Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Amazon

Amazon não é uma empresa de saúde

23 novembro 2020 - 18h47Por Investing.com

Por Christiana Sciaudone, da Investing.com - Uma coisa é preencher receitas. Outra é fornecer saúde.

A Amazon.com (NASDAQ:AMZN); (SA:AMZO34) anunciou nesta semana que está entrando no negócio de farmácias, notícia que levou a uma venda de ações tanto de players tradicionais do setor, como a CVS (NYSE:CVS); (SA:CVSH34), quanto de recém-chegados como a GoodRx (NASDAQ:GDRX). No entanto, nem todos estão convencidos de que a gigante do mundo online assumirá completamente o controle dos negócios. A co-diretora executiva da startup online Honeybee Health fez a distinção entre o que uma farmácia deve oferecer e o que a Amazon Pharmacy provavelmente oferecerá.

“Eles são conhecidos por logística e embalagens; isso é muito diferente do que é a saúde”, disse Jessica Nouhavandi, também cofundadora e, talvez o mais importante, farmacêutica. "A saúde exige um nível de detalhe para as pessoas, não para as embalagens."

Não é surpresa que a Amazon queira entrar no negócio de produtos farmacêuticos. Os norte-americanos gastaram US$ 485 bilhões em medicamentos em 2018 e devem gastar até US$ 655 bilhões em 2023. Isso representaria um crescimento de 35%, de acordo com o site de notícias Pharmaceutical Commerce. As vendas de produtos farmacêuticos nos EUA representam 40% do total global, de longe o maior, com os 11% da participação da China colocando-a em segundo lugar, de acordo com Statista.

Por que os EUA gastam mais do que qualquer outro país com remédios? Ao contrário de outros lugares, não há regulamentação de preços e qualquer medicamento comprovadamente seguro pode ser colocado no mercado. Os consumidores dos EUA também tendem a usar seguro saúde ao obter medicamentos, que dependem de gerentes de farmácia para gerenciar benefícios de medicamentos prescritos e negociar com os fabricantes em seu nome - um intermediário. É claramente um processo complicado e caro, cheio de intermediários ao longo do caminho entre você e seus medicamentos.

Nouhavandi, que começou como farmacêutica em uma pequena cidade, junto com seu colega Peter Wang, viu esse processo, e os altos custos associados a ele, de perto.

"Percebemos que não estávamos dizendo aos pacientes a verdade sobre como os medicamentos eram baratos", disse Nouhavandi em uma entrevista por telefone esta semana. As seguradoras nos obrigavam a informar apenas o preço do copagamento, e não o custo se comprassem diretamente, geralmente uma opção muito mais barata. Nouhavandi viu pacientes saindo de mãos vazias quando não podiam pagar o copagamento.

Wang fornece um exemplo vívido em sua página do LinkedIn, de um paciente entregando uma receita de um medicamento padrão para o colesterol. Wang submeteu o pedido à seguradora e disse ao paciente que seu copagamento pelo medicamento genérico era de US$ 90,19. O que ele não sabia era o custo real dessas pílulas: US$ 2,31.

"Você não precisa de seguro para comprar genéricos e economiza mais comprando do próprio bolso", disse Nouhavandi. A Honeybee, fundada em 2017, começou a decolar no ano passado. A empresa fornece 6.000 medicamentos genéricos e, para os 50 medicamentos mais populares, os consumidores podem escolher o fabricante.

A empresa trabalha diretamente com fabricantes de medicamentos, oferecendo várias opções de genéricos a preços baixos.

"É nossa missão fornecer preços e opções transparentes", disse Nouhavandi, "sem tantas mãos no pote elevando o preço."

A Honeybee, com sede em Los Angeles, também oferece a opção de falar com um farmacêutico, pois visa recriar a experiência presencial tanto quanto possível.

A empresa arrecadou US$ 10 milhões em financiamento e tem como objetivo outro aumento em 2021. A receita deve crescer quatro vezes este ano, embora Nouhavandi tenha se recusado a dar mais detalhes. E ainda que existam outros concorrentes, Nouhavandi aponta que ela e seus sócios são farmacêuticos e não especialistas em tecnologia do Vale do Silício.

“Quando se trata de farmácia e de saúde, é importante ter certeza de que você está lá para ouvir as preocupações”, disse ela. As pessoas vêm em primeiro lugar, assim como a segurança de suas informações, e a Honeybee não negocia dados.

Não foi uma jornada fácil, disse Nouhavandi, que nunca se imaginou como CEO de uma empresa financiada por capital de risco.

"Não pensei nisso porque achei que geraria dinheiro", disse Nouhavandi. "Eu fiz isso porque tenho que fazer. Este é o juramento que fiz e isso é o que é certo para as pessoas."

Embora ela espere que a Amazon faça a coisa certa para os pacientes, ela aponta para o fato de que está fazendo a mesma coisa que todo mundo.

"As notícias deste lançamento, por maiores que sejam e por mais poderosas que sejam, foram honestamente decepcionantes", disse Nouhavandi. "Eles não estão realmente inovando para os pacientes ou fornecendo mais transparência em relação aos preços. É isso que pretendemos fazer."

Veja os fatores que influenciam os mercados hoje

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: