segunda, 06 de dezembro de 2021
banco do brasil

Banco do Brasil sobe após divulgação do balanço e investimentos em tecnologia

06 agosto 2020 - 13h52Por Investing.com

brasil/">Banco do Brasil
      

Por Leandro Manzoni, da Investing.com – As ações do Banco do Brasil (SA:BBAS3) tinham valorização no final da manhã na B3, com ganhos acima do Ibovespa hoje. A instituição divulgou hoje, antes da abertura do mercado, o balanço referente às operações do segundo trimestre do ano, com queda no lucro e abaixo da previsão. Além disso, o banco anunciou investimentos de R$ 2,3 bilhões em tecnologia nos próximos três anos.

Por volta das 13h50, os papéis do banco avançavam 2,49% a R$ 34,16. O Ibovespa subia 1,48% a 104.321 pontos.

Balanço

A companhia registrou lucro líquido ajustado de R$ 3,311 bilhões no período, queda de 25,3% na comparação com o mesmo intervalo de 2019. O resultado ficou abaixo da mediana do consenso do mercado de R$ 3,84 bilhões, de acordo com dados da Refinitiv.

O resultado reflete o aumento das provisões para empréstimos inadimplentes em meio à crise desencadeada pelo coronavírus e uma taxa de impostos mais alta. As provisões para perdas com empréstimos ficaram em R$ 5,907 bilhões, um aumento de 42,4% em relação ao ano anterior.

O índice de inadimplência de 90 dias caiu para 2,8% de 3,2%, uma vez que o banco deu aos clientes mais tempo para eles pagarem empréstimos como uma forma de ajudá-los a enfrentar as consequências da pandemia da economia.

Os impostos alcançaram R$ 967 milhões, alta de 69,4% em relação ao mesmo trimestre de 2019. A carteira de empréstimos do BB se manteve praticamente inalterada em relação ao trimestre anterior, ao contrário de seus maiores concorrentes listados, que mostraram expansão. As despesas operacionais aumentaram 2,6%, enquanto as receitas de tarifas caíram 6,4% em meio a medidas de isolamento social e à competição bancária mais acirrada.

A margem financeira aumentou 8,2% em relação ao ano anterior, para R$ 14,541 bilhões, com menores custos de captação.

Em fato relevante separado, o BB comunicou que seu conselho diretor aprovou o valor de R$ 1,257 bilhão em remuneração aos acionistas sob a forma de juros sobre o capital próprio (JCP) relativos ao primeiro semestre de 2020.

Modernização

O Banco do Brasil anunciou que vai investir mais R$ 2,3 bilhões em tecnologia nos próximos três anos. Em paralelo à divulgação de resultados do segundo trimestre, também confirmou o lançamento de um plano para aportar recursos em novatas da tecnologia, conforme antecipou na quarta-feira, 5, a Coluna do Broadcast.

O BB explica, em relatório, que a era digital aumentou a exigência do consumidor e, portanto, os investimentos em tecnologia e o foco na transformação digital se mostram fundamentais. O aporte adicional de R$ 2,3 bilhões para tecnologia e analytics, conforme o banco, visa a "oferecer aos clientes novas experiências com opções mais práticas, seguras e rápidas no mundo digital".

Nesta quinta, o banco também lança seu Programa de Investimento em Startups. Conforme antecipou na quarta a Coluna do Broadcast, o orçamento previsto é de R$ 200 milhões, com aporte inicial de R$ 100 milhões. De acordo com o BB, a iniciativa tem como objetivo não só melhorar a experiência dos clientes bem como mira ganhos em eficiência operacional.

Quer investir em ações? Fale agora com um consultor SpaceMoney

"O plano nasce em consonância com as melhores práticas de mercado e de governança, com aporte inicial de R$ 100 milhões", confirma o BB, em nota à imprensa.

A instituição explica que, além de potencializar parcerias, o programa de startups traz benefícios como intercâmbio cultural com as novatas, permite identificar e antecipar tendências e acelera o desenvolvimento de novas soluções.

O banco tem interesse em startups que tenham sinergia com o seu negócio como aquelas focadas nos setores financeiro, seguros e de agronegócios. Em troca, vislumbra parcerias com elas. A meta da instituição era ter uma série de investimentos ainda em 2020, mas a pandemia atropelou os planos.

Para viabilizar o investimento, o BB já teria selecionado fundos que compram participação em empresas iniciantes, conhecidos como venture capital, e gestores privados. Além disso, gastou um tempo com a definição e aprovação de regras duras de governança corporativa nos vários escalões do banco. Uma das premissas é a de que a instituição não terá controle de nenhum negócio investido.

(Com contribuição de Reuters e Estadão Conteúdo)

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content