Menu
Busca quinta, 21 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Economia global

CHARGE: Bancos Centrais mergulham enquanto a economia global afunda

11 novembro 2020 - 18h02Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - Os bancos centrais mundiais estão intensificando seus esforços para apoiar a economia mundial, já que o início do inverno no Hemisfério Norte desencadeia um aumento nos casos de Covid-19 da Rússia à Europa e aos EUA.

Nas últimas semanas, o Banco Central Europeu praticamente se comprometeu a um grande afrouxamento de sua política monetária, o Federal Reserve alertou repetidamente sobre a crescente ameaça à economia dos EUA decorrente da disseminação da doença, e os bancos centrais do Reino Unido e da Austrália já deram o mergulho: o Banco da Inglaterra aumentou seu programa de compra de ativos em 150 bilhões de libras, 50 bilhões a mais do que o esperado, enquanto o Banco da Reserva da Austrália anunciou seu primeiro programa de flexibilização quantitativa e cortou sua taxa básica para um novo recorde mínimo de 0,1%.

Os movimentos são uma resposta a uma dramática perda de ímpeto na economia europeia em particular, à medida que as taxas de infecção disparam e os governos se apressam em reprimir o contato desnecessário na vida social e empresarial. Economistas do banco holandês ABN AMRO (AS:ABNd) esperam que o PIB da zona do euro contraia 3,8% no quarto trimestre como resultado. O impacto no PIB do Reino Unido já é claro nas perdas recordes de empregos em outubro e no colapso do investimento empresarial, conforme medido pelo Banco da Inglaterra. A Pantheon Macroeconomics espera que o Reino Unido estagnará, na melhor das hipóteses, no trimestre atual.

Se os EUA parecem estar se arrastando, em comparação com seus homólogos europeus, é em grande parte por duas razões: em primeiro lugar, os dados de alta frequência da economia dos EUA têm se mantido um pouco melhor, especialmente em áreas como o mercado de trabalho, vendas no varejo e mercado imobiliário. A economia dos EUA criou saudáveis ​​638.000 empregos em outubro, de acordo com dados divulgados sexta-feira. Na terça-feira, a Federação Nacional de Empresas Independentes disse que o otimismo das pequenas empresas voltou ao seu nível mais alto em outubro desde o início da pandemia.

Em segundo lugar, a última reunião de política do Fed foi realizada apenas um dia após a eleição presidencial duramente contestada, e qualquer ação do banco central teria sido inevitavelmente vista como um comentário sobre o processo político, algo que ele gostaria de evitar a todo custo.

No entanto, o Fed está claramente preocupado com a forma como a Covid-19 voltou à vida em um cenário de resistência popular às medidas restritivas de saúde pública.

“Se a pandemia persistir por mais tempo do que o previsto - especialmente se houver longos atrasos na produção ou distribuição de uma vacina bem-sucedida - a pressão negativa sobre a economia dos EUA pode inviabilizar a recuperação nascente e prejudicar os mercados financeiros”, disse o banco central em seu Relatório de Estabilidade Financeira semestral, divulgado na segunda-feira.

“Dado o nível geralmente alto de alavancagem no setor empresarial não financeiro, lucros fracos e prolongados podem desencadear estresse financeiro e inadimplência.”

O presidente do Fed, Jerome Powell, pediu repetidamente que o governo assuma a liderança no apoio à economia com medidas fiscais. No entanto, as eleições parecem ter confirmado a divisão no Congresso que impediu um pacote de medidas fiscais acordado antes da semana passada. Se isso continuar a impedir que um grande pacote de suporte seja elaborado, o Fed também pode sentir que não tem escolha a não ser mergulhar.

Veja os fatores que influenciam os mercados hoje

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: