segunda, 29 de novembro de 2021
cemig

Cemig mantém plano de desinvestimentos; ações subiram tiveram alta

18 agosto 2020 - 17h45Por Investing.com

Por Gabriel Codas, da Investing.com - A estatal mineira de energia Cemig (SA:CMIG4) pretende continuar com um plano de venda de ativos originalmente desenhado para reduzir dívidas, mas o nível de endividamento atual já é muito mais confortável que no passado recente, disseram executivos da companhia na segunda-feira.

Ao final do pregão desta terça-feira, as ações da Cemig tinham ganhos de 1,65% a R$ 10,45, um pouco abaixo da alta do Ibovespa hoje. O principal índice acionário brasileiro avançou 2,46% a 102.065 pontos.

As afirmações, durante teleconferência de divulgação de resultados com investidores, vieram após questionamentos de um analista sobre o ritmo dos desinvestimentos, dado que a empresa não anunciou operações nos últimos trimestres.

O presidente da Cemig, Reynaldo Passanezi não detalhou, no entanto, quais ativos estão atualmente em negociação ou podem ser alvo de transações no curto prazo.

Light

A Cemig classificou sua participação na elétrica Light (SA:LIGT3), na qual já foi controladora, como ativo mantido para venda, o que levou gerou impacto negativo no primeiro trimestre, em meio à deterioração no valor das ações da empresa depois da pandemia de coronavírus e seus efeitos no mercado de energia.

Até o final de junho, no entanto, os papéis da Light acumulavam ganhos de mais de 100% em relação à mínima do ano, de 7,30 reais por ação em meados de março.

A recuperação ajudou nos resultados da Cemig do segundo trimestre, com efeito positivo de 475 milhões de reais, ou 314 milhões sem impostos.

O superintendente de Relações com Investidores, Antonio Carlos Velez, destacou ainda a significativa redução da alavancagem financeira da empresa, medida pela relação entre dívida líquida e geração de caixa ajustada (Ebitda).

Esse indicador de alavancagem fechou o segundo trimestre em 2 vezes, contra 2,28 vezes no primeiro trimestre e 2,7 vezes no fim de 2019. Em 2018, o índice era de 3,24 vezes.

A redução da dívida líquida foi ajudada pela forte posição de caixa da companhia, destacaram executivos —a empresa fechou junho com 3,7 bilhões de reais disponíveis, contra 1,28 bilhão ao final de 2019.

(Com contribuição de Reuters)

Tags: Cemig, cmig4
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content