domingo, 05 de dezembro de 2021
Em busca de igualdade

ARTIGO - Por que diversidade e inclusão são fundamentais aos comitês de ética

Para a condução de processos, um grupo diverso e inclusivo tende receber e analisar denúncias de forma mais justa e isenta

22 outubro 2021 - 09h22Por Agência EY

Por Alexandre Hoeppers*

O local de trabalho é o lugar em que passamos a maior parte do nosso dia. Tanto de maneira presencial como no home office, nossas atividades envolvem o convívio com outras pessoas, decisões em conjunto, debates e até mesmo posicionamentos divergentes.

E as divergências podem ser muito saudáveis, pois auxiliam na construção dos objetivos em comum para todos. Olhares diferentes são valiosos na construção de novas soluções.

O importante é que essa troca de ideias e experiências, assim como nossas próprias condutas no dia a dia do trabalho, sejam sempre pautadas pelo respeito entre todas as partes envolvidas. 

O grande desafio dos comitês de ética formados nas empresas é justamente trabalhar para garantir que as boas condutas e princípios éticos da corporação sejam aplicados em todas as etapas de produção e no relacionamento entre as pessoas.

Não é uma tarefa simples. Mas é essencial para o bom funcionamento de todas as engrenagens que movem uma companhia, já que o bem mais precioso de qualquer corporação é o seu capital humano. 

Cabe aos comitês de ética receber e analisar reportes de supostos procedimentos incorretos e desvios de conduta praticados por funcionários.

Não apenas as condutas que possam prejudicar diretamente a empresa, como uma denúncia de corrupção, por exemplo, mas também possíveis condutas que possam prejudicar os próprios funcionários, como assédio moral e sexual, discriminação e racismo. 

A melhor maneira de evitar esse tipo de problema é investir na prevenção.

Palestras, cursos, treinamentos intensivos e todo tipo de orientação sobre normas e condutas corretas são bem vindas e devem ser oferecidos de forma constante a todos os funcionários, mas sempre de uma maneira leve, segura e eficiente.

Assim, todos vão ter a percepção de que “vestir a camisa da empresa” também é carregar consigo todos os seus valores éticos e de respeito ao próximo, seja o seu colega de trabalho, o cliente ou mesmo todas as pessoas do seu convívio. 

Mas nem sempre a prevenção funciona e denúncias são levadas aos comitês de ética. Nesse caso, o grande desafio dos integrantes do comitê é receber e analisar a denúncia de forma justa e isenta.

Para isso, quanto mais diverso for esse comitê, melhor será a condução do processo. Criar métricas e projetos específicos para avançar em diversidade e inclusão têm se tornado tarefa fundamental dentro das organizações. É essencial que esse movimento se reflita nos comitês de ética.

Por ser a instância que orienta, educa, acompanha e investiga situações que envolvem profissionais da empresa, é importante que eles tenham a pluralidade necessária para conduzir corretamente todas as situações que cheguem vias canais de comunicação internos. 

Além da pluralidade e diversidade, os membros dos comitês também devem ser treinados sobre quais situações são toleráveis e quais não são.

Aqui vale muito aquele conceito que aprendemos em casa e na escola: atitudes firmes no sentido de orientar não são erradas, desde que sejam acompanhadas de gentileza e respeito ao próximo. A boa comunicação é uma ferramenta preciosa em qualquer ambiente corporativo. 

Por fim, é importante que esse comitê esteja muito afinado com a área de recursos humanos e que as organizações tenham outros grupos de trabalho direcionados ao debate de questões específicas de diversidade e inclusão, como por exemplo, gênero, raça, deficiências, orientação sexual, diversidade etária, religião e outras diferenças. 

Dessa maneira, o comitê de ética pode atuar em conjunto com determinado grupo quando surgir um caso que necessite um olhar mais direcionado. 

Se o local de trabalho é onde passamos a maior parte do nosso dia, é nosso papel não medir esforços para seja um ambiente agradável, inclusivo, diversificado e, acima de tudo, que promova a justiça e o bem estar para todos. 

*Alexandre Hoeppers, líder do comitê de ética e conformidade da EY.
 

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content