segunda, 29 de novembro de 2021
VVAR3

Via Varejo despenca após denúncia de fraude contábil

13 novembro 2019 - 14h29Por Investing.com
Investing.com - As ações da Via Varejo (VVAR3) foram inibidas e entraram em leilão no início da tarde desta quarta-feira (13) após a companhia informar, por meio de fato relevante, que recebeu uma denúncia anônima sobre supostas irregularidades contábeis. Antes de ser inibidas, as ações da empresa caíam 1,55% a R$ 6,98. A divulgação do balanço está previsto para hoje, após o fechamento do mercado. Após o leilão, os papéis despencaram para uma queda de 9%. Às 12h49, as ações eram negociadas com baixa de 6,63% a R$ 6,62. De acordo com o comunicado, a empresa constituiu um comitê de investigação em 10 de outubro para conduzir uma investigação independente e detalhada sobre a denúncia anônima recebida entre final de setembro e início de outubro. O comitê se reporta ao Conselho de Administração e é composto por auditores independentes. De acordo com fontes ouvidas pela Suno Notícias, o escritório de advocacia Pinheiro Neto foi contratado pela Via Varejo, enquanto o Pinheiro Neto recorreu a KPMG. A EY, responsável pela auditoria do balanço da empresa segundo a Suno, estaria acompanhando a operação. A Via Varejo (VVAR3) diz que o plano de ação das investigação foi dividida em duas fases, com a primeira já concluída e na qual não foram identificadas quaisquer irregularidades contidas na denúncia. A segunda fase está em andamento, segundo a companhia, e até o momento não encontrou as irregularidades denunciadas. O fato relevante também informa que não há alteração das informações que serão divulgadas no balanço hoje após o fechamento do mercado.

Teor da denúncia

O comunicado não traz, entretanto, o teor da denúncia. De acordo com fontes consultadas pela Suno Notícias, executivos da Via Varejo (VVAR3) teriam contabilizado despesas operacionais como investimentos. O objetivo seria transformar, no futuro, as despesas de investimentos em receita e diminuir as provisões da companhia, o que transformaria o retorno sobre investimento da empresa maior do que o real. Além disso, a denúncia aponta que depósitos judiciais não estariam em provisão, com a exclusão de processos jurídicos com o intuito de reduzir despesas. As planilhas utilizadas pelo departamento jurídico também teriam sido manipuladas, de acordo com a denúncia. Havia suspeitas de adulteração em garantias trabalhistas e nos Gastos Gerais de Fabricação (GGF), conceito que ser refere a custos com aluguéis, energia, depreciação, entre outros.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content