Menu
Busca quarta, 20 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Bancos Centrais Mundiais

CHARGE: Bancos Centrais estão inflando a maior bolha em ativos alternativos

18 novembro 2020 - 18h44Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - Os Bancos Centrais Mundiais flexibilizaram drasticamente a política monetária neste ano para apoiar a economia mundial durante a pandemia. As autoridades monetárias argumentam, e muitos concordam, que salvaram milhões de empregos e uma quantidade incalculável de capital ao fazer isso.

Os efeitos colaterais dessa política - na formação de bolhas de preços de ativos - estão se tornando cada vez mais claros.

No universo dos principais investimentos, foi o ouro que pegou a maior parte das manchetes durante a primeira parte da pandemia, com seu recorde de até US$ 2.089,20 a onça troy. Em um mundo onde as ações estavam entrando em colapso e os preços do petróleo caíram abaixo de zero, a alta de 32% do ouro desde o início do ano parecia valer os superlativos.

No entanto, essa recuperação agora está sendo enfaticamente posta de lado por um "ativo alternativo" diferente: Bitcoin.

Por meio século, o ouro tem sido o refúgio que particularmente os investidores de varejo procuraram nos momentos em que temiam a desvalorização da moeda pelos governos e bancos centrais mundiais.

Foi assim quando o dólar entrou em colapso junto com todo o sistema de Bretton Woods no início dos anos 1970, quando a desvalorização das moedas fiduciárias era evidente nas taxas de inflação crescentes. Mas também foi verdade nos anos após a crise financeira de 2008, quando os preços ao consumidor estavam estagnados ou flertavam com a deflação, e a única inflação à vista era o preço de ativos financeiros, como ações e títulos.

Em ambos os períodos, os balanços dos bancos centrais se expandiram rapidamente e este parece ser o fator comum novamente. Desde o final de 2019, o balanço do Federal Reserve aumentou em US$ 3 trilhões, para US$ 7,17 trilhões, enquanto o do Banco Central Europeu (BCE) cresceu quase o mesmo, de 4,67 trilhões de euros para 6,98 trilhões.

Com a economia mundial desacelerando novamente, a presidente do BCE, Christine Lagarde, quase prometeu uma nova expansão da criação de dinheiro na reunião do conselho do BCE em 10 de dezembro. Enquanto isso, espera-se que o Fed expanda suas compras de ativos em sua reunião de política em 16 de dezembro.

Mas o ouro não respondeu positivamente às expectativas do mercado. Caiu quase 9% em relação ao pico de agosto.

O Bitcoin, por outro lado, está crescendo cada vez mais. O aumento no acumulado do ano é de 130% e seus ganhos aceleraram drasticamente apenas no último mês. Por que, então? Com o Bitcoin, um ativo cuja oferta é controlada de forma ainda mais rígida que o ouro, a explicação está sempre na expansão da demanda. Isso se beneficiou de dois exemplos claros da tendência de longo prazo que é o cerne da defesa do Bitcoin: a ampliação da aceitação pública.

Por um lado, a decisão do PayPal (NASDAQ:PYPL) (SA:PYPL34) de administrar carteiras denominadas em Bitcoin é um salto quântico em direção ao mainstream financeiro da moeda digital. Milhões de pessoas que não confiariam em uma troca de Bitcoins mal regulamentada em alguma parte remota do mundo para assumir a custódia de seu dinheiro estão perfeitamente dispostas a confiar no PayPal - uma marca muito mais estabelecida - para fazer isso.

Em segundo lugar, agora existe um veículo de investimento regulamentado através do qual é possível ganhar exposição ao Bitcoin. Os influxos para o Grayscale’s Bitcoin Trust permitiram que ele acumulasse mais de 500.000 Bitcoin, valendo mais de US$ 9,2 bilhões aos preços de quarta-feira. O Bitcoin voltou a ser negociado a acima de US$ 18.000 e parece capaz de abater o nível de US$ 20.000, de acordo com muitos analistas.

No Brasil, o preço do bitcoin busca romper os R$ 100 mil, com máxima histórica em R$ 98.100 atingida na quarta-feira. Vale ressaltar que o bitcoin na moeda brasileiro é influenciado pela variação do dólar.

Veja os fatores que influenciam os mercados hoje

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: