domingo, 19 de maio de 2024
Ações

Ofertas no mercado de capitais atinge R$ 44,5 bilhões em novembro

Montante representa um alta de 96% ante o mesmo mês do ano passado

13 dezembro 2023 - 09h07Por José Chacon

Em novembro, as emissões do mercado de capitais atingiram o quarto maior volume mensal do ano, com R$ 44,5 bilhões, segundo dados da ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais). Esse montante representa um aumento de 96% quanto ao que foi registrado no mesmo período do ano passado.

Já o volume captado de janeiro a novembro ficou 18% abaixo do mesmo período de 2022, chegando a R$ 384 bilhões.

Segundo o levantamento, as debêntures mais uma vez lideraram as captações em ambos os períodos. Em novembro, as ofertas somaram R$ 25,4 bilhões, com um salto de 196% ante o mesmo mês de 2022. No acumulado de 2023, atingiram R$ 196,6 bilhões, com volume 16,3% menor na comparação com igual intervalo no ano passado. A maioria das emissões foi direcionada para gestão ordinária (37,1%).
O prazo médio dos papéis ficou em 8,8 anos, bem acima do contabilizado no mesmo intervalo em 2022 (6,3 anos).

Para José Eduardo Laloni, vice-presidente da ANBIMA, esse alongamento expressivo no prazo, reflete uma maior confiança no mercado de capitais e se deve principalmente às debêntures incentivadas, que apresentam prazos superiores às debêntures corporativas.

Tendo em vista apenas as debêntures incentivadas (lei 12.431), destinadas a financiar projetos de infraestrutura considerados prioritários, o prazo médio de 2023 atingiu 14,3 anos ante 12,2 anos no mesmo período do ano passado.
Nos instrumentos de securitização, o CRA (Certificado de Recebíveis do Agronegócio) se destaca em novembro. As emissões atingiram R$4,8 bilhões, com salto de 272,6% no confronto com novembro de 2022. Em seguida aparece o CRI (Certificado de Recebíveis Imobiliários), com R$ 4,0 bilhões e queda de 15,4% nesse comparativo.

No acumulado do ano, as ofertas de CRA somaram R$ 35,1 bilhões e estão 12,4% abaixo do mesmo período do ano passado, enquanto as de CRI (R$ 38,9 bilhões) apresentam variação positiva de 1,1%.
Quanto aos FIIs (Fundos de Investimento Imobiliário) em novembro o montante totalizado foi de R$ 3,2 bilhões, o segundo melhor desempenho de 2023. No acumulado do ano, somaram R$ 24,2 bilhões, com aumento de 35% no confronto com igual intervalo no ano passado.