terça, 07 de dezembro de 2021
eventos

Calendário Econômico - principais eventos desta semana

18 novembro 2019 - 10h48Por Investing.com
Investing.com - O Federal Reserve publicará a ata de sua reunião de outubro e vários diretores do Fed deverão falar no que será a última semana nos mercados dos EUA antes do próximo feriado de Ação de Graças. As negociações comerciais sino-americanas continuarão sendo um importante fator e os dados globais do PMI serão acompanhados de perto para analistas avaliarem novos sinais das consequências da guerra comercial. Enquanto isso, uma explosão de balanços no varejo sinalizará o final da temporada de resultados no terceiro trimestre. 1. Bancos centrais em foco Na quarta-feira, o Fed publicará a ata de sua reunião de outubro, quando indicou que seus planos de flexibilização estavam suspensos após três cortes consecutivos nas taxas. O banco central dos EUA descreveu os cortes nas taxas como uma apólice de seguro contra o atrito causado pela desaceleração do crescimento global e pela incerteza geopolítica e comercial. A ata vem depois que o presidente do Fed, Jerome Powell, testemunhou perante os comitês do congresso na semana passada, reiterando que o Fed acabou com a flexibilização por enquanto. Enquanto isso, o presidente do Fed de Nova York, John Williams, a presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester, e o presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, devem discursar nesta semana, com investidores à procura de insights adicionais sobre políticas de investimento com incerteza comercial em curso. Na quinta-feira, o Banco Central Europeu publicará a ata de sua reunião mais recente, a última sob a liderança de Mario Draghi e a recém-empossada Presidente do BCE, Christine Lagarde, fará um discurso na sexta-feira. 2. Evolução do acordo comercial As ações subiram na sexta-feira, com o Dow atingindo 28.000 pela primeira vez, depois que o assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, disse que a China e os EUA estavam chegando perto de um acordo sobre o fim de sua guerra comercial de 16 meses, que agitou os mercados financeiros e agiu como um empecilho ao crescimento global. A mídia estatal chinesa Xinhua informou no domingo que os dois lados tiveram "negociações construtivas" sobre as negociações em um telefonema de alto nível no sábado, mas não deram mais detalhes sobre o momento de um possível acordo. Um acordo parecia provável em maio, mas essas perspectivas foram frustradas depois que os negociadores norte-americanos disseram que a China se afastou do texto de um projeto de acordo. As preocupações surgiram novamente na semana passada, em meio a relatos de que as negociações comerciais haviam atingido um obstáculo. 3. Dados econômicos Os investidores esperam receber os PMI do Japão da zona do euro e dos EUA na sexta-feira, números amplamente considerados como um indicador prospectivo da saúde econômica. Os PMIs de outubro apontaram para alguma estabilização, aumentando as expectativas de que a alta flexibilização do banco central havia ajudado a economia global a chegar ao fundo do poço. Na quinta-feira, os EUA devem divulgar os dados de vendas de imóveis existentes, juntamente com os números das pedido inciais e contínuos de seguros desemprego. As análises de estabilidade financeira do BCE e do Bundesbank também devem ocorrer esta semana. 4. Balanços do varejo Home Depot (NYSE:HD), Kohl's, Urban Outfitters (NASDAQ:URBN), Target (NYSE:TGT), Macy's e Gap estão entre as cadeias de lojas reportando esta semana quando a temporada de ganhos do terceiro trimestre acabar. Com base nos resultados de 458 S&P 500 empresas que reportaram, os lucros caíam 0,4% em relação ao terceiro trimestre de 2018, mostram os dados do Refinitiv. As grandes lojas, além do gigante online Amazon (NASDAQ:AMZN), são um indicador importante para saber se o consumidor americano - representando mais de 70% da economia - ainda está gastando, mesmo com as dificuldades de manufatura e produção. platôs de crescimento do emprego. É particularmente importante essa etapa de compras do tipo "tudo ou nada", do final do ano. A fraca orientação do trimestre de férias da Amazon (NASDAQ:AMZN) no mês passado alimentou preocupações de que a briga comercial esteja prejudicando o setor de varejo dos EUA. 5. Alibaba irá precificar as ações antes da listagem em Hong Kong O gigante chinês do comércio eletrônico Alibaba Group (NYSE:BABA) deve definir o preço da oferta para sua listagem secundária em Hong Kong na terça-feira, após o fechamento dos mercados dos EUA, que deve arrecadar até US$ 13,4 bilhões para financiar seus planos de expansão. Analistas dizem que estabelecer uma base fora dos EUA oferece às empresas listadas nos EUA opções, especialmente à luz da disputa comercial EUA-China. A venda de ações, que deve ser a maior de Hong Kong em mais de nove anos, será vista como um voto de confiança no centro financeiro global, mesmo com os protestos cada vez mais violentos. A Alibaba detém o recorde da maior oferta pública inicial do mundo, com sua lista de US$ 25 bilhões em Nova York em 2014. Enquanto isso, a Saudi Aramco no domingo estabeleceu uma faixa de preço para sua próxima listagem, avaliando o gigante do petróleo entre US$ 1,6 trilhão e US$ 1,7 trilhão, tornando-o potencialmente o maior IPO do mundo.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content