sexta, 03 de dezembro de 2021
China

China com PIB a 6,2% e preocupação global entre as 5 notícias de hoje

15 julho 2019 - 09h20Por Investing.com
Confira as cinco principais notícias desta segunda-feira, 15 de julho, sobre os mercados financeiros: 1. China mostra crescimento fraco, mas sinais de estabilização Embora a economia chinesa tenha registrado seu crescimento mais lento em 27 anos, fortes leituras da produção industrial, das vendas no varejo e das despesas de capital deram origem a esperanças de que a segunda maior economia do mundo pode estar se estabilizando, apesar do atual conflito comercial com os EUA. O crescimento de 6,2% no segundo trimestre foi o mais lento desde o primeiro trimestre de 1992, mas não foi pior do que o esperado. Em dados econômicos otimistas, a produção industrial da China saltou 6,3% em junho, uma recuperação sólida em relação à queda recorde de 17 anos do mês anterior, as vendas no varejo cresceram no ritmo mais rápido desde março de 2018 e o investimento em ativos fixos também subiu mais que o previsto. Apesar dos dados positivos, a última pesquisa da IHS Markit mostrou que o otimismo entre as empresas chinesas atingiu a maior baixa de todos os tempos, enquanto a leitura de sua pesquisa Global Business Outlook atingiu seu nível mais baixo desde a crise financeira global. Em um calendário econômico leve, o índice Empire State da Atividade industrial para julho será divulgado às 9h30. 2. Citigroup pronto para iniciar balanços O Citigroup (NYSE:C) marcará o início não oficial da temporada de lucros do segundo trimestre, quando divulgar seu balanço no decorrer da manhã. Haverá uma onda de relatórios bancários nesta semana com o JPMorgan (NYSE:JPM), Wells Fargo (NYSE:WFC) e Goldman Sachs (NYSE:GS) na terça-feira, seguido pelo Bank of America (NYSE:BAC) na quarta-feira e o Morgan Stanley(NYSE:MS) na quinta-feira. As ações do setor financeiro em geral registraram ganhos sólidos neste ano, apesar das preocupações de que possíveis cortes nas taxas de juros do Federal Reserve possam afetar as margens dos bancos. "Depois de atingir 27.000 pontos, a temporada de resultados pode ser o catalisador para a próxima grande movimentação no Dow", disse Jesse Cohen, analista financeiro sênior do Investing.com. 3. Ações globais mistas com crescimento e ganhos em foco As ações globais não mostraram uma direção clara nesta segunda-feira, já que as preocupações com o crescimento continuaram a manter os investidores no limite. As ações asiáticas fecharam em alta com os sinais positivos entre os dados chineses divulgados na sexta-feira e espera que a desaceleração no crescimento econômico possa estimular Pequim a fornecer estímulos adicionais. As bolsas europeias começaram a ser negociadas em alta nesta segunda-feira, mas mudaram de direção no meio da manhã após o Ministério da Economia da Alemanha ter alertado em seu relatório mensal que a atividade industrial está reprimida em parte devido à fraca demanda global e que conflitos comerciais, tensão geopolítica e a saída pendente do Reino Unido da União Europeia foram os principais riscos negativos. Mercado futuro dos EUA apontaram ganhos anteriores após o relatório econômico alemão e estão preparados para uma abertura estável. Os futuros do Dow ganhavam 52,5 pontos, ou 0,19%, às 8h13, os futuros do S&P 500 subiam 4,88 pontos, ou 0,16%, enquanto o índice futuro de tecnologia Nasdaq 100 avançava 11,5 pontos, ou 0,14%. 4. American Airlines amplia os cancelamentos do Boeing 737 MAX pela quarta vez A American Airlines Group (NASDAQ:AAL) anunciou no domingo que vai estender o cancelamento de vôos diários até o início de novembro devido à proibição de voo dos jatos 737 jatos MAX da Boeing (NYSE:BA) . O anúncio veio depois que uma reportagem do The Wall Street Journal (WSJ), no sábado, sugeriu que o banimento poderia continuar no próximo ano. A frota do MAX não deverá retornar ao serviço até janeiro de 2020, de acordo com alguns oficiais da Administração Federal de Aviação e líderes de sindicatos-pilotos citados pelo WSJ. 5. Gilead cai US$ 5,1 bilhões em parceria ampliada A Gilead Sciences (NASDAQ:GILD) disse no domingo que investirá US$ 5,1 bilhões para aumentar sua participação na empresa de biotecnologia belga-holandesa Galápagos (NASDAQ:GLPG), como parte de uma parceria para desenvolver e comercializar seus tratamentos por um período de dez anos. O investimento na Galápagos incluirá um pagamento inicial de US$ 3,95 bilhões e um investimento de capital de US$ 1,1 bilhão da Gilead, fortalecendo ainda mais seu relacionamento depois que os dois se uniram há quase quatro anos para desenvolver drogas que visam doenças inflamatórias. A farmacêutica americana pagará € 140,59 (US$ 158,49) por nova ação da Galápagos para aumentar sua participação de 12,3% para 22%.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content