Menu
Busca quinta, 28 de outubro de 2021
Pará

CMN fixa meta de inflação para 2022 em 3,5%, a menor do regime de metas

27 junho 2019 - 19h53Por Angelo Pavini
O Conselho Monetário Nacional (CMN) definiu hoje que a meta de inflação para 2022 será de 3,5%, de acordo com o IPCA do IBGE, com tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. A informação foi divulgada há pouco pelo Banco Central (BC), que tem a obrigação de fazer com que a inflação fique nesse percentual ou dentro do intervalo de tolerância, usando a taxa de juros básica Selic para controlar a expansão da economia e os preços. A nova meta é a menor da história do regime criado em 1999 e reafirma o compromisso do governo de aumentar a confiança na moeda e levar o país para um nível de inflação mais próximo dos países desenvolvidos, que costuma ficar em torno de 2% ao ano. Nos EUA, essa é a meta perseguida pelo Federal Reserve (Fed, banco central americano). De 2003 e até o ano passado, a meta brasileira era de 4,5% ao ano, sendo que até 2016 o intervalo de tolerância era maior, de 2 pontos percentuais para cima ou para baixo. Neste ano, a meta foi reduzida para 4,25% e, no ano que vem, passará para 4,00% e, em 2021, para 3,75% ao ano. Esses números mostram a necessidade também de ajuste nas contas públicas para manter o valor da moeda. E a preservação do valor do real é a melhor maneira de proteger o poder de compra e a capacidade de poupança dos mais pobres, que são os maiores prejudicados pela inflação pois não conseguem se proteger da alta dos preços.

Quer investir em ações? Abra uma conta na XP Investimentos: online, rápido e grátis.

O compromisso do governo de avançar no controle da inflação reforça também a expectativa de que no futuro os juros nominais da economia poderão ser menores, ajudando a melhorar as condições de financiamento de longo prazo e o acesso ao crédito de empresas e consumidores. Com a confiança de que o BC vai perseguir metas cada vez menores, os investidores pedirão prêmios menores também para emprestar por prazos mais longos. A confiança no trabalho do BC em cumprir as metas também têm o benefício de aumentar a eficiência dos juros no controle da inflação. Assim, a taxa de juros que o BC precisa usar para controlar desajustes de preços acaba sendo cada vez menor. Ter uma inflação compatível com a de países desenvolvidos é condição também para a meta do BC, de tornar a moeda brasileira conversível, permitindo a abertura de contas em moeda estrangeira no país e permitindo o livre fluxo de capitais entre o Brasil e outras economias. A seguir, a íntegra do comunicado do BC: “O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o Conselho Monetário Nacional, em sessão realizada em 27 de junho de 2019, tendo em vista o disposto no § 2º do art. 1º do Decreto nº 3.088, de 21 de junho de 1999. R E S O L V E U: Art. 1º É fixada, para o ano de 2022, a meta para a inflação de 3,50% (três inteiros e cinquenta centésimos por cento), com intervalo de tolerância de menos 1,50 p.p. (um e meio ponto percentual) e de mais 1,50 p.p. (um e meio ponto percentual). Art. 2º O Banco Central do Brasil efetivará as necessárias modificações em seus regulamentos e normas, visando à execução do contido nesta Resolução. Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. O post CMN fixa meta de inflação para 2022 em 3,5%, a menor do regime de metas; por que isso é bom para você? apareceu primeiro em Arena do Pavini.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: