazo e dúvidas em relação à capacidade de armazenamento do óleo.

Coronavírus

Os casos do covid-19 no mundo passam de 2,4 milhões, com mais de 160 mil mortes. No Brasil, são quase 40 mil ocorrências e o número de óbitos beira 2500. Nos Estados Unidos, o processo de reabertura da economia começa hoje com o estado do Texas, com parques e praças de volta a normalidade — mas com frequentadores com máscaras. O presidente Donald Trump já havia começado, na semana passada, a traçar um plano de retomada com os governadores. Na Europa, a Alemanha também começa a pensar na volta da quarentena. Lojas menores podem voltar a funcionar a partir de hoje e montadoras também retomam parte da produção. No entanto, a primeira-ministra Angela Merkel defendeu a cautela durante a reabertura.

Em Brasília

No Distrito Federal, as tensões se renovaram com a participação do presidente Jair Bolsonaro num ato que pedia um novo AI-5 (medida de 1968 que endureceu a ditadura), além de uma intervenção militar. Em resposta, 20 governadores assinaram uma carta em defesa da democracia, e o episódio foi repudiado também por políticos e ministros do STF.now
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content