quarta, 29 de maio de 2024
Ações

Destaques corporativos: Arezzo (ARZZ3), CVC (CVCB3), Grupo Soma (SOMA3), JBS (JBSS3) e mais

Veja aqui as principais notícias das grandes empresas brasileiras, entre avisos aos acionistas, comunicados ao mercado, fatos relevantes e mais informações da imprensa especializada

27 março 2024 - 13h04Por Redação SpaceMoney

Arezzo (ARZZ3), CVC (CVCB3), Grupo Soma (SOMA3), JBS (JBSS3), Localiza (RENT3) e Oi (OIBR3)(OIBR4são algumas das empresas que protagonizam o noticiário corporativo desta quarta-feira, 27 de março:

 

Empresas

Veja aqui as principais notícias das grandes empresas brasileiras, entre avisos aos acionistas, comunicados ao mercado, fatos relevantes e mais informações da imprensa especializada:

 

Balanços

Confira as companhias que divulgarão seus resultados financeiros do quarto trimestre nesta quarta-feira (27):

Ambipar (AMBP3)
Bradespar (BRAP4)
Cosan (CSAN3)
Dasa (DASA3)
Hapvida (HAPV3)
Lojas Marisa (AMAR3)
Lopes Brasil (LPSB3)
Marfrig (MRFG3)
Multilaser (MLAS3)
Oi (OIBR3)
Oncoclínicas (ONCO3)
Orizon (ORVR3)
Tecnisa (TCSA3)
WIZ CO (WIZC3)

 

Confira as companhias que divulgaram seus resultados financeiros do quarto trimestre na última terça-feira (26):

Bradespar (BRAP4) fecha 4º trimestre de 2023 com queda de 30% no lucro líquido

Bradespar (BRAP4) fechou o quarto trimestre de 2023 com um lucro líquido de R$ 524,10 milhões, queda de 30% na comparação com o mesmo período do ano anterior, quando o número foi de R$ 749,0 milhões.

No acumulado de 2023, a empresa apresentou um lucro líquido de R$ 1,90 bilhão, resultado que reflete o desempenho da investida Vale (VALE3) no período.

Na receita operacional, a companhia alcançou R$ 415 milhões entre outubro e dezembro do ano passado, uma baixa de 32,8% em relação ao mesmo período de 2022.

Quanto aos gastos, as despesas administrativas e gerais subiram 35,2% no ano, para R$ 2 milhões.

No âmbito financeiro, a companhia registrou um resultado financeiro positivo de R$ 16,8 milhões, decorrente, principalmente, de aplicações financeiras e de remuneração sobre Impostos a Recuperar.

Ao final de 2023, o valor de mercado dos ativos da companhia correspondia a R$ 12,6 bilhões.

 

Gafisa (GFSA3) reverte prejuízo e registra lucro líquido de R$ 47,90 milhões no 4T

A Gafisa (GFSA3) registrou lucro líquido de R$ 47,90 milhões no quarto trimestre de 2023 e reverteu prejuízo líquido de R$ 3,8 milhões do mesmo intervalo de 2022.

Apesar disso, a empresa apresentou uma baixa de 44,5% na receita líquida do período quando comparado ao mesmo de 2022, por marcar R$ 180,70 milhões contra R$ 325,00 milhões de 2022.

Já no EBTIDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado, a Gafisa deu um salto estrondoso e registrou R$ 175,8 milhões, alta de 1.387,8% na comparação com mesma fase do ano anterior.

A dívida líquida da empresa foi reduzida em 2,910% e soma R$ 1,229,6 bilhão. Em 2022, a dívida havia encerrado em R$ 1,266 bilhão.

 

Rede D Or (RDOR3) registra lucro líquido de R$ 668 milhões no 4º trimestre de 2023

Rede D Or (RDOR3) reportou, nesta quarta-feira (27), que registrou lucro líquido de R$ 668,10 milhões no 4º trimestre de 2023, queda de 12,10% na comparação com o trimestre passado, quando a empresa registrou lucro de R$ 760,30 milhões.

No acumulado de 2023, o ganho líquido somou R$ 2,2 bilhões.

A receita líquida totalizou R$ 11,936 bilhões no período de outubro a dezembro de 2023, queda de 0,30% quanto ao trimestre anterior. No ano, a receita somou R$ 46,946 bilhões.

O lucro antes de juros impostos, depreciação e amortização (EBITDA) totalizou R$ 1,5 bilhão no último trimestre do ano passado e marcou uma queda trimestral de 14,5%.

Em 2023, o EBITDA totalizou R$ 6,4 bilhões.

 

Simpar (SIMH3) registra prejuízo líquido ajustado de R$ 280 milhões em 2023

O EBITDA (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), em critério ajustado, de Simpar (SIMH3) foi de R$ 8,2 bilhões em 2023 evolução de 20% em relação a 2022, abaixo do crescimento verificado nas receitas, explicado pela forte expansão da Automob, que possui margens menores, pela normalização da margem de venda de ativos na Movida (MOVI3) e devido ao cenário adverso enfrentado pelas concessionárias agrícolas da Vamos (VAMO3).

A holding registrou um prejuízo líquido ajustado de R$280 milhões em 2023.

Esse resultado decorre de alguns fatores, como o custo de carrego de um caixa robusto, em linha com o planejado pela holding, em prol da segurança ao desenvolvimento do grupo, além do aumento das despesas financeiras e de eventos cíclicos que afetaram alguns negócios, como a redução das vendas
das concessionárias agro na Vamos (VAMO3), os ajustes da Movida (MOVI3) e o impacto da desvalorização cambial na Argentina para a JSL (JSLG3).

 

CVC (CVCB3) registra lucro líquido caixa de R$ 18,8 milhões no quarto trimestre de 2023

A CVC (CVCB3) registrou um lucro líquido caixa de R$ 18,8 milhões no quarto trimestre de 2023, uma reversão ao prejuízo líquido de R$ 197,6 milhões observado em igual período do ano anterior.

O EBITDA (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), em critério ajustado, somou R$ 86,4 milhões entre os meses de outubro e dezembro passados, em comparação com R$ 4,2 milhões no mesmo intervalo de 2022. 

A receita líquida somou R$ 352,2 milhões no intervalo, um aumento de 9,6% frente ao mesmo período do ano anterior.

 

Armac (ARML3) registra lucro líquido ajustado de R$ 45,8 milhões no quarto trimestre de 2023

A Armac (ARML3) registrou um lucro líquido ajustado de R$ 45,8 milhões no quarto trimestre de 2023, um crescimento de 37,5% em relação ao mesmo período do ano anterior.

O EBITDA (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), entre outubro e dezembro passados, avançou 28,70% na variação anual, a R$ 175,2 milhões.

A receita líquida totalizou R$ 399,0 milhões nos últimos três meses do ano passado.

 

IMC (MEAL3) registra prejuízo líquido de R$ 76,2 milhões no quarto trimestre de 2023

A IMC (MEAL3) registrou um prejuízo líquido de R$ 76,2 milhões no quarto trimestre de 2023, em reversão ao lucro líquido de R$ 122,6 milhões apurado em igual período do ano anterior.

O EBITDA (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), em critério ajustado, somou R$ 72,5 milhões, queda de 29,30% em doze meses.

 

AgroGalaxy (AGXY3) vê lucro recuar 40% no 4º trimestre, a R$ 107,90 milhões

A AgroGalaxy (AGXY3) registrou lucro líquido de R$ 107,90 milhões no quarto trimestre de 2023, uma queda de 40% na comparação anual.

No acumulado de 2023, a companhia reportou prejuízo líquido de R$ 334,5 milhões. 

O EBITDA (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado da companhia atingiu R$ 281,70 milhões de outubro a dezembro, um recuo de 20,10% em relação ao mesmo período de 2022. 

 

Taurus (TASA4): lucro líquido chega a R$ 42,5 milhões, recuo anual de 64,90%

A Taurus (TASA4) viu seu lucro líquido recuar 64,90% (em base anual) no quarto trimestre de 2023, a R$ 42,5 milhões.

O EBITDA (sigla em inglês para lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado totalizou R$ 39,0 milhões no entre outubro e dezembro do ano passado.

O valor representa uma queda de 76,5% em relação ao quarto trimestre de 2022. A empresa informou que seu resultado foi impactado negativamente pela queda da receita e pelo aumento das despesas no período.

 

JBS (JBSS3) registra queda anual de 96% no lucro líquido do 4º tri, a R$ 82,6 milhões

O lucro líquido da JBS (JBSS3) atingiu R$ 82,6 milhões no quarto trimestre de 2023, queda de 96,5% na comparação com o mesmo período de 2022. O resultado da operação de bovinos da empresa nos Estados Unidos pesou sobre o desempenho de outubro a dezembro.

O EBITDA (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) avançou 11,6% no quarto trimestre, para R$ 5,10 bilhões.

Já a receita líquida da companhia somou R$ 96,34 milhões no período, alta anual de 3,70%. Desse total, 76,00% da receita foi gerada a partir de vendas nos mercados domésticos e 24,00% com exportações.

 

Informe corporativo

Eletrobras (ELET3)(ELET6): MME elabora MP para acessar fundo

O ministro de Minas e Energia (MME), Alexandre Silveira (PSD-MG), planeja publicar uma medida provisória (MP) na próxima quinta-feira (28) para acessar o fundo da Eletrobras (ELET3)(ELET6), de acordo com informações de Terminal Macro Trader/ActivTrades.

A pasta pretende usar parte do dinheiro para equilibrar as tarifas no Amapá (AP) e quitar dívidas da pandemia de COVID-19. 
 
A medida visa garantir estabilidade aos investimentos das distribuidoras de energia.

As informações são de Terminal Macro Trader/ActivTrades.

 

Casas Bahia (BHIA3) adianta AGO para a próxima quinta-feira (28)

A Casas Bahia (BHIA3) comunicou que a divulgação do edital de convocação e da proposta da administração para a Assembleia-Geral Ordinária que deliberar sobre as demonstrações financeiras anuais da companhia referentes a 2023 foi antecipada para a próxima quinta-feira (28).

Em vista as alterações indicadas, a companhia informa que reapresentou seu Calendário de Eventos para 2024, que pode ser consultado aqui.

 

CBA (CBAV3): José Roberto Ermírio deixa conselho de administração e comitê de sustentabilidade

A CBA (CBAV3) informou, nesta quarta-feira (27), que recebeu uma carta de José Roberto Ermírio de Moares Filho, onde manifesta sua intenção de renunciar ao cargo de membro do conselho de administração (CA) da companhia, bem como ao cargo de membro efetivo do Comitê de Sustentabilidade, com efeitos a partir de 29 de abril.

Em razão da vacância do cargo de membro do conselho de administração, a CBA informa que vai incluir na ordem do dia da assembleia-geral ordinária e extraordinária (AGE), a ser realizada em 29 de abril, a eleição de novo membro, em complementação ao mandato de seus membros atualmente em vigor.

 

Usiminas (USIM3) quer reduzir em 15% as emissões de CO2 na produção de aço bruto até 2030

A Usiminas (USIM3) informou nesta quarta-feira (27), sua meta de descarbonização para 2030.

O objetivo da empresa consiste na redução de 15% da intensidade de emissão, relativa aos Escopos 1 e 2, tCO2e ou tonelada de CO2 emitida por tonelada de aço bruto produzido, em relação ao ano-base de 2019 (Metodologia World Steel Association WSA).

Leia mais aqui.

 

Enjoei (ENJU3) anuncia Igor Puga como novo vice-presidente executivo

A Enjoei (ENJU3) anunciou, nesta quarta-feira (27), que Igor Puga assume a diretoria estatutária da companhia, para exercer a posição de vice-presidente executivo.

Igor Puga graduou-se jornalista e formou-se mestre em estatística aplicada.

Puga atuou como CMO do Santander (SANB11) por sete anos e foi vice-presidente do CENP. Trabalhou nas agências de publicidade JWT, Africa, Publicis e DM9, além de ter sido sócio do grupo TBWA no Brasil por oito anos.

Foi jurado nos festivais de Cannes, New York, El Sol e Londres.

Foi o vencedor mais jovem do prêmio Caboré de todos os tempos. E está posicionado, atualmente, como o único profissional de marketing na lista da Bloomberg das 500 pessoas mais influentes da América Latina.

Junto aos atuais administradores da empresa, o novo diretor se responsabiliza por contribuir para o avanço da mudança transformacional do negócio do Enjoei, com sólidos conhecimentos nas áreas de consumo, tecnologia, financeiro, varejo, vendas e comunicação.

Uma de suas principais atribuições vai ser a atuação nas oportunidades de geração e incremento de receita para as empresas do grupo.

 

Even (EVEN3) aprova alienação de 15 milhões de ações ON de Melnick (MELK3)

Os membros do conselho de administração de Even (EVEN3), por unanimidade de votos, registrada a abstenção de Leandro Melnick e Andreia de Sousa Ramos Vettorazzo, deliberaram:

  • - aprovar a alienação de 15.000.000 de ações ordinárias MELK3, de titularidade da companhia, dentro do prazo de noventa dias contados desta terça-feira (26); 
  • - aprovar, conforme o Comitê de Transações com Partes Relacionadas, a proposta, firme e irrevogável, da Melpar para alienação de 19.700.000 ações MELK3, de titularidade da companhia, em contrapartida ao pagamento de R$ 94.757.000,00, correspondente a um preço unitário de R$ 4,81.

 

Gafisa (GFSA3) elege Felipe Dantas Rocha Coelho para os cargos de CFO e de diretor de RI

O conselho de administração da Gafisa (GFSA3) aprovou a eleição de Felipe Dantas Rocha Coelho para os cargos de diretor executivo financeiro (CFO) e de diretor de Relação com Investidores (RI).

Coelho formou-se em engenharia industrial pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e possui ampla experiência no mercado financeiro, com mais de dez anos.

O executivo vai responder pelas áreas de Operações Estruturadas, Contas a Pagar, Tesouraria e Contas a Receber e Relações com Investidores.

 

BMG (BMGB4) aprova 4ª emissão pública de letras financeiras, no valor de até R$ 300 milhões

O conselho de administração do Banco BMG (BMGB4) aprovou a realização de sua 4ª emissão pública de letras financeiras, sem garantia e sem cláusula de subordinação, em até duas séries, no valor total de até R$ 300 milhões.

As Letras Financeiras serão objeto de distribuição pública não sujeita a registro, sob o regime de melhores esforços de colocação, com a intermediação de instituições financeiras integrantes do sistema de distribuição de valores mobiliários, e traz como público alvo investidores em geral.

 

Marisa (AMAR3) aprova realização de 3ª e 4ª emissões de notas comerciais escriturais 

O conselho de administração de Marisa (AMAR3) aprovou a realização de duas emissões de notas comerciais escriturais em série única, nos seguintes termos:

 

  • - 3ª Emissão:

A 3ª (terceira) emissão de notas comerciais escriturais em série única, com prazo de vencimento em 23 de abril de 2024, vai ser composta por 90.000 (cinquenta mil) notas comerciais escriturais, todas com valor nominal unitário de R$ 1.000,00 (mil reais), e totalizam, portanto, R$ 90.000.000,00 (cinquenta milhões de reais), as quais serão objeto de colocação privada.

As notas comerciais da 3ª emissão serão subscritas pelos acionistas controladores.

 

  • - 4ª Emissão:

A 4ª (quarta) emissão de notas comerciais escriturais em série única, com prazo de vencimento em 26 de março de 2025, vai ser composta por 50.000 (cem mil) notas comerciais escriturais, todas com valor nominal unitário de R$ 1.000,00 (mil reais), e totalizam, portanto, R$ 50.000.000,00 (cem milhões de reais), as quais serão objeto de colocação privada.

As notas comerciais da 4ª Emissão serão subscritas pelo Banco BTG Pactual S.A.

 

Os recursos captados com a 3ª e 4ª emissões serão destinados à gestão ordinária dos negócios, como pagamentos correntes de obrigações de capital de giro.

 

JBS (JBSS3): irmãos Batista voltam ao conselho de administração

Joesley Batista e Wesley Batista estão de volta ao conselho de administração da JBS (JBSS3), informou a companhia, em comunicado, na noite de terça-feira (26). Executivos vão compor um conselho de administração agora ampliado, com onze membros. 

Os irmãos estavam de fora do dia-a-dia da JBS (JBSS3) desde o ano de 2017. No mês de maio do referido ano, foi divulgada a informação de que Joesley Batista havia delatado o então presidente Michel Temer (MDB), no âmbito da Operação Lava-Jato. Wesley Batista era o CEO da companhia.

 

CSN (CSNA3) recebe indicações a membros do conselho fiscal

A Caixa Beneficente dos Empregados da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN)(CSNA3) indicou os nomes de Andrea Maria Meirelles de Menezes e  João Alberto Pinho de Camargo como candidatos aos cargos de membros titular e suplente, respectivamente, do conselho fiscal, por ocasião da assembleia-geral ordinária e extraordinária (AGOE), a ser realizada no dia 26 de abril de 2024, às 11:00. 

 

Multiplan (MULT3): Previ e T. Rowe Price indicam nomes ao conselho fiscal

Veículos geridos pela T. Rowe Price Associates, Inc., titulares em conjunto de 6,470% do capital social da Multiplan (MULT3), apresentaram a indicação conjunta de Mauro Eduardo Guizeline, como membro titular, e Marcelo Jesus Abbari, como respectivo suplente no conselho fiscal.

A Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil, a PREVI, e veículos geridos pela PREVI, pela BB Gestão de Recursos DTVM S.A. e pela JGP Gestão de Recursos Ltda., titulares em conjunto de 1,130% do capital social da companhia, apresentaram a indicação conjunta de Cicero Przendsiuk,
como membro titular, e Maelcio Mauricio Soares, como seu respectivo suplente.

A companhia informa que os candidatos foram incluídos no Boletim de Voto a Distância disponibilizado nesta data, para a votação em Assembleia-Geral Ordinária (AGO) da Companhia, a ser realizada no dia 26 de abril de 2024.

 

Hospital Mater Dei (MATD3): Squadra atinge participação de 4,96% do total de ações ON

A Squadra Investimentos informou que suas participações no Hospital Mater Dei (MATD3), nesta terça-feira (26), de forma agregada, passaram a ser de 18.972.992 ações ordinárias (ON), equivalentes a 4,96% do total de ações ordinárias emitidas pela companhia.

Além da posição acionária destacada em sua correspondência, a gestora informou que o objetivo das participações societárias acima mencionadas não objetivam alterar a composição do controle ou a estrutura administrativa. 

 

Oi (OIBR3)(OIBR4) firma acordo com credores por financiamento de até US$ 650 milhões

Após pedidos de suspensão desde o início deste mês de março, a Oi (OIBR3)(OIBR4) chegou um termo de compromisso com os principais credores, como as agências de crédito à exportação, os donos de títulos do exterior (bondholders) e os bancos nacionais, para tentar aprovar seu segundo plano de recuperação judicial, e pretende levantar até US$ 650 milhões, conforme indica uma minuta de acordo apresentada na tarde desta terça-feira (26), durante assembleia-geral de credores (AGC).

Mas, apesar do consenso, a operadora e os credores vão analisar os documentos e as cláusulas do novo acordo, que começam a ser desenhadas desde a última segunda-feira (25), às 11:00.

A administração da operadora pediu que a AGC ocorra, agora, no dia 10 de abril, às 11:00, o que foi aceito por 65,44% dos credores presentes.

Ate lá, Oi e credores vão se reunir novamente para alterar algumas das condições apresentadas nesta terça-feira (26) e chegar a um texto final.

As informações são do jornal O Globo.

 

Americanas (AMER3): Comissão de Valores Mobiliários rejeita acordo com Sergio Rial e João Guerra

O Colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) rejeitou a proposta de termo de compromisso apresentada pelo ex-diretor presidente da Americanas (AMER3), Sergio Rial, e pelo ex-diretor de relações com investidores (RI) da varejista, João Guerra, em processo administrativo sancionador (PAS).

No caso da diretora de RI da companhia, Camille Loyo Faria, foi aceito o acordo no valor de R$ 2,4 milhões. Com isso, o processo sancionador (PAS) que envolve a executiva na autarquia foi encerrado.

Sobre os processos de Rial e Guerra, após analisar o caso, o Comitê de Termo de Compromisso (CTC) entendeu não ser "oportuna e conveniente" a aceitação do acordo. O colegiado considerou a gravidade do caso e a existência de outros processos em curso sobre o tema.

"Entendeu-se que o melhor desfecho para o caso seria a apreciação pelo colegiado em sede de julgamento", diz o Comitê.

O jornal Valor Econômico detalhou que o processo em questão investiga Sergio Rial por suposta exposição, em teleconferência realizada pela Americanas (AMER3) em 12 de janeiro de 2023, de informações relevantes ainda não divulgadas previamente pela companhia e pela suposta divulgação de informação de forma incompleta e inconsistente de números referentes à dívida financeira da companhia e a "exposição da companhia à possibilidade de cobrança antecipada de sua dívida, inclusive no que se refere aos covenants" (condições financeiras acordadas com os credores).

O processo de João Guerra investiga a suposta não divulgação de fato relevante que contivesse informações proferidas por Sérgio Rial na teleconferência realizada na referida data.

As informações são do jornal Valor Econômico.

 

Banco da Amazônia (BAZA3) propõe aumento de capital de até R$ 2 bilhões

O Banco da Amazônia (BAZA3) submeteu à aprovação pelos acionistas, em sede de assembleia-geral extraordinária (AGE), a ser realizada, em primeira convocação, no dia 26 de abril, a proposta de autorização para potencial aumento do capital social, no montante de até R$ 2.000.000.000,00, a ser realizado mediante oferta pública de distribuição primária de ações de emissão.

A esse respeito, o Banco da Amazônia esclarece que a deliberação relativa à potencial oferta submetida à assembleia-geral consiste exclusivamente na autorização, por parte dos acionistas, para que a administração dê seguimento às análises e estudos acerca da potencial oferta, observado o valor financeiro máximo autorizado pelos acionistas para a capitalização.

A efetiva realização da potencial oferta e o consequente aumento do capital social mediante a emissão de novas ações, bem como a definição de seus termos e condições, estão sujeitos, entre outros fatores, às condições do mercado de capitais brasileiro, à obtenção das aprovações necessárias (inclusive, sem limitação, as aprovações societárias, governamentais e regulamentares aplicáveis), às condições políticas e macroeconômicas nacionais e internacionais, ao interesse de investidores, dentre outros fatores alheios à vontade da instituição.

Portanto, nesta data de terça-feira (26), não está em curso a realização de qualquer oferta pública de distribuição de ações e-ou de quaisquer outros valores mobiliários de emissão do banco em qualquer jurisdição.

Caso aprovada, a potencial oferta vai ser conduzida em conformidade com a legislação e a regulamentação aplicáveis.

Adicionalmente, o Banco da Amazônia informa que submeteu à assembleia-geral a proposta de aprovação do desdobramento (split) das ações de emissão própria, na proporção de 1:3 (desdobramento), ou seja, para cada 1 (uma) ação existente atualmente, esta vai ser convertida em 3 (três) ações BAZA3.

O objetivo do split foi aumentar a liquidez das ações ordinárias de emissão do Banco da Amazônia no mercado secundário, de modo que o preço da cotação de tais ações esteja mais alinhado com a faixa de cotação típica das demais companhias listadas na B3 S.A. Brasil, Bolsa, Balcão (B3), a permitir, portanto, que as ações de emissão própria se tornem mais acessíveis e atrativas aos investidores, principalmente os de varejo.

Caso aprovado o desdobramento, o capital social do Banco da Amazônia passa a ser dividido em 168.174.945 ações ordinárias (ON), todas nominativas, escriturais e sem valor nominal, sem alteração do valor do capital social ou qualquer efeito patrimonial.

Em caso de aprovação do desdobramento pela assembleia-geral e posterior homologação pelo Banco Central do Brasil, o Banco da Amazônia vai comunicar aos seus acionistas oportunamente a data em que as ações de emissão passarão a ser negociadas "ex-desdobramento" e a data na qual as ações resultantes do desdobramento serão creditadas aos acionistas.

 

Arezzo (ARZZ3) e Soma (SOMA3): SG do CADE recomenda aprovação da fusão

A Superintendência-Geral (SG) do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) recomendou a aprovação, sem restrições, nesta terça-feira (26) da união entre a Arezzo (ARZZ3) e o Grupo Soma (SOMA3).

 

Zamp (ZAMP3): três membros deixam conselho de administração

Iuri de Araújo Miranda, Henrique José Fernandes Luz e Lucas Cottini da Fonseca Passos apresentaram suas renúncias aos cargos de membros efetivo e independentes do conselho de administração da Zamp (ZAMP3), respectivamente, e aos respectivos cargos de membros dos Comitês de Assessoramento ao Conselho de Administração, com efeitos a partir da data da assembleia-geral ordinária e extraordinária (AGOE) a ser oportunamente convocada.

Em razão das renúncias, os cargos por eles ocupados no conselho de administração serão preenchidos após a realização da eleição de novos membros na AGOE.

 

Romi (ROMI3) comunica bonificação e desdobramento de ações

A Romi (ROMI3) informou que as novas ações emitidas beneficiarão os acionistas proporcionalmente à participação acionária verificada em 1 de abril de 2024, na proporção de 1 (uma) nova ação ordinária para cada 20 (vinte) ações ordinárias (1:20) existentes representativas à razão de 5%, com valor unitário atribuído de R$ 18,86.

A partir de 2 de abril de 2024, as ações passam a ser negociadas ex-bonificação.

As ações oriundas da bonificação serão incorporadas à posição dos acionistas em 4 de abril de 2024.

A companhia explica que a bonificação se efetua sempre em números inteiros, de forma que as sobras decorrentes das frações de ações serão vendidas na B3 e o valor líquido apurado vai ser disponibilizado aos acionistas detentores das eventuais frações.

 

A companhia preparou a seguir uma sucinta descrição dos procedimentos para efetuar o lançamento da bonificação na declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) ou para fins de apuração do imposto de renda no caso de venda das ações, de acordo com as normas tributárias brasileiras vigentes:

  • - i. As ações bonificadas devem ser lançadas na Declaração do Imposto de Renda (IR) da Acionista pessoa física (PF), na ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis, linha 18 Incorporação de Reservas ao Capital / Bonificações em Ações.
  • O valor a ser considerado vai ser obtido pela multiplicação do valor unitário atribuído pela quantidade de ações bonificadas.
  • Além disso, caso terminado o ano de 2024 ainda com a custódia destas ações, este mesmo valor deve ser somado ao custo histórico das ações na ficha de Bens e Direitos, linha 31 Ações.

 

Exemplo de lançamento:

Um acionista possuía, em 31 de dezembro de 2023, 1.000 ações ordinárias de emissão da ROMI (ROMI3), registradas em sua Declaração do Imposto de Renda (IR) ao custo unitário de R$ 10,00, e totaliza R$ 10.000,00 (valor pago pela aquisição das ações). Com a aprovação da bonificação citada acima, este acionista, caso tenha mantido a sua posição de 1.000 ações até a data de 26 de março de 2024, recebeu 50 ações em bonificação (5% aplicado sobre as 1.000 ações possuídas), e passa a ter um saldo de 1.050 ações.

Conforme mencionado acima, o valor unitário atribuído a cada uma das ações bonificadas da companhia soma R$ 18,86 por ação.

Assim, o custo total das ações bonificadas recebidas por este acionista chega a R$ 943,00 (R$ 18,86 do valor unitário atribuído, multiplicado pelas 50 ações recebidas como bonificação).

Caso venha a manter essas ações até 31 de dezembro de 2024, este valor deve ser lançado na Declaração do Imposto de Renda (IR), na ficha de Rendimentos Isentos e Não-Tributáveis, na linha 18 Incorporação de Reservas ao Capital / Bonificações em Ações, ao mesmo tempo em que for adicionado ao custo histórico das ações na ficha de Bens e Direitos.

No exemplo acima descrito, o acionista que tinha registrado na sua Declaração do Imposto de Renda (IR) um custo histórico de R$ 10.000,00 para as suas 1.000 ações, passa agora a ter um custo de R$ 10.943,00 para as suas 1.050 ações.

Este acionista, quando for vender as suas 1.050 ações, para efeitos de cálculo do imposto de renda sobre ganho de capital, deve considerar este novo custo histórico das ações, ou seja, R$ 10.943,00.

 

Lojas Quero-Quero (LJQQ3): Bradesco Asset reduz participação

A Bradesco Asset reduziu a participação que administra em ações ordinárias (ON) de emissão da Lojas Quero-Quero (LJQQ3), e, com isso, atingiu participação correspondente a 4,870% do total de papéis ordinários da companhia, a totalizar 9.495.446 ações ON.

A gestora informa que o investimento não envolve mudança na composição do controle acionário da companhia ou mudança na estrutura administrativa da companhia.

As ações em questão não fazem parte de nenhum contrato ou acordo dispondo sobre direito de voto sobre a compra e venda de valores mobiliários de emissão da companhia.

 

Blau (BLAU3) se pronuncia sobre decisão favorável no âmbito de processo licitatório

No âmbito de processo licitatório conduzido pelo Ministério da Saúde, o qual permitia a cotação do medicamento alfaepoetina por empresa estrangeira sem registro sanitário junto a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), a Blau (BLAU3) impetrou o Mandado de Segurança 39.592 no Supremo Tribunal Federal (STF) contra referido acórdão.

Após a medida, a companhia alcançou tutela de urgência para suspender imediatamente os efeitos do acórdão.

Foi determinada, por consequência, a imediata e regular retomada do certame sem o envolvimento de empresas sem registro sanitário junto a agência reguladora.

Esclarece a companhia que, em relação à retomada do processo licitatório da alfaepoetina na fase de habilitação, não fora possível antever o resultado final do certame.

 

ABC Brasil (ABCB4) anuncia programa de recompra de até 7,2 milhões de ações PN

O conselho de administração do ABC Brasil (ABCB4) autorizou a companhia a aprovar um novo programa de recompra de ações, para fins de permanência em tesouraria e posterior alienação ou cancelamento, sem redução do capital social.

O prazo máximo para realização das operações autorizadas foi definido em dezoito meses a partir desta terça-feira (26), e estabelece como termo final o dia 26 de setembro de 2025, até o limite de 7.200.000 ações preferenciais.

 

HBR (HBRE3): Luiz Henrique Rodrigues da Costa renuncia ao cargo de diretor-presidente

O conselho de administração da HBR Realty Empreendimentos Imobiliários (HBRE3) aprovou a renúncia de Luiz Henrique Rodrigues da Costa ao cargo de diretor-presidente (CEO) da companhia. 

Alexandre Reis Nakano foi designado para substituí-lo, com a cumulação de suas funções atuais. O mandato da atual diretoria se encerra no dia 15 de agosto deste ano.

 

Grupo Pão de Açúcar (PCAR3): Morgan Stanley atinge 4,6% do total de ações ON

A participação do banco norte-americano Morgan Stanley atingiu 4,6% do total de ações ordinárias (ON) emitidas pelo Grupo Pão de Açúcar (GPA)(PCAR3), informou a companhia na noite de terça-feira (26). 

A porcentagem corresponde a 21.576.254 papéis ordinários. A instituição detém 1.034.500 instrumentos financeiros derivativos com previsão de
liquidação física em posição comprada.

 

BrasilAgro (AGRO3) vende parte de Fazenda Chaparral por R$ 364,5 milhões

A BrasilAgro (AGRO3) vendeu uma área total de 12.335 hectares (8.796 hectares úteis) da Fazenda Chaparral, propriedade rural localizada em Correntina, Bahia (BA).

O valor da venda corresponde a 350 sacas de soja por hectare útil, ou R$ 364,5 milhões (aproximadamente R$ 41.435 por hectare útil).

O comprador já realizou pagamento inicial no valor de R$ 53,5 milhões.

O duration (tempo médio de recebimento) desta venda foi calculado em 3,1 anos.

Do ponto de vista contábil, o valor desta área da Fazenda nos livros da companhia soma R$ 34,0 milhões (aquisição + investimentos líquidos de depreciação) e uma TIR (Taxa Interna de Retorno) esperada em Reais de 15,0%.

Esta transação marca a primeira venda de uma fração da Fazenda Chaparral, que foi adquirida em novembro de 2007. Foram investidos R$ 125,0 milhões na aquisição e desenvolvimento da propriedade até o momento.

A Fazenda possuía uma área total de 37.182 hectares (26.444 hectares úteis), e restam 24.847 hectares (17.648 hectares úteis) no portfólio após a venda.

 

Proventos

JCP: OdontoPrev (ODPV3) vai pagar R$ 19,36 milhões líquidos

O conselho de administração de OdontoPrev (ODPV3) autorizou o pagamento de juros sobre o capital próprio (JCP) no montante total bruto de R$ 22.779.011,17 correspondentes a R$ 0,0412293030 por ação.

Farão jus aos juros sobre o capital próprio os detentores de ações de emissão da companhia na próxima segunda-feira, 1 de abril.

O valor dos juros sobre o capital próprio foi sujeito ao imposto de renda (IR) na fonte à alíquota de 15%, exceto para os acionistas comprovadamente isentos ou imunes, ou acionistas domiciliados em países para os quais a legislação estabeleça alíquotas diversas.

O montante total líquido dos juros sobre o capital próprio soma R$ 19.362.159,49, correspondentes a R$ 0,0350449080 por ação, exceto para os acionistas que sejam comprovadamente imunes ou isentos, ou acionistas domiciliados em países para os quais a legislação estabeleça alíquotas diversas.

Devido ao programa de recompra de ações em vigor, aprovado em 28 de fevereiro de 2024, o valor do JCP por ação pode ser alterado.

A companhia deve registrar os créditos correspondentes aos juros sobre o capital próprio em sua contabilidade em 31 de março de 2024, com data de pagamento definida para o dia 21 de agosto de 2024.

As ações da companhia serão negociadas ex-direito a juros sobre o capital próprio a partir de 2 de abril de 2024, inclusive.

Os juros sobre o capital próprio, líquidos do imposto de renda (IR) na fonte serão imputados aos dividendos obrigatórios relativos ao exercício de 2024.

 

O conselho de administração da Bradespar (BRAP4) propõe o pagamento de dividendos complementares, no montante de R$ 310.000.000,00, correspondentes a R$ 0,740550903 por ação ordinária (ON) e a R$ 0,814605993 por ação preferencial (PN), sem retenção de Imposto de Renda (IR) na Fonte.

Se aprovada a proposta, os mencionados dividendos:

  • - beneficiarão os acionistas inscritos nos registros da companhia em 29 de abril de 2024, e as ações passariam a ser negociadas "ex-dividendos" a partir de 30 de abril de 2024;
  • - serão computados no cálculo dos dividendos obrigatórios do exercício de 2023.
     

 

Além disso, a diretoria apresentou ao conselho de administração, para deliberação em reunião a ser realizada em 29 de abril de 2024, proposta para declarar dividendos no montante de R$ 140.000.000,00, correspondentes a R$ 0,334442343 por ação ordinária (ON) e a R$ 0,367886577 por ação preferencial (PN), sem retenção de Imposto de Renda (IR) na Fonte.


Se aprovada a proposta, os mencionados dividendos:

  • - beneficiarão os acionistas inscritos nos registros da companhia em 29 de abril de 2024, e as ações passariam a ser negociadas "ex-dividendos" a partir de 30 de abril de 2024;
    - serão computados no cálculo dos dividendos obrigatórios do exercício de 2024.
     

 

Os dividendos mencionados, se aprovados, no montante de R$ 450.000.000,00, serão pagos em 15 de maio de 2024, da seguinte forma:

  • - àqueles acionistas com ações custodiadas na B3 S.A. - Brasil, Bolsa, Balcão, mediante pagamento à referida B3, que vai repassá-los aos acionistas titulares por intermédio dos agentes de custódia; e
  • - aos acionistas que mantêm os dados bancários atualizados, mediante crédito a ser efetuado nas contas correntes em instituição financeira por eles indicadas.

 

Aqueles que não possuírem seus dados atualizados, ou não mantiverem conta corrente em instituição financeira, deverão apresentar-se na agência Bradesco de sua preferência, munidos de documento de identificação e do "Aviso para Recebimento de Proventos de Ações Escriturais" que vai ser enviado, via correio, àqueles com endereço atualizado nos registros da Bradespar.

 

JCP: Banco do Brasil (BBAS3) paga R$ 1,170 bilhão nesta quarta-feira

O conselho de administração do Banco do Brasil - BB (BBAS3) aprovou a distribuição de R$ 1.170.153.000,00 a título de remuneração antecipada aos acionistas na forma de juros sobre o capital próprio (JCP) relativos ao primeiro trimestre de 2024, como informou a companhia no dia 23 de fevereiro.

O valor dos JCPs por ação equivale a R$ 0,4100367328.

Créditos serão pagos nesta quarta-feira, 27 de março de 2024, e farão jus à distribuição investidores posicionados em base acionária ao fim da sessão do dia 11 de março de 2024.

 

JCP: Localiza (RENT3) vai pagar R$ 407,0 milhões

O conselho de administração de Localiza (RENT3) autorizou o crédito e o pagamento de juros sobre o capital próprio (JCP) no valor bruto de R$ 407.093.448,54 aos seus acionistas.

Créditos serão efetuados no dia 25 de maio na proporção da participação de cada acionista, com retenção do Imposto de Renda (IR) na fonte, exceto para os acionistas que já sejam comprovadamente imunes ou isentos.

Farão jus ao pagamento os acionistas constantes da posição acionária da companhia na próxima segunda-feira, 1 de abril.

As ações, a partir da próxima terça-feira, 2 de abril, serão negociadas na bolsa de valores "ex-direitos".

O valor bruto por ação dos juros sobre capital próprio a ser pago corresponde a R$ 0,383547112.

O valor por ação pode ser modificado em razão da alienação de ações em tesouraria para atender ao exercício de opções de compra de ações outorgadas com base nos Planos de Opção de Compra de Ações e-ou por eventual aquisição de ações dentro do Plano de Recompra de Ações.

 

Dividendos extraordinários: Copasa (CSMG3) propõe distribuir R$ 300 milhões

O conselho de administração da Copasa (CSMG3) recomendou para deliberação de assembleia-geral extraordinária (AGE), a ser realizada no dia 26 de abril, sobre a adequação do excesso da reserva de lucros em relação ao capital social referente ao exercício findo em 2023, por meio:

  • - i) da integralização de R$ 203.389.652,57 ao capital social, sem emissão de novas ações;
  • - ii) da distribuição de R$ 300.000.000,00 em dividendos extraordinários.

 

JCP: Banrisul (BRSR6) paga R$ 50 milhões nesta quarta-feira

O conselho de administração de Banrisul (BRSR6) aprovou o pagamento de R$ 50 milhões em juros sobre o capital próprio (JCP). Os proventos distribuídos referem-se ao 1º trimestre deste ano.

O montante corresponde ao valor bruto de: 

  • - R$ 0,12225702 por ação ordinária (ON)(BRSR3) - R$ 0,10391847 líquidos;
  • - R$ 0,12225702 por ação preferencial classe A (PNA)(BRSR5) - R$ 0,10391847 líquidos; e
  • - R$ 0,12225702 por ação preferencial classe B (PNB)(BRSR6) - R$ 0,10391847 líquidos. 

 

Serão beneficiados os acionistas que estiverem inscritos nos registros da sociedade no dia 15 de março. As ações passaram a ser negociadas ex-direitos aos juros intermediários desde o dia 18 de março. 

Créditos serão efetuados nesta quarta-feira, dia 27 de março.

 

JCP: Armac (ARML3) vai pagar R$ 24 milhões

O conselho de administração de Armac (ARML3) aprovou a proposta de declaração de juros sobre o capital próprio (JCP) no montante bruto de R$ 24.000.000,00, equivalentes a R$ 0,0694369916 por ação, excluídas as ações em tesouraria.

Os referidos JSCP terão como base de cálculo a posição acionária da próxima terça-feira, 2 de abril, considerado um total de 345.637.094 ações de emissão da companhia, desconsideradas as ações em tesouraria.

A partir da próxima quarta-feira, 3 de abril, as ações da companhia serão negociadas ex-direitos.

O pagamento vai ser efetuado no dia 19 de abril de 2024.

 

Dividendos intercalares: Lavvi (LAVV3) paga mais de R$ 20 milhões nesta quarta-feira

A Lavvi (LAVV3) vai distribuir R$ 20.933.671,00 em dividendos intercalares, como aprovou seu conselho de administração e foi informado no dia 6 de março.

O montante corresponde a R$ 0,1071135692 por ação.

Farão jus aos créditos investidores posicionados em base acionária ao fim da sessão do dia 14 de março. As ações são negociadas ex-dividendos desde o dia seguinte, 15 de março.

O pagamento dos dividendos foi programado para esta quarta-feira, 27 de março.

 

JCP: Track e Field (TFCO4) vai pagar R$ 6,24 milhões a quem mantiver ações até esta quarta-feira

O conselho de administração de Track e Field (TFCO4) autorizou a distribuição do valor bruto de R$ 6.243.084,69 em juros sobre o capital próprio (JCP), o equivalente a R$ 0,00401194735 por ação ordinária (ON) e R$ 0,04011947350 por ação preferencial (PN).

Proventos serão pagos no dia 30 de abril e farão jus aos créditos investidores posicionados em base acionária ao fim da sessão desta quarta-feira, 27 de março.

 

JCP: B3 (B3SA3) ajusta valor por ação de juros sobre capital próprio

Nesta terça-feira (26), a B3 (B3SA3) informou o ajuste do valor dos pagamentos de juros sobre capital próprio (JCP), referentes ao primeiro trimestre de 2024.

O provento passou de R$ 0,05232175 para R$ 0,05245279 por ação (valor líquido de R$ 0,04447349 para R$ 0,04458487).

O pagamento vai ser realizado no dia 5 de abril, com base na posição acionária de terça-feira, 26 de março. As ações da companhia passam a ser negociadas na condição "ex-juros" a partir desta quarta-feira, 27 de março.

 

Trade

DAY TRADE: 10 ações para comprar e vender nesta quarta-feira (27)

Nesta quarta-feira (27), a Ágora Investimentos recomendou a compra das ações de Cielo (CIEL3), Klabin (KLBN11) e Positivo (POSI3) para ganhos de até 1,54% em operações de day trade.

Para venda, o PagBank recomendou os papéis de Localiza (RENT3) e Marfrig (MRFG3). Analistas gráficos estimam um ganho potencial de 1,56% com a operação.