terça, 28 de maio de 2024
Ações

Destaques corporativos: Arezzo (ARZZ3), Fleury (FLRY3), Petrobras (PETR3)(PETR4) e Vulcabras (VULC3)

Veja aqui as principais notícias das grandes empresas brasileiras, entre avisos aos acionistas, comunicados ao mercado, fatos relevantes e mais informações da imprensa especializada

08 março 2024 - 17h49Por Redação SpaceMoney

Arezzo (ARZZ3), CBA (CBAV3), Fleury (FLRY3), Gafisa (GFSA3), Petrobras (PETR3)(PETR4) e Vulcabras (VULC3) são algumas das empresas que protagonizam o noticiário corporativo desta sexta-feira, 8 de março:

 

Empresas

Veja aqui as principais notícias das grandes empresas brasileiras, entre avisos aos acionistas, comunicados ao mercado, fatos relevantes e mais informações da imprensa especializada:

 

Balanços

Petrobras (PETR3)(PETR4): lucro líquido cai 28,4% em um ano, a R$ 31,0 bilhões no quarto trimestre

A Petrobras (PETR3)(PETR4) registrou um lucro líquido de R$ 31,0 bilhões no quarto trimestre de 2023, 28,4% a menos do que a cifra registrada em igual período de 2022, e 16,6% superior ao registrado no trimestre imediatamente anterior.

Em 2023, a estatal lucrou R$ 124,6 bilhões, volume 33,8% inferior ao informado sobre 2022.

O EBITDA (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ficou em R$ 66,8 bilhões, queda de 8,5% em doze meses.

A dívida líquida da empresa subiu para US$ 44,6 bilhões, valor 7,70% superior ao registrado no quarto trimestre de 2022.

Já os investimentos subiram 23,70% em um ano.

 

Arezzo (ARZZ3) registra lucro líquido recorrente de R$ 125,70 milhões no quarto trimestre de 2023

O EBITDA (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) recorrente da Arezzo (ARZZ3) somou R$ 221,0 milhões no quarto trimestre de 2023, crescimento de 16% sobre igual período de 2022.

A companhia apresentou um lucro líquido recorrente de R$ 125,70 milhões entre os meses de outubro e dezembro passados, aumento de 22,5% em um ano.

 

CBA (CBAV3) registra prejuízo líquido de R$ 586 milhões no quarto trimestre de 2023

No quarto trimestre de 2023, a receita líquida consolidada da CBA (CBAV3) foi de R$ 1,90 bilhão, uma redução de 3,0% em relação a igual período de 2022 e um aumento de 2% em relação ao período entre julho e setembro do ano passado.

O EBITDA (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado consolidado foi de R$ 102 milhões no quarto trimestre de 2023, praticamente estável em relação ao resultado de igual período de 2022.

A margem EBITDA consolidada entre os meses de outubro e dezembro passados também foi estável, e encerrou o trimestre em 5%.

Com relação ao intervalo entre julho e setembro passados, o aumento do EBITDA ajustado consolidado foi de 122% e a margem EBITDA ajustada maior em 3,0 pontos percentuais.

A companhia reportou um prejuízo líquido de R$ 586 milhões no quarto trimestre de 2023, contra perdas líquidas de R$ 80 milhões no igual período de 2022 e prejuízo de R$ 263,0 milhões no terceiro trimestre do ano passado.

Tanto com relação ao quarto trimestre de 2022, quanto com relação ao terceiro trimestre de 2023, o maior prejuízo no quarto trimestre passado foi em função, principalmente do ajuste nos contratos futuros de energia.

Esse efeito foi parcialmente compensado pela variação positiva no imposto de renda e contribuição social de R$ 138 milhões, quando comparado ao quarto trimestre de 2022 e de R$ 142 milhões contra o terceiro trimestre de 2022, pelo reflexo do impacto da marcação à mercado no imposto diferido.

Adicionalmente, foi registrado impairment relacionado à redução do valor recuperável da mais valia dos ativos da CBA Itapissuma em R$ 97,0 milhões.

 

Enauta (ENAT3) registra lucro líquido de R$ 68 milhões no quarto trimestre de 2023

A Enauta (ENAT3) registrou um lucro líquido de R$ 68 milhões no quarto trimestre de 2023, uma queda de 62,6% em relação ao apurado em igual intervalo de 2022.

O EBITDA (sigla em inglês para lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 263,0 milhões entre os meses de outubro e dezembro passados, uma retração de 43,2% na base de comparação anual.

No período, a receita líquida caiu 35% em relação a igual intervalo do ano anterior, para R$ 427,0 milhões.

 

Vulcabras (VULC3) registra lucro líquido recorrente de R$ 145 milhões no quarto trimestre de 2023

A receita líquida de Vulcabras (VULC3), dona da marca Olympikus, foi de R$ 791,30 milhões no quarto trimestre, alta de 7,10% em relação a igual período de 2022. 

A companhia registrou um lucro líquido recorrente de R$ 144,70 milhões no quarto trimestre, alta de 18,5% em relação a igual período de 2022. 

O EBITDA (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) recorrente somou R$ 177,70 milhões entre os meses de outubro e dezembro, alta de 22,8% na base anual de comparação.

 

Petz (PETZ3) registra lucro líquido de R$ 19,4 milhões no quarto trimestre de 2023

O EBITDA (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado de Petz (PETZ3) no quarto trimestre de 2023 foi de R$66,8 milhões (-3,5% a.a.), 6,8% da receita bruta (-0,6 p.p. a.a.).

O lucro líquido ajustado totalizou R$ 19,4 milhões entre outubro e dezembro passados, uma queda de 22,0% ao ano, reflexo de:

  • - (i) menor alavancagem operacional;
  • - (ii) crescimento de Depreciação & Amortização; e
  • - (iii) base de comparação do quarto trimestre de 2022, que incluiu o pagamento de juros sobre capital próprio (JCP). 

 

Fleury (FLRY3) registra lucro líquido de R$ 81,30 milhões no quarto trimestre de 2023

No quarto trimestre de 2023, o EBITDA (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de Fleury (FLRY3) alcançou R$ 375,8 milhões, aumento de 61,5% em relação ao mesmo período de 2022, com margem de 22,10%.

Entre outubro e dezembro passados, o lucro líquido totalizou R$ 81,30 milhões, com margem de 4,80%, 1,99 p.p. maior do que o mesmo período do ano anterior.

Desconsiderado o efeito total das despesas de combinação de negócios, o lucro líquido em 2023 seria de R$ 498,90 milhões, com 7,70% de margem.

No quarto trimestre de 2023, os investimentos totalizaram R$ 149,5 milhões, aumento de 15,5% em relação ao mesmo período do ano anterior.

 

Zamp (ZAMP3) informa lucro líquido de R$ 59,30 milhões no quarto trimestre de 2023

A receita operacional líquida de Zamp (ZAMP3) no quarto trimestre de 2023 foi de R$ 1,1 bilhão no quarto trimestre de 2023, um crescimento de 2% ano a ano. A margem bruta consolidada foi de 70,5%, expansão de 4,50 p.p. em comparação a igual período de 2022.

Ajustado o efeito não recorrente, a evolução seria de 24 BPS contra o período entre outubro e dezembro de 2022.

O EBITDA (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado soma R$ 227,0 milhões, expansão de 6% ano a ano.

A Zamp informou que obteve um lucro de R$ 59,30 milhões no quarto trimestre, crescimento de 41,00% em doze meses.

 

Emae (EMAE4) registra lucro líquido de R$ 150,5 milhões em 2023, alta de 121,2% em um ano

A receita líquida consolidada de Emae (EMAE4) em 2023 atingiu R$ 603,30 milhões, que representa acréscimo de 13,30% em relação aos R$ 532,70 milhões contabilizados em 2022.

Os custos dos serviços de energia elétrica no exercício foram de R$ 442,8 milhões, queda de 3,6% em relação aos R$ 459,6 milhões de 2022.

A geração de EBITDA ajustado foi positiva em R$ 101,40 milhões, aumento de R$ 83,70 milhões em relação ao resultado do ano anterior.

Quanto às despesas gerais e administrativas, o valor apurado no exercício foi de R$ 112,40 milhões, queda de R$ 12,10 milhões em comparação aos R$ 124,50 milhões de 2022.

No exercício, o resultado antes dos impostos foi de R$ 159,30 milhões, aumento de 103,8% em relação aos R$ 78,2 milhões de 2022.

Devido ao pagamento de juros sobre o capital próprio (JCP) de R$ 105,8 milhões declarados em 2023, somados ao resultado de equivalência patrimonial de R$ 27,30 milhões auferidos por sua controlada, após o Imposto de Renda e Contribuição Social, a companhia encerrou o exercício fiscal com lucro líquido de R$ 150,50 milhões, aumento de 121,20% em relação aos R$ 68 milhões apurados em 2022.

 

Track & Field (TFCO4) registra lucro líquido de R$ 37,2 milhões no quarto trimestre de 2023

A receita líquida de Track & Field (TFCO4) somou R$ 221,90 milhões no quarto trimestre de 2023, uma alta de 19,8% em relação ao registrado em igual período do ano anterior. 

O lucro líquido ajustado totalizou R$ 37,2 milhões entre outubro e dezembro passados, um crescimento de 4,90% em doze meses.

O EBITDA (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), em critério ajustado, somou R$ 155,8 milhões, uma expansão de 23,5% sobre o apurado em igual intervalo de 2022.

 

Syn (SYNE3) registra lucro líquido ajustado de R$ 12,2 milhões no quarto trimestre de 2023

A receita recorrente líquida de SYN Prop e Tech (SYNE3) foi de R$ 95,0 milhões no quarto trimestre de 2023, um aumento de 12,5% em comparação com o mesmo trimestre de 2022. 

As operações da SYN registraram lucro de R$ 5,4 milhões no quarto trimestre de 2023. O lucro líquido ajustado do trimestre (excluídos os efeitos não recorrentes, conforme tabela abaixo) foi de R$ 12,2 milhões, correspondente a R$ 0,080 por ação da companhia.

 

Padtec (PDTC3) registra lucro líquido de R$ 15,4 milhões em 2023

Em 2023, o lucro bruto da companhia alcançou R$ 131,30 milhões, 12,30% acima do registrado no ano anterior, R$ 116,90 milhões. A margem bruta cresceu 3,6 pontos percentuais, de 32,0% em 2022 para 35,6% em 2023.

A Padtec registrou lucro líquido de R$ 15,4 milhões em 2023 (com lucro líquido básico por ação de R$ 0,190), crescimento de 58,0% sobre o ano anterior, R$ 9,8 milhões (quando o lucro líquido básico por ação foi de R$ 0,12).

O EBITDA ajustado, após o estorno do valor recebido a título de indenização de processos cíveis nos quais a então Ideiasnet S.A. era parte, foi de R$ 48,6 milhões (margem EBITDA Ajustado de 13,2%).

Em 2022, com a eliminação do efeito da baixa de créditos a receber no valor líquido de R$ 2,0 milhões, o EBITDA ajustado foi de R$ 46,6 milhões (margem EBITDA ajustado de 12,7%).

 

Informe corporativo

Petrobras (PETR3) nega realização de estudo para adquirir fatia de Vibra (VBBR3)

A Petrobras (PETR3)(PETR4) reiterou que avalia a aquisição de participação na Refinaria de Mataripe S.A. e em projeto em desenvolvimento de uma biorrefinaria integrada, bem como estão em andamento discussões com a Mubadala Capital relativas à formação de parceria de downstream no Brasil, em rigorosa observância à governança de aprovação de projetos da estatal.

Adicionalmente, a Petrobras informou que não tem realizado estudo sobre aquisição de participação na Vibra (VBBR3).

A companhia reiterou que eventuais decisões de investimentos deverão, em alinhamento à governança corporativa, passar pelos processos de planejamento e aprovação previstos nas sistemáticas aplicáveis e ter suas viabilidades técnica e econômica demonstradas e em linha com o Plano Estratégico 2024-2028+.

Pelo exposto, a companhia entende que não há qualquer ato ou fato relevante relacionado aos temas abordados em notícia veiculada na mídia.

Adicionalmente, a companhia esclarece que a potencial parceria com a Mubadala Capital, bem como a possibilidade de aquisição de participação na Refinaria de Mataripe S.A. e em projeto em desenvolvimento de uma biorrefinaria integrada, que não constituem fato relevante, já haviam sido divulgadas pela estatal ao mercado.

 

Vale (VALE3): conselho de administração não definiu processo sucessório, esclarece mineradora

Em referência a notícias de imprensa que mencionam eventual sucessão na presidência da Vale (VALE3) com apoio de consultoria externa, a companhia reitera que não houve decisão de seu conselho de administração quanto à renovação do mandato do presidente em exercício ou à realização de processo sucessório.

O conselho de administração da mineradora afirma conduzir de forma diligente as discussões pertinentes à definição do presidente da companhia e que cumpre com rigor o Estatuto Social e as políticas corporativas aplicáveis.

A Vale reiterou seu compromisso de manter o mercado atualizado sobre desdobramentos materiais quanto à sua liderança.

 

Enauta (ENAT3) informa cessão de créditos de terceiro para parte relacionada

A Enauta (ENAT3) informou a cessão de créditos oriundos de duas notas de crédito à exportação (NCE) e de uma cédula de crédito bancário (CCB), em que a Enauta Energia, controlada, e a própria companhia figuram como devedoras, realizada pelo Banco BMG (BMGB4), pessoa jurídica de direito privado, para o JIF CREDITOS FI EM DIREITOS CREDITORIOS CREDITO PRIVADO, fundo de investimento em direitos creditórios não padronizados.

O JIF foi caracterizado, nos termos do Pronunciamento Técnico CPC 05 (R1) em conjunto com o Pronunciamento Técnico CPC 18 (R2), como parte relacionada à companhia, em vista que a gestão do JIF pertence à gestora do mesmo grupo econômico da Jive Asset Gestão de Recursos Ltda., que atua como gestora de fundos que detém 15,48% do capital social da companhia e da qual o presidente do conselho de administração da companhia mantém vínculo.

Confira mais detalhes em comunicado aqui.

 

Klabin (KLBN11) propõe aumento de capital de R$ 1,6 bilhão

O conselho de administração aprovou por unanimidade propor à assembleia-geral ordinária e extraordinária (AGOE), a ser realizada no dia 16 de abril, o aumento do capital social da companhia no valor de R$ 1.600.000.000,00, mediante a capitalização de parte do saldo da reserva de lucro, com a emissão de 561.789.275 novas ações, e destas serão:

  • - 208.172.860 ações ordinárias; e
  • - 353.616.415 ações preferenciais, sem valor nominal, que serão atribuídas gratuitamente aos acionistas, a título de bonificação, na proporção de 1 (uma) nova ação para cada 10 (dez) ações de emissão da companhia. 

 

O custo atribuído às ações bonificadas corresponde a R$ 2,84804297839 por ação.

As frações de ações decorrentes da bonificação poderão ser negociadas por 30 dias e, ao final, eventuais frações remanescentes serão agrupadas em ações e leiloadas em bolsa, e o resultado do leilão distribuído proporcionalmente aos titulares de tais frações, em dinheiro.

As ações das Units serão usadas para formar Units, porém, as ações que não forem passíveis de constituir Units serão creditadas diretamente aos acionistas. 

A mesma lógica deve ser reproduzida para os fins das Units objeto do “Programa de Outorga de Units para Todos da Klabin”, e outorgar à diretoria poderes para adotar as medidas necessárias para tanto, com a possibilidade inclusive de liquidar financeiramente eventuais frações de units objeto do programa, bem como, se necessário, aditar os respectivos “Contratos de Compra e Venda, Outorga e Usufruto de Units e Outras Avenças” celebrados com os seus colaboradores, a fim de refletir e implementar o ora deliberado.

 

Gafisa (GFSA3): Edmar Prado Lopes Neto renuncia aos cargos de diretor executivo financeiro e de RI

Edmar Prado Lopes Neto renunciou aos seus cargos de diretor executivo financeiro e diretor de relação com investidores da Gafisa (GFSA3) para empreender em novas oportunidades pessoais e profissionais, de acordo com a companhia.

A empresa informa, ainda, que, em reunião realizada nesta data, o conselho de administração elegeu Carmelo Aldo Di Leta para o cargo de diretor executivo operacional, responsável pela direção da área jurídica, e, interinamente, para o cargo de diretor de relação com investidores.

 

Americanas (AMER3) anuncia contratação de 478 novos funcionários

Entre os dias 26 de fevereiro e 3 de março, a Americanas (AMER3) admitiu 478 novos funcionários, das quais grande parte são referentes a contrações temporárias da Páscoa.

A companhia registrou ainda quatrocentos e cinquenta e seis pedidos de saída, cinquenta términos de contrato temporários e de experiência e cento e dezenove desligamentos involuntários.

A Americanas mantém um número total de 36.437 colaboradores sob o regime CLTs.

A varejista registra, também, que o número absoluto de desligamentos permanece em linha com os períodos anteriores à decretação da recuperação judicial.

A Americanas informa que o número total de lojas, em 3 de março, foi de 1.737, correspondente  a 92,30% do período anterior ao deferimento da recuperação judicial.

Durante a semana-base, houve três lojas encerradas.

 

Oi (OIBR3)(OIBR4): Trustee reduz participação a menos de 5% do capital social

Fundos de investimento geridos por Trustee reduziram sua participação acionária na Oi (OIBR3)(OIBR4) a uma fatia inferior a 5% do capital social.

Não foram celebrados quaisquer contratos ou acordos que regulem o exercício de direito de voto ou a compra e venda de valores mobiliários emitidos pela companhia.

 

Grupo Soma (SOMA3) comunica encerramento da 3ª emissão de debêntures da Cidade Maravilhosa

O Grupo Soma (SOMA3) informou que concluiu com sucesso a 3ª emissão de debêntures simples da Cidade Maravilhosa, não conversíveis em ações, da espécie quirografária, em três séries.

Com uma demanda de aproximadamente R$ 1,5 bilhão, foi exercido o lote adicional de 25% de debêntures, a atingir o valor total de R$ 625 milhões.

Além disso, a alta demanda pelo título levou a uma compressão significativa nas taxas-teto indicativas.

As debêntures serão pagas em duas séries com vencimento bullet de quatro anos e uma série dividida em duas parcelas iguais no quinto e no sexto anos, respectivamente.

Para a segunda e terceira séries, foram contratados swaps para transformar a exposição da dívida em CDI pós-fixado, de modo que a operação possui um custo final de CDI+0,795% e CDI+0,90%, respectivamente.

A taxa total ponderada da operação soma CDI+0,82%.

A operação representa uma melhora relevante do perfil de endividamento da companhia, com alongamento do duration e redução do custo médio ponderado da dívida, que vai sair de CDI+1,46% para CDI+1,23%.

 

Serena (SRNA3): fundos Tarpon pretendem avaliar possibilidade de follow-on

A Serena (SRNA3), em continuidade à informação de que os controladores da companhia engajaram um assessor para avaliar potenciais operações privadas ou no mercado de capitais, informou que:

  • - • foi informada por determinados fundos em gestão da Tarpon Gestora de Recursos que estes pretendem avaliar a possibilidade de realização de uma oferta pública de distribuição secundária de ações ordinárias de emissão da companhia, destinada exclusivamente a investidores profissionais, a ser realizada no Brasil, em um montante de até 86.366.091 ações ordinárias de emissão da companhia, representativas de 13,870% do capital social da companhia.
  • - • para tanto, os Fundos Tarpon engajaram, em adição ao BTG Pactual (BPAC11), com quem tinham firmado o mandato, o Itaú BBA e o Citigroup, além de determinadas afiliadas internacionais dessas instituições, para a prestação de serviços no âmbito da potencial oferta, inclusive trabalhos preparatórios para a definição da viabilidade e dos termos da potencial oferta.
  • - • a companhia foi informada de que, atualmente, não existe decisão acerca da realização da potencial oferta ou de qualquer operação no âmbito do Mandato, e a efetiva realização da potencial oferta, assim como qualquer operação deste tipo, está sujeita, entre outros fatores, às condições do mercado de capitais brasileiro e internacional, à obtenção das aprovações necessárias e às condições políticas e macroeconômica favoráveis.
  • - • caso seja concluída, a potencial oferta não vai resultar em alteração de controle acionário da Companhia.
  • - • além disso, a companhia esclarece ainda que não tem interesse de realizar emissão de novas ações no âmbito da potencial oferta, que seria exclusivamente secundária.

 

3Tentos (TTEN3): CA autoriza contratação de cédula de produto rural junto ao BTG Pactual (BPAC11)

O conselho de administração da 3Tentos (TTEN3) aprovou a contratação de cédula de produto rural (CPR) junto ao BTG Pactual (BPAC11), no valor de R$ 265.000.000,00 e autorizou sua diretoria a praticar todos os atos necessários à implementação da deliberação.

A CPR possui um prazo de sessenta meses, com carência de dezoito meses, garantido pelo aval de Luiz Osório Dumoncel e João Marcelo Dumoncel.

 

Proventos

 

Dividendos: Petrobras (PETR3)(PETR4) propõe pagar R$ 14,2 bilhões

A Petrobras (PETR3)(PETR4) informa que seu conselho de administração (CA) autorizou o encaminhamento à Assembleia Geral Ordinária (AGO), prevista para 25 de abril de 2024, da proposta de distribuição de dividendos equivalentes a R$ 14,2 bilhões.

Caso haja aprovação, considerados os dividendos antecipados pela companhia ao longo do exercício, ajustados pela Selic, os dividendos totais do exercício de 2023 totalizarão R$ 72,4 bilhões.

A distribuição proposta se alinha à Política de Remuneração aos Acionistas (Política), aprovada em 28 de junho de 2023, que prevê que, em caso de endividamento bruto igual ou inferior ao nível máximo de endividamento definido no plano estratégico em vigor (atualmente US$ 65 bilhões), a Petrobras deve distribuir aos seus acionistas 45% do fluxo de caixa livre.

Os dividendos propostos já levam em consideração o valor de ações recompradas no quarto trimestre de 2023, de R$ 2,70 bilhões, e a correção pela SELIC sobre as antecipações de dividendos e JCP relativos ao exercício social de 2023, no valor de R$ 1,10 bilhão, que foram descontados do total da remuneração aos acionistas, conforme o disposto na Política e no Estatuto Social, respectivamente.

A aprovação do dividendo se compatibiliza com a sustentabilidade financeira da companhia e está alinhada ao compromisso de geração de valor para a sociedade e para os acionistas, assim como às melhores práticas da indústria mundial de petróleo e gás natural.

O lucro remanescente do exercício, após os dividendos e formação de reservas legais e estatutária, totaliza R$ 43,90 bilhões.

O CA propôs que esse montante seja integralmente destinado para a reserva de remuneração do capital, com a finalidade de assegurar recursos para o pagamento de dividendos, juros sobre o capital próprio, suas antecipações e recompras de ações.

Os dividendos complementares do quarto trimestre serão pagos em duas parcelas iguais nos meses de maio e junho de 2024, da seguinte forma:

 

Valor a ser pago: R$ 1,09894844 por ação preferencial e ordinária em circulação, sendo que:

  • (i) primeira parcela, no valor de R$ 0,54947422 por ação preferencial e ordinária; e
  • (ii) segunda parcela, no valor de R$ 0,54947422 por ação preferencial e ordinária.

 

Data de corte: dia 25 de abril de 2024 para os detentores de ações de emissão da Petrobras negociadas na B3 e o record date vai ser o dia 29 de abril de 2024 para os detentores de ADRs negociadas na New York Stock Exchange (NYSE).

As ações da Petrobras serão negociadas ex-direitos na B3 e na NYSE a partir de 26 de abril de 2024.

Data de pagamento: para os detentores de ações de emissão da Petrobras negociadas na B3 o pagamento da primeira parcela vai ser realizado no dia 20 de maio de 2024 e o da segunda parcela no dia 20 de junho de 2024.

 

Os detentores de ADRs receberão os pagamentos a partir de 28 de maio de 2024 e 27 de junho de 2024, respectivamente.

 

Forma de distribuição: As duas parcelas de pagamento serão realizadas na forma de dividendos.

Atualização dos valores por ação: Os valores de dividendos por ação são preliminares e podem sofrer variação até a data de corte em decorrência do programa de recompra de ações.

Na data de corte, caso haja alteração dos valores por ação, a Petrobras vai comunicar os novos valores ao mercado. Os valores serão atualizados pela variação da taxa Selic de 31 de dezembro de 2023 até a data de cada pagamento.

 

Dividendos: Itaú (ITUB4) paga R$ 11,0 bilhões nesta sexta-feira (8)

Nesta sexta-feira (8), o Itaú (ITUB4) realiza o pagamento de R$ 11,0 bilhões em dividendos sobre o resultado do ano de 2023, como informou o banco no dia 5 de fevereiro. O montante equivale a R$ 1,125125 por ação referente ao exercício do ano passado.

Farão jus aos créditos investidores posicionados em base acionária ao fim da sessão do dia 21 de fevereiro

 

Nesta sexta-feira, a companhia ainda efetua o pagamento de juros sobre o capital próprio (JCP) nos valores brutos de:

  • - R$ 0,26 (líquido de R$ 0,22890) por ação, com posição acionária final registrada em 18 de setembro de 2023; e
  • - R$ 0,24 (líquido de R$ 0,210154) por ação, com posição acionária final registrada em 6 de dezembro de 2023

 

Dividendos e JCP: Itaúsa (ITSA4) paga R$ 5,6 bilhões nesta sexta-feira (8)

No dia 19 de fevereiro, o conselho de administração da Itaúsa (ITSA4) deliberou a declaração de dividendos adicionais aos proventos do exercício de 2023 no montante de R$ 3,10 bilhões. 

A quantia corresponde ao valor de R$ 0,3005 por ação.

Créditos serão efetuados nesta sexta-feira, 8 de março, e têm como data-base a posição acionária final do dia 22 de fevereiro.

 

A holding vai distribuir, também hoje, os juros sobre o capital próprio (JCP) no montante líquido de R$ 2,5 bilhões, correspondente ao valor bruto de R$ 0,298 por ação (líquido de R$ 0,254065 por ação), imputados ao valor do dividendo do exercício de 2023 e declarados pelo conselho de
administração nas reuniões de 20 de julho, 18 de setembro, 16 de outubro e 13 de dezembro passados, conforme anteriormente divulgados.

Esse montante líquido de R$ 5,6 bilhões, somados aos demais proventos referentes ao exercício de 2023, totaliza o montante líquido de R$ 8,0 bilhões
e representa um dividend yield de 8,10%, considerada a atual composição do capital social e o valor da cotação de fechamento da ação preferencial da
companhia (ITSA4) nesta data.

 

Dividendos intercalares: Vulcabras (VULC3) vai pagar R$ 204,2 milhões

O conselho de administração de Vulcabras (VULC3) aprovou o pagamento aos acionistas de dividendos intercalares com base no saldo de lucros acumulados apurado em balanço com data-base de 31 de dezembro de 2023, no montante total de R$ 204.187.500,00.

O pagamento vai beneficiar acionistas que estiverem inscritos nos registros da companhia na próxima quarta-feira, data de 13 de março, consideradas as negociações realizadas até esta data, inclusive, e serão pagos em 25 de março.

As ações de emissão da companhia passarão a ser negociadas ex-dividendos intercalares a partir de 14 de março, inclusive.

O montante total bruto dos dividendos intercalares ora declarados vai ser imputado e deduzido o valor dos dividendos obrigatórios referentes ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2023 e não vai ser objeto de qualquer atualização monetária.

Os créditos consideram as ações em circulação da companhia existentes na presente data, e, nesse sentido, o valor de dividendos intercalares a ser pago equivale a R$ 0,75 (R$ 0,60 superior ao valor de R$ 0,15, que foi praticado pela companhia nos últimos trimestres) por ação.

O valor por ação dos dividendos pode ser ajustado em razão do programa de recompra de ações da companhia.

 

Dividendos: Fleury (FLRY3) vai pagar R$ 80,5 milhões

O conselho de administração de Fleury (FLRY3) aprovou a distribuição de dividendos aos acionistas com base no lucro líquido referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2023, no valor total de R$ 80.536.475,00, correspondente ao valor por ação de R$ 0,14761361742.

Os dividendos ora aprovados serão imputados ao dividendo mínimo obrigatório referente ao exercício encerrado em 31 de dezembro de 2023 e serão pagos aos acionistas da companhia em 1 de abril de 2024.

Farão jus aos dividendos os acionistas da companhia no fechamento do pregão de 19 de março de 2024, de modo que as ações da companhia serão negociadas na condição “ex” dividendos a partir de 20 de março de 2024.

 

Dividendos e JCP: Camil (CAML3) paga R$ 25 milhões nesta sexta-feira (8)

A Camil (CAML3) anunciou o pagamento do valor bruto de R$ 25.000.000,00 em dividendos e juros sobre o capital próprio (JCP), como decidiu seu conselho de administração e foi anunciado na noite do dia 7 de fevereiro.

Em dividendos, o valor bruto soma R$ 6.000.000,00, correspondente ao valor bruto unitário de R$ 0,017594 por ação ordinária (ON). Em juros sobre o capital próprio (JCP), o valor bruto soma R$ 19.000.000,00, correspondente ao valor bruto unitário de R$ 0,055715926 por ação ordinária (ON).

Farão jus aos créditos investidores posicionados em base acionária ao fim da sessão do dia 21 de fevereiro. As ações passaram a ser negociadas ex-direitos desde o dia 22 de fevereiro.

Pagamentos serão efetuados nesta sexta-feira, dia 8 de março.

 

JCP: Banese (BGIP3) paga R$ 19,5 milhões nesta sexta-feira (8)

Nesta sexta-feira (8), o Banese (BGIP3)(BGIP4) vai pagar juros sobre o capital próprio (JCP) relativos ao segundo semestre de 2023 imputados aos dividendos mínimos obrigatórios, no montante de R$ 19.573.250,33.

Os JCPs serão pagos de maneira individualizada, da seguinte forma:

  • - 1. os acionistas correntistas do Banese terão seus créditos disponíveis na data do pagamento, de acordo com a sua conta corrente e domicílio fornecido ao Banese;
  • - 2. os acionistas não correntistas receberão o pagamento dos JCPs em qualquer agência da rede BANESE mediante apresentação de documento de identificação e CPF ou CNPJ; ou transferência eletrônica disponível (TED), conforme informações cadastrais;
  • - 3. os juros relativos às ações custodiadas na B3 S.A., serão pagos à referida B3 S.A., que vai repassá-los aos acionistas titulares por intermédio das corretoras depositantes;
  • - 4. os acionistas com Cadastro Desatualizado, sem o número do CPF/CNPJ ou indicação do Banco/Agência e Conta Corrente, terão os juros pagos através de aviso de crédito no momento que os mesmos providenciarem a regularização de seu cadastro, pessoalmente, no Centro Administrativo Banese, localizado na Rua Olímpio de Souza Campos Júnior, 31, Inácio Barbosa, Aracaju/SE, CEP 49.040-840, munidos de cópia de Documento de Identificação válido e Comprovante de Residência, e, no caso de pessoa jurídica, cópia do Contrato Social.

 

O pagamento de juros sobre o capital próprio relativos ao segundo semestre de 2024 vai ser no valor bruto de R$ 1,047637413 por ação para as ações ordinárias nominativas e R$ 1,152401155 por ação para as ações preferenciais nominativas, com retenção de 15% de imposto de renda (IR) na fonte, exceto para os acionistas comprovadamente imunes ou isentos, que resultam em juros líquidos de R$ 0,890491801 por ação para as ações ordinárias nominativas e R$ 0,979540981 para as ações preferenciais nominativas, com base na posição acionária de 28 de fevereiro de 2024.

As ações, desde o dia 29 de fevereiro de 2024, passarão a serem negociadas na Bolsa de Valores “ex” esses juros sobre o capital próprio, imputados aos valores a serem pagos aos dividendos mínimos obrigatórios.

 

Dividendos: Padtec (PDTC3) propõe pagar R$ 3,674 milhões

O conselho de administração de Padtec (PDTC3) aprovou a proposta de destinação do lucro líquido resultante do exercício social findo em 31 de dezembro de 2023, no valor total de R$ 15.471.119,07, da seguinte forma:

  • - a) constituição de reserva legal de 5% (cinco por cento) do lucro líquido, no montante de R$ 773.555,95;
  • - b) pagamento de dividendos aos acionistas da companhia, no montante de R$ 3.674.390,78, que corresponde a R$ 0,046385235 por ação ordinária de emissão da companhia; e
  • - c) destinação do saldo remanescente no valor de R$ 11.023.172,34 à criação de uma reserva estatutária de investimento, com a finalidade de financiar o desenvolvimento, o crescimento e a expansão dos negócios da companhia e suas controladas. 

 

Os dividendos serão pagos conforme o artigo 34 do Estatuto Social. A proposta acima vai ser encaminhada para deliberação em assembleia-geral ordinária.