Menu
Busca quarta, 20 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile

Apesar de aumento de estoques dos EUA, petróleo mantém alta

28 maio 2020 - 19h58Por Investing.com

Por Barani Krishnan

Investing.com - Faz oficialmente um mês que o mercado de petróleo mudou de direção e o rali não está desacelerando, com o maior crescimento de estoques de petróleo nos EUA em cinco semanas ignorado na quinta-feira (28) por traders, mais atraídos pelo declínio inesperado dos estoques de gasolina.

O WTI negociado em Nova York, a referência para o petróleo bruto dos EUA, subia US$ 0,54, ou 1,6%, a US$ 33,35 por barril às 16h35 (horário de Brasília).

O Brent, benchmark global para o petróleo negociado em Londres, subia US$ 1,10, ou 3,2%, para US$ 35,70.

O WTI subia 240% em relação à sua baixa de 28 de abril, de US$ 10,07, enquanto o Brent dobrou no mesmo período. Porém, ambos os benchmarks caíram 45% no ano, já que a demanda por produtos de combustível ainda luta para voltar ao normal após a ampla reabertura da economia dos EUA após os bloqueios impostos pelo coronavírus.

Grande parte do rali foi impulsionada por paralisações de plataformas de petróleo e fechamento de poços por produtores norte-americanos, respondendo ao colapso na demanda de combustível. Maiores cortes na produção da Opep, que visa remover 9,7 milhões de barris por dia da produção global, também ajudaram.

Alguns analistas disseram que o mercado ainda estava longe de alcançar a normalidade, e os preços pareciam instáveis após quatro semanas de ganhos quase ininterruptos.

"Ainda estamos cerca de 20% abaixo do que constitui a demanda típica de combustível para esta época do ano", disse John Kilduff, sócio fundador do fundo de hedge de energia de Nova York Again Capital. "Eu acho que isso deve servir de orientação para aqueles que querem levar esse rali ainda mais alto."

Os ganhos de quinta-feira ocorreram após a Administração de Informação de Energia (EIA, na sigla em inglês) informar que os estoques de petróleo bruto dos EUA subiram quase 8 milhões de barris na semana encerrada em 22 de maio, em comparação com as previsões dos analistas de uma queda de quase 2 milhões de barris.

Na semana anterior, terminada em 15 de maio, os estoques de petróleo caíram quase 5 milhões de barris, informou o EIA.

O aumento representou o maior crescimento de estoques de petróleo desde os 15 milhões de barris registrados durante a semana terminada em 20 de abril.

"Os estoques de petróleo mostraram uma recuperação sólida, impulsionada pelas importações sauditas de petróleo da Costa do Golfo dos EUA", disse Matthew Smith, analista da Clipperdata, rastreadora de cargas de petróleo sediada em Nova York, referindo-se a um carregamento saudita de mais de 20 milhões de barris de petróleo que chegaram à costa dos EUA no início deste mês.

Smith disse que o último crescimento elevou o total de estoques de petróleo dos EUA para pouco abaixo da alta recorde de março de 2017 de 535,5 milhões de barris.

Tariz Zahir, membro gerente da Tyche Capital Advisors em Long Island, Nova York, disse que o crescimento de 8 milhões de barris de estoques de petróleo bruto na semana passada foi surpreendente, dada a queda de quase 3 milhões de barris de estoque em Cushing, Oklahoma, hub que armazena petróleo entregue de contratos vencidos do WTI.

"Definitivamente, foi uma surpresa para o mercado do petróleo, com um crescimento tão grande, embora tenhamos visto uma grande queda em Cushing", disse Zahir. "Com as notícias da Rússia dizendo que quer diminuir os cortes, será interessante ver os níveis de todos os países da Opep e de fora dela e o que eles irão fazer após uma tendência de alta nas últimas semanas."

Os traders basearam a movimentação do mercado de quinta-feira no declínio de 724.000 barris em estoques de gasolina em comparação com uma previsão de crescimento de 100.000. Na semana anterior, terminada em 15 de maio, os estoques de gasolina aumentaram 2,8 milhões.

O consumo de gasolina foi um dos poucos pontos positivos no relatório da EIA, que também observou um crescimento de 5,5 milhões de barris em estoques de destilados, contra as previsões de um aumento de apenas 1,8 milhão. Na semana anterior, os estoques de destilados aumentaram em 3,8 milhões de barris.

Os destilados, que incluem produtos como diesel e combustível de aviação, têm sido o componente mais fraco do complexo petrolífero dos EUA, respondendo por quase 42 milhões de barris em crescimento de estoque desde meados de abril. Mesmo com a reabertura dos EUA após bloqueios pela Covid-19, a demanda por diesel e combustível de aviação é anêmica, pois poucas pessoas voltaram a pegar transporte público ou voos devido a temores persistentes de infecção.

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: