Menu
Busca quarta, 27 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
magazine luiza balanço

Balanço: Magazine Luiza recua leve em dia de resultado do 2T20; veja previsões

17 agosto 2020 - 17h38Por Investing.com

Por Gabriel Codas, da Investing.com - A temporada de resultados do trimestre/">segundo trimestre do ano continua na tarde desta segunda-feira com a divulgação do balanço do Magazine Luiza (SA:MGLU3), depois do fechamento dos mercados. A estimativa é que a companhia registre prejuízo, sofrendo impacto causado pela pandemia da covid-19.

Ao final da sessão, os ativos do Magazine Luiza tiveram leves perdas de 0,13%, a R$ 81,65. Por sua vez, o Ibovespa recuou 1,73%, a 99.595 pontos.

Previsões

O consenso de mercado aponta para um prejuízo líquido da varejista de R$ 0,12, anteriormente, um ano antes, o resultado foi positivo em R$ 0,08, contra uma estimativa de R$ 0,07. Já nos três primeiros meses de 2020, o lucro foi de R$ 0,02, abaixo dos R$ 0,03 esperados.

Para as receitas, a mediana dos analistas aponta para um total de R$ 5,14 bilhões, um crescimento em relação aos R$ 4,12 bilhões do mesmo trimestre de 2020, mas abaixo dos R$ 5,23 bilhões registrados entre os meses de janeiro e março deste ano.

A XP Investimentos destaca que o setor de varejo tem sido um dos mais impactados pela crise desencadeada pelo coronavírus. A corretora espera resultados mistos para as empresas de cobertura, impactados principalmente pelo período de quarentena no segundo trimestre de 2020.

Empresas com sólida operação de e-commerce e/ou avançada estrutura multicanal, como o Magazine Luiza, devem ser os destaques positivos para o 2T20. Apesar de algumas delas ainda terem sido parcialmente impactadas pelo fechamento das lojas físicas, a equipe espera apresente uma aceleração de vendas online.

Pensando em investir em ações? Converse agora com um especialista SpaceMoney

Varejo físico

Assim, os analistas esperam que Magalu tenha a operação de varejo físico negativamente impactada pelo fechamento temporário das lojas, mas com o e-commerce acelerando de maneira relevante.

No varejo físico, eles estimam uma queda de vendas no conceito mesmas lojas de -61% A/A (vs. 0,3% no 2T19 e -4,5% no 1T20). Por outro lado, a aposta é que a operação online mostre uma forte expansão de vendas totais (GMV) de +155% A/A considerando a aquisição da Netshoes (NYSE:NETS) (ou +116% ex-Netshoes).

A aceleração deve ser impulsionada pelo sólido crescimento de +103% A/A para vendas de estoque próprio (1P) e de +153% A/A no marketplace (3P). Todavia, a corretora espera uma pressão na rentabilidade, com contração de margem EBITDA de -7,0p.p. A/A no trimestre, negativamente afetada pela contração de margem bruta de -3,5p.p A/A no trimestre e desalavancagem operacional.

Por fim, a equipe contra que a companhia tenha apresentado um prejuízo líquido de R$70 milhões no período.

Para o BTG Pactual (SA:BPAC11), a companhia deve ter prejuízo de R$ 154 milhões, com receitas de R$ 5,551 bilhões, fazendo com que as projeções sejam mais pessimistas que o consenso. Já o Ebitda deve ficar negativo em R$ 77 milhões, com margem também negativa em -1%.

Veja também:
https://spacemoney.com.br/esta-e-a-acao-mais-recomendada-para-a-semana-de-17-08/
https://spacemoney.com.br/estas-sao-as-5-acoes-mais-recomendadas-para-agosto-de-2020/
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: