Menu
Busca quarta, 22 de setembro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile

Ouro spot atinge máxima de 7 anos por desânimo com economia dos EUA

15 maio 2020 - 17h27Por Investing.com

Por Barani Krishnan

Investing.com - O fluxo de dados deprimentes dos EUA não está diminuindo. Nem o desejo reforçado dos investidores de se proteger contra isso com ouro.

O metal amarelo atingiu a marca-chave de US$ 1.750 por onça na sexta-feira (15), enviando os preços do ouro spot a máximas de 7,5 anos e os futuros do ouro dos EUA a um pico de um mês após dados mais sombrios sobre as vendas no varejo e a produção industrial dos EUA.

"O ouro continua a subir à medida que são alcançados marcos sombrios com os dados econômicos dos EUA", disse Ed Moya, analista da plataforma de comércio on-line OANDA, sediada em Nova York.

"Os dados dos EUA do mês de abril foram desastrosos, aumentando o medo de danos permanentes à economia. Juntamente com as crescentes tensões entre os EUA e a China, (estes) devem continuar a apoiar os preços mais altos do ouro. ”

O ouro à vista, que acompanha as negociações em tempo real em barras de ouro, subia US$ 13,40, ou 0,8%, para US$ 1.743,86 às 16h45 (horário de Brasília). Anteriormente, o índice subiu para US$ 1.751,54, máxima desde dezembro de 2012.

Os contratos futuros de ouro nos EUA para junho subiam US$ 12,80, ou 0,7%, a US$ 1.753,70. Nas máximas da sessão, alcançou US$ 1.760,55, marcando um pico desde 14 de abril.

Os dados divulgados na sexta-feira mostraram que as vendas no varejo dos EUA caíram 16,4% e a produção industrial caiu 11,4% em abril, o pior desempenho mensal de todos os tempos, já que a pandemia de covid-19 prejudicou a economia dos EUA.

A economia dos EUA encolheu 4,8% nos primeiros três meses de 2020, maior declínio econômico desde a Grande Recessão de 2007 a 2009. Embora quase todos os 50 estados americanos tenham reaberto suas economias de uma maneira ou de outra nas últimas duas semanas, economistas alertam para uma forte recessão no segundo trimestre, o que significa dados mais sombrios por vir.

O consultor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, disse na sexta-feira que a economia dos EUA ainda estava em queda livre, apesar da maioria dos estados do país ter reaberto dos bloqueios impostos pela covid-19.

"Ainda não viramos a esquina com reivindicações de desemprego", disse Kudlow em entrevista à Fox Business. “Eu estava analisando as reivindicações contínuas e elas parecem um pouco mais baixas do que as pessoas possam imaginar. Mas eles estão em uma tendência de baixa bastante estável nas últimas seis ou sete semanas e ainda são números ruins e ainda são números de desgosto, números de dificuldades.”

"A contração da pandemia e o segundo trimestre serão muito difíceis", acrescentou, referindo-se aos 36 milhões de empregos perdidos nos últimos dois meses.

O ouro também foi impulsionado pela piora nas relações EUA-China.

Em entrevista à Fox Business transmitida na quinta-feira, o presidente Donald Trump disse que estava muito desapontado com o fracasso da China em conter a doença e que a pandemia havia deixado de lado o seu acordo comercial de janeiro com Pequim, que ele antes considerava um importante realização.

Trump, que busca a reeleição em novembro e foi duramente criticado por como tem lidado com a pandemia, disse que não tem interesse em falar com seu colega chinês Xi Jinping para consertar laços, sugerindo que pode até romper relações com a segunda maior economia do mundo.

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: