Menu
Busca quarta, 22 de setembro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile

Banco do Brasil cai mais de 3% na véspera de divulgação de balanço do 1º trimestre

06 maio 2020 - 17h34Por Investing.com
Por Gabriel Codas Investing.com - As ações do Banco do Brasil (SA:BBAS3) operam com perdas maiores do que o Ibovespa na tarde desta quarta-feira. O banco estatal irá divulgar amanhã, antes da abertura do mercado, os resultados do primeiro trimestre. O mercado não espera números positivos para instituição, assim como dos outros bancos, uma vez que o setor enfrenta queda nas receitas de serviços e aumento de provisões para enfrentar um possível aumento da inadimplência com a crise provocada pelas medidas de combate ao coronavírus. Hoje as perdas foram de 2,91% a R$ 26,99, enquanto o Ibovespa registrou baixa de 0,51% a 79.063,68 pontos.

Estimativas

A mediana dos analistas de mercado para o maior banco público do país aponta para um lucro líquido por ação de R$ 1,59, sendo que um ano antes o resultado foi de R$ 1,48, em linha com o esperado. Já nos três últimos meses de 2019, o montante foi de R$ 1,65, acima dos R$ 1,64 esperados. Para as receitas, o consenso é de um total de R$ 22,17 bilhões no primeiro trimestre, contra R$ 19,59 bilhões de 12 meses atrás. Entre outubro e dezembro do ano passado, o faturamento da companhia foi de R$ 22,81 bilhões, menor do que os R$ 23,55 milhões de expectativa. A exemplo dos outros bancos, a XP Investimentos espera um trimestre inferior ao anterior em termos de lucro, mas ainda bom para o Banco do Brasil. A equipe acredita que a dinâmica de crédito, inadimplência e margem financeira devem vir positivas, impulsionadas por dois primeiros meses e meio sem crise; pela expansão da carteira de grandes empresas no início da crise, uma vez que o mercado de capitais está sem demanda; pelos ganhos de tesouraria por marcação a mercado de títulos pré-fixados que se beneficiam da queda de juros; e pela menor despesa de captação devido à queda na SELIC. Os analistas acreditam que, em se tratando de gastos, os dados devem vir em linha com o último trimestre, uma vez que a redução causada por menores provisões operacionais já apresentada deve ser compensada pelos gastos com o fundo de pensão. Por fim, acreditam que o grande destaque do trimestre será a expansão das provisões, que devem antecipar eventual aumento de inadimplência. O BTG Pactual (SA:BPAC11), que tem recomendação de neutra para o ativo, espera que o lucro trimestral seja de R$ 4,288 bilhões, abaixo do consenso de R$ 4,597 bilhões e praticamente em linha com os R$ 4,247 bilhões de um ano atrás.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: